COVID-19COVID-19

COVID-19 e Recombinantes Duas variantes fundiram-se em Mutação Grandemente Alteradas

[vc_row][vc_column][vc_column_text el_id=”primeiro-recomebinante”]O Reino Unido e Califórnia variantes de coronavírus parecem ter combinado em um híbrido altamente mutante, o que provocou a preocupação de que podemos estar entrando em uma nova fase do covid-19pandemia de

Duas variantes do coronavírus SARS-CoV-2 que causa covid-19 combinaram seus genomas para formar uma versão híbrida fortemente mutada do vírus. O evento de “recombinação” foi descoberto em uma amostra de vírus na Califórnia, provocando alertas de que podemos estar prontos para entrar em uma nova fase da pandemia.

Recombinante De Uma Cepa Altamente Transmissível Resistente a Alguns anticorpos

O vírus híbrido é o resultado da recombinação da altamente transmissível variante B.1.1.7 descoberta no Reino Unido e da variante B.1.429 que se originou na Califórnia e que pode ser responsável por uma onda recente de casos em Los Angeles porque carrega um mutação tornando-o resistente a alguns anticorpos.

O recombinante foi descoberto por Bette Korber no Laboratório Nacional de Los Alamos, no Novo México, que disse em uma reunião organizada pela Academia de Ciências de Nova York em 2 de fevereiro que tinha visto evidências “bastante claras” dele em seu banco de dados de genomas virais dos Estados Unidos .

O primeiro recombinante

Se confirmado, o recombinante seria o primeiro a ser detectado nesta pandemia. Em dezembro e janeiro, dois grupos de pesquisa relataram independentemente que não tinham visto nenhuma evidência de recombinação, embora fosse há muito esperada, pois é comum em coronavírus.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/2″][better-ads type=”campaign” banner=”none” campaign=”195836″ count=”1″ columns=”1″ orderby=”rand” order=”ASC” align=”left” show-caption=”1″ lazy-load=””][/vc_column][vc_column width=”1/2″][better-ads type=”campaign” banner=”none” campaign=”195836″ count=”1″ columns=”1″ orderby=”rand” order=”ASC” align=”right” show-caption=”1″ lazy-load=””][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column css_animation=”rotateInDownLeft” width=”1/2″][vc_column_text]Ao contrário da mutação regular, onde as mudanças se acumulam uma de cada vez, que é como as variantes como B.1.1.7 surgiram, a recombinação pode reunir várias mutações de uma vez. Na maioria das vezes, isso não confere nenhuma vantagem ao vírus, mas ocasionalmente sim.

A recombinação pode ser de grande importância evolutiva, de acordo com François Balloux, da University College London. É considerado por muitos como a origem da SARS-CoV-2.

A recombinação pode levar ao surgimento denovas e ainda mais variantesperigosas, embora ainda não esteja claro o quanto de ameaça esse primeiro evento de recombinação pode representar.

Korber viu apenas um único genoma recombinante entre milhares de sequências e não está claro se o vírus está sendo transmitido de pessoa para pessoa ou apenas isolado.

A recombinação geralmente ocorre em coronavírus porque a enzima que replica seu genoma é propensa a deslizar para fora da fita de RNA que está copiando e depois se reunindo de onde parou. Se uma célula hospedeira contém dois genomas de coronavírus diferentes, a enzima pode saltar repetidamente de um para o outro, combinando diferentes elementos de cada genoma para criar um vírus híbrido.

Lawton[/vc_column_text][/vc_column][vc_column css_animation=”rotateInDownRight” width=”1/2″][vc_column_text css_animation=”rotateInDownRight”]O recente surgimento de múltiplas variantes do novo coronavírus pode ter criado a matéria-prima para a recombinação porque as pessoas podem ser infectadas com duas variantes diferentes ao mesmo tempo.

“Podemos estar chegando ao ponto em que isso está acontecendo em taxas apreciáveis”, diz Sergei Pond, da Temple University, na Pensilvânia, que fica de olho nos recombinantes comparando milhares de sequências de genoma carregadas em bancos de dados. Ele diz que ainda não há evidências de recombinação generalizada, mas que “todos os coronavírus se recombinam, então é uma questão de quando, não se”.

As implicações da descoberta ainda não são claras porque muito pouco se sabe sobre a biologia do recombinante. No entanto, ele carrega uma mutação de B.1.1.7, chamada Δ69 / 70, que torna o vírus do Reino Unido mais transmissível, e outra de B.1.429, chamada L452R, que pode conferir resistência a anticorpos.

“Esse tipo de evento pode permitir que o vírus tenha acoplado um vírus mais infeccioso a um vírus mais resistente”, disse Korber na reunião de Nova York.

Lucy van Dorp, da University College London, diz que ainda não tinha ouvido falar do recombinante, mas “não ficaria muito surpresa se alguns casos começassem a ser detectados”.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row css_animation=”bounceInDown”][vc_column width=”1/2″][better-ads type=”campaign” banner=”none” campaign=”195836″ count=”1″ columns=”1″ orderby=”rand” order=”ASC” align=”left” show-caption=”1″ lazy-load=””][/vc_column][vc_column width=”1/2″][better-ads type=”campaign” banner=”none” campaign=”195836″ count=”1″ columns=”1″ orderby=”rand” order=”ASC” align=”right” show-caption=”1″ lazy-load=””][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text css_animation=”bounceInUp”]Quer ter acesso a todo o materia da News Science? Assine a versão APP/Destop deles

Traduzido por Cláudio Souza em 19 de março (antes tarde que nunca) do original em Exclusive: Two variants have merged into heavily mutated coronavirus publicado em /6 de fevereiro de 2021por Graham[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Categorias:COVID-19

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.