Anúncios
News Ticker

Mulheres são negligenciadas em pesquisas para cura e vacinação para as mulheres

Pessoal, manter o site nos traz custos, custos estes que estão difíceis para arcarmos sozinhos. Nós queremos continuar trazendo informações e ajudando as pessoas que chegam até aqui, mas para isso também precisamos de ajuda. Qualquer valor é bem vindo e nos ajudará a manter o site de pé, caso contrário não conseguiremos mais ter esse canal de informação e ajuda mútua. Segue a conta para depósito: Banco do Brasil, agência 1521-0, conta corrente 19957-5, em nome de Claudio Souza
French professor French professor Erwann Loret works on samples of a vaccine against AIDS in his laboratory in Marseille January 29, 2013. REUTERS/Jean-Paul Pelissier
Pesqyuis mnatém mulheres do alcance (that is the Hell)

E é bem assim mesmo. “Nós” (…) Mantemos a bola seme fora do delas. Se fosse em bolinhas de gude a frase seria: Pagão não tem palavra

(Reuters Health) – Embora as mulheres representem cerca de metade dos casos de HIV em todo o mundo, eles continuam sendo amplamente excluídas dos ensaios clínicos que testam medicamentos, vacinas e curas potenciais para o vírus ou a AIDS, confirma uma pesquisa.

Em uma análise que abrange várias décadas que incluiu trabalho realizado em 2012, os pesquisadores descobriram que as mulheres compõem, tipicamente, cerca de 11 por cento dos participantes dos ensaios que buscam soluções para a epidemias de HIV/AIDS. Da mesma forma, os estudos de drogas eram apenas cerca de 19 por cento mulheres e apenas 38 por cento dos indivíduos do ensaio de vacina eram mulheres.

“Com base em estudos prévios em outras áreas de saúde, não foi surpreendente, mas talvez decepcionante, dado que quase metade das pessoas que vivem com HIV são mulheres”, disse o autor do estudo Dr. Mirjam Curno, que fez a análise enquanto trabalhava como editor-chefe da O Jornal da Sociedade Internacional de AIDS, disse por e-mail.

Pesquisas em áreas como doenças cardíacas, câncer e depressão também tiveram uma participação feminina historicamente baixa, assim como ensaios humanos avançados testando drogas experimentais, observam Curno e colegas no Journal of Acquired Immune Deficiency Syndromes.

Embora possa fazer sentido ter menos mulheres em estudos focados em doenças que desproporcionalmente afetam homens, os resultados da pesquisa podem ignorar gêneros específicos, danos ou benefícios quando a proporção de homens e mulheres no estudo é extremamente diferente do que acontece no mundo real, Disse o autor do estudo sênior Dr. Shirin Heidari por e-mail.

Isso porque, mesmo quando a doença é a mesma, as mulheres podem ter sintomas diferentes dos homens e responder de maneiras únicas aos tratamentos que estão sendo testados.

“Falhar em estudar sistematicamente as diferenças de sexo e gênero na pesquisa em saúde leva a menos medicina baseada em evidências para um sexo ou outro”, disse Heidari, que é presidente do comitê de política de gênero para a Associação Europeia de Editores de Ciências.

A análise das disparidades de gênero nos ensaios de HIV inclíram mais de 500 estudos publicados em revistas médicas proeminentes ao longo de várias décadas.

Uma limitação da análise é que, ao confiar no trabalho publicado, ele não pode capturar quaisquer diferenças na composição de gênero de ensaios mais recentes que ainda não tenham sido concluídos, reconhecem os autores.

Este slideshow necessita de JavaScript.

É possível que pelo menos alguns estudos na análise não tenham sido feitos para favorecer os homens, mas acabaram por inscrever menos participantes do sexo feminino devido a obstáculos que podem afetar desproporcionalmente as mulheres, como a falta de cuidados infantis ou de idosos ou o transporte limitado ou o tempo para participar, Observou Mary Foulkes, uma pesquisadora de biostatistics na Universidade George Washington em Washington, DC

Uma questão não respondida pela análise é porque as mulheres elegíveis podem ter decidido não participar, Foulkes, que não estava envolvido no estudo, disse por e-mail.

Às vezes, os critérios de inscrição no ensaio podem ser demasiado restritivos para inscrever mulheres suficientes, por exemplo, proibindo as mulheres grávidas, em período de amamentação ou em idade fértil. No passado, os critérios de elegibilidade excluíram um grande número de mulheres, mesmo em testes de HIV projetados para estudar pacientes do sexo feminino, observou a Dra. Monica Gandhi, especialista em HIV na Universidade da Califórnia, em São Francisco.

A sub-representação das mulheres em testes de HIV pode fazer com que os achados tenham uso limitado no tratamento de pacientes do sexo feminino, disse Gandhi, que não estava envolvido no estudo, por e-mail.

“Quando eu cuido de uma mulher infectada pelo HIV na minha clínica, não sei se este tratamento novo e emocionante ou estratégia se aplica especificamente a ela se o estudo não inclui pessoas suficientes neste ou naquele estudo que se parecem com ela”, disse Gandhi .

SOURCE: bit.ly/1JKDP44 Diário de Síndromes de Imunodeficiência Adquirida, on-line 8 de setembro de 2015

Anúncios

Olha só pessoal.

No início do post tem uma imagem com um texto falando sobre o trabalho e os custos que a gente tem. Você que está me lendo agora, pode e tem o direito de não acreditar.

No mês de mais, quando mais de quarenta mil visitas foram registradas, houve três cooperações.

Quando nós pedimos cooperação financeira, qualquer valor é bom.

Sabe, o beija-flor pode carregar uma diminuta gota d’água em seu bico, no afã de apagar o incêndio na floresta….

E nunca será insuficiente 😊

Está conta serve para transferências de qualquer banco ou depósitos na boca do caixa de qualquer agência do Santander

Esta conta não permite, senhores abusadores, que seja feito nada a título de débito nela.

Você não poderá, como já pôde, assinar 65 revistas de uma só editora e, muito menos abrir contas de acesso à Internet 🙂

Precisa conversar

Whats App Soropositivo.Org

Estamos aqui para ajudar a pensar, não para diagnosticar. Não somos médicos ou profisionais de saúde. Buscamos ajudar com palavras amigas, conforto espiritual e, na medida do possível, terminar com a neurose gerada por bloqueiros de meia pataca ou homofóbicos sem caráter que não pensam duas vezes antes de espalhar terros entre pessoas que, quer eles, os homofóbicos, queiram ou não, são seres humanos. Tenha em mente que o numero do WhatsApp esta conectado a um CPF

A PEP é um direito de todos! Saiba onde a achar

A PEP é um direito de Todos

A PEP É um DIREITO DEDOS

[EIKYGMrz]

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico 2013/2014

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico
%d blogueiros gostam disto: