Blog Soropositivo.Org

HIV e Envelhecimento

HIV e Envelhecimento, pessoas com HIV, agora, podem envelhecer!

Como a minha juventude foi, por assim dizer, “pujante”, não é difícil a mim, e em especial a minha analista, perceber meu temor ao envelhecimento. E, naturalmente, ao envelhecimento precoce.

Maira, que assiste mais de perto este envelhecimento, diria que eu o esmiúço este envelhecimento “precoce”, com especial denotação minha às aspas. Posto que me é cômodo atribuir também isso ao meu hóspede indesejado e renitente, do que ao tempo. E é por isso que traduzo e publico este texto sobre…

…HIV e Envelhecimento

Especialmente a este “tempo” que se passou e se passa e passou desde o nascimento e passou, em relação

  • Às vezes se diz que o HIV acelera o processo de envelhecimento, mas isso não é certo.
  • Pessoas com HIV correm maior risco de algumas condições de saúde, mas não necessariamente em idades mais jovens.
  • Há muito o que você pode fazer para reduzir o risco dessas condições e doenças ocorrerem.

Qual é o processo de envelhecimento? À medida que as pessoas envelhecem, há uma deterioração progressiva no funcionamento do corpo. E tais mudanças tornam os idosos mais vulneráveis ​​a infecções, lesões e doenças. Assim, eles podem perder parte de sua energia, força física e resiliência. Os idosos têm maior probabilidade de desenvolver doenças cardíacas, diabetes, osteoporose, câncer e outras ‘condições relacionadas à idade’ do que os jovens.

Pessoas Com HIV Vivem Muito Agora

No entanto, pessoas com HIV agora estão vivendo mais do que nunca, devido ao tratamento eficaz do HIV. Atualmente, é improvável que as pessoas com HIV fiquem doentes por causa do HIV. Contudo, um número cada vez maior tem doenças cardíacas, diabetes e outras ‘condições relacionadas à idade’.

As taxas de algumas dessas condições são mais altas em pessoas HIV positivas do que em pessoas HIV negativas. Às vezes, parece que esses problemas ocorrem em idades mais jovens em pessoas vivendo com HIV.

Isso levou muitas pessoas com HIV, médicos e pesquisadores a perguntar se o HIV acelera o processo de envelhecimento.

Em outras palavras, as pessoas que vivem com HIV têm um declínio na função física e desenvolvem condições relacionadas à idade em idades mais jovens do que seus pares?

Às vezes, isso é chamado de ‘envelhecimento prematuro’ ou ‘envelhecimento acelerado’.

No entanto, ainda não sabemos muito sobre isso. Não há consenso científico sobre a questão do envelhecimento prematuro. Esta ficha técnica explica por que as coisas ainda são incertas e enfatiza quatro coisas que sabemos:

  • As pessoas com HIV têm altas taxas de algumas condições relacionadas à idade.
  • Existem várias explicações possíveis para essas altas taxas, nem todas elas ligadas ao próprio HIV.
  • Você pode fazer muito para impedir que essas condições ocorram.
  • No geral, as pessoas com HIV têm muito boa saúde e expectativa de vida.

Comparando pessoas que têm HIV e pessoas que não têm HIV

Os resultados da pesquisa sobre HIV e envelhecimento precisam ser cuidadosamente interpretados. Assim, em comparações simples entre pessoas HIV positivas e pessoas HIV negativas podem frequentemente ser enganosas.

Em primeiro lugar, em termos de idade, existem grandes diferenças entre a população de pessoas vivendo com HIV e a população em geral. Por exemplo, enquanto atualmente existem muitas pessoas vivendo com HIV nos anos cinquenta e sessenta. E existem relativamente poucas pessoas com HIV nos anos setenta e oitenta.

Afinal, você pode ouvir, por exemplo, que a idade média de uma pessoa com HIV diagnosticada com diabetes tipo 2 é 47. Isso, enquanto a idade média de outras pessoas com o mesmo diagnóstico é 54.

Isso não é necessariamente evidência de envelhecimento prematuro – é simplesmente porque há menos pessoas com HIV nas faixas etárias mais antigas. Nos próximos anos, à medida que as pessoas com HIV continuam a envelhecer, é provável que a idade média do diagnóstico de diabetes aumentem.

Em segundo lugar, as pessoas que vivem com HIV procuram médicos regularmente e monitoram de perto sua saúde. Como resultado, condições como diabetes tendem a ser diagnosticadas imediatamente. Muitas pessoas na população em geral só veem um clínico geral ocasionalmente e podem ser diagnosticadas muito mais tarde, quando os sintomas começam a incomodá-los.

E na terceira posição, ou terceiro lugar, quando os estudos comparam a saúde de grupos de pessoas HIV positivas e negativas, o HIV pode não ser a única coisa diferente entre os grupos. Por exemplo, um grupo HIV positivo formado principalmente por homens gays que vivem em áreas urbanas pode ser comparado com uma amostra da população em geral.

Se seus estilos de vida e experiências de vida provavelmente serão diferentes de várias maneiras. O grupo HIV positivo pode ser mais propenso a fumar, a usar drogas recreativas e viver sozinho. Todos esses fatores têm impacto na saúde, mas não estão diretamente ligados ao próprio HIV.

“Estilo de Vida”

Pois, para lidar com esses problemas, os pesquisadores podem tentar recrutar grupos de comparação HIV-negativos que sejam os mais semelhantes possíveis aos grupos HIV-positivos, exceto por não terem HIV. Por exemplo, alguns pesquisadores compararam homens gays vivendo com HIV e gays da mesma idade que não têm HIV. É mais provável que a variedade de estilos de vida e experiências de vida nos dois grupos seja amplamente semelhante.

Este tipo de pesquisa também foi realizado com outros grupos. Um estudo particularmente grande e bem conduzido examinou a saúde dos veteranos militares americanos. Um terço deles tinha HIV e dois terços não. Os pesquisadores descobriram que, se eles observaram 1000 veteranos HIV-negativos e 1000 veteranos HIV-positivos ao longo de um período de dez anos, que seria de esperar para ver:

  • 13 ataques cardíacos em pessoas HIV-negativos, em uma idade média de 56.
  • 20 coração ataques em pessoas HIV-positivas, com idade média de 56 anos.
  • 74 cânceres em pessoas HIV-positivas, com idade média de 59 anos.
  • 95 cânceres em pessoas HIV-positivas, com idade média de 58 anos.

Portanto, neste estudo, comparando pessoas de idades semelhantes que tiveram experiências de vida semelhantes. Os pesquisadores observaram problemas de saúde ocorrendo nos grupos HIV negativo e HIV positivo. Existem taxas mais altas de doenças nas pessoas vivendo com HIV. Contudo, as diferenças não são enormes. E não há diferenças significativas na idade média em que as pessoas desenvolvem problemas de saúde. Os pesquisadores comentaram:

“Essas descobertas devem tranquilizar os pacientes infectados pelo HIV que é improvável que experimentem essas condições décadas antes do que aqueles que envelhecem sem o HIV”.(Nota do Tradutor: Isso revelou-se equivocado depois)

Por que as ‘condições relacionadas à idade’ são mais comuns em pessoas com HIV?

Embora o estudo mencionado acima não tenha encontrado evidências de que o HIV acelere o processo de envelhecimento, ele descobriu que as pessoas com HIV tinham um pouco mais probabilidade de desenvolver doenças cardíacas e câncer do que outras pessoas. Qualquer que seja a faixa etária, as pessoas com HIV apresentaram taxas mais altas de doenças do que outras pessoas da mesma idade. Outros estudos encontraram resultados semelhantes para diabetes, doença renal, doença hepática, problemas ósseos e outras condições.

Assim, existem vários fatores diferentes que provavelmente contribuem para a maior frequência desses problemas de saúde em pessoas com HIV. Eles podem ser agrupados em três áreas principais – pessoas, sistema imunológico e medicamentos. Há um debate científico sobre a importância de cada fator, mas a maioria dos especialistas concorda que os três provavelmente se combinam para causar impacto.

  1. Pessoas

Da forma como foi mencionado acima, o estilo de vida, e as experiências de vida de pessoas vivendo com HIV, podem não ser idênticos aos da população em geral. Por exemplo, as pessoas com HIV são mais propensas a fumar e apresentam altos níveis de estresse do que outras pessoas. Como o fumo e o estresse contribuem para doenças cardíacas, não é de surpreender que as pessoas com HIV tenham uma taxa mais alta de doenças cardíacas.

As pessoas com HIV também tendem a ter taxas mais altas de algumas infecções virais, incluindo vírus da hepatite C, humano papilomavírus (HPV) e vírus do herpes humano 8. Entre outras coisas, todas estão ligadas a cânceres mais comuns em pessoas com HIV.

Portanto, coisas que não estão diretamente ligadas ao HIV podem aumentar o risco de problemas de saúde em pessoas vivendo com HIV.

  1. O sistema imunológico

Naturalmente, é claro que o sistema imunológico enfraquecido torna mais provável o desenvolvimento de problemas de saúde e doenças. Pessoas com baixa contagem de CD4 têm mais probabilidade de ficar doentes. Além disso, as pessoas que passaram algum tempo no passado com uma contagem de CD4 muito baixa (por exemplo, antes de serem diagnosticadas) têm mais probabilidade de desenvolver algumas condições, mesmo que a contagem de CD4 tenha se recuperado desde então.

Pois o tratamento com o HIV fortalece muito o sistema imunológico e previne muitas doenças, mas parece que ele não restaura completamente a saúde e inverte todos os danos ao sistema imunológico. O HIV pode continuar causando inflamação contínua e de baixo nível e ativação imune. Essas respostas disfuncionais do sistema imunológico ao HIV provavelmente contribuirão para uma ampla gama de problemas de saúde.

O HIV não é a única causa de inflamação e ativação imune. Outras infecções virais, tabagismo, consumo excessivo de álcool, uso de drogas, dietas ricas em gordura e obesidade também são fatores contribuintes.

“O estilo de vida e as experiências de vida de pessoas vivendo com HIV podem não ser idênticas às da população em geral”.

Pesquisas mostram que pessoas com HIV geralmente apresentam altos níveis de substâncias químicas liberadas pelas células durante a inflamação e a ativação imune (como interleucina-6, proteína C reativa, CD14 e dímero D). Além disso, muito ainda é desconhecido. Não está claro se as principais causas são fatores do estilo de vida, a infecção inicial pelo HIV, a convivência com o HIV a longo prazo ou outras coisas. Os cientistas não sabem exatamente quais níveis de quais produtos químicos estão associados a um risco maior de futuros problemas de saúde.

Os pesquisadores também observaram algumas semelhanças entre esses processos em pessoas com HIV e em idosos. Essa observação estimulou grande parte da pesquisa sobre a questão de saber se o HIV causa ‘envelhecimento prematuro’. Esta é uma área de pesquisa em andamento; ainda não está claro quais são suas implicações práticas.

Tomar o tratamento para o HIV ainda é a coisa mais importante que você pode fazer para limitar a inflamação e a ativação imune.

Outros medicamentos para reduzir a inflamação ainda não foram desenvolvidos. Seguir as recomendações para um estilo de vida saudável também reduzirá a inflamação.

  1. Medicação

Se você foi diagnosticado com HIV há muito tempo, há vários anos você pode ter tomado medicamentos anti-HIV que não seriam mais recomendados. Algumas dessas drogas mais antigas agora são conhecidas por terem tido efeitos prejudiciais sobre o colesterol, os rins, o fígado e os ossos.

Embora todos os medicamentos tenham efeitos colaterais, os anti-HIV modernos são muito mais seguros. O tratamento atual para o HIV tem menos probabilidade de contribuir para condições relacionadas à idade em pessoas vivendo com HIV.

Há muito o que você pode fazer para impedir que essas condições ocorram.

Ao contrário da idéia de que o início precoce de condições relacionadas à idade é inevitável, você pode fazer muito para preservar sua saúde e reduzir o risco de que essas condições se desenvolvam.

  • Faça o tratamento para o HIV e mantenha sua carga viral indetectável. O início imediato do tratamento para o HIV é recomendado a todos, mas é especialmente provável que previna doenças em pessoas com mais de 50 anos de idade.
  • Frequente sua clínica regularmente e permita que a equipe monitore sua saúde para que quaisquer problemas sejam detectados precocemente.
  • Tome estatinas, medicamentos para pressão arterial e outros medicamentos preventivos, se recomendados pelo seu médico.
  • Não fume. Estudos mostram que o tabagismo tem um impacto maior na expectativa de vida de pessoas HIV positivas do que o HIV.
  • Limite a ingestão de drogas e álcool.
  • Mantenha um peso saudável. Em particular, o peso extra ao redor da barriga está associado a mais problemas de saúde.
  • Exercite-se regularmente. A atividade física é necessária não apenas para controlar o peso, mas também para manter a massa e a força muscular.
  • Coma uma dieta saudável e dieta equilibrada dieta.
  • Mantenha seu cérebro ativo com quebra-cabeças, testes, leitura, aprendendo uma nova habilidade ou qualquer outra coisa que você goste que estimule sua mente.
  • Mantenha-se socialmente ativo. Faça um esforço para ver amigos e familiares, envolver-se em atividades, ingressar em um clube ou ser voluntário em uma instituição de caridade.
A situação atual

Embora exista uma incerteza inevitável sobre o que pode acontecer no futuro, podemos analisar os fatos sobre como as pessoas com HIV estão vivendo hoje. A maioria das pessoas com HIV está vivendo bem e com boa saúde. Muitas pessoas que vivem com o HIV nunca apresentam doenças relacionadas ao HIV. As condições de saúde que algumas pessoas com HIV têm podem ser tratadas principalmente com medicamentos e mudanças no estilo de vida. As taxas de mortalidade estão no nível mais baixo de todos os tempos. Com base nas tendências atuais, calcula-se que as pessoas com HIV que têm uma contagem de CD4 acima de 350 no final do primeiro ano de tratamento do HIV terão uma expectativa de vida próxima à das pessoas na população em geral.

Existe algo a se aprender teste texto: adultos com HIV: vida mais longa, porém complicada.

As melhorias que vimos no tratamento e assistência ao HIV nos últimos anos podem nos levar a ser mais otimistas do que pessimistas.Esta página foi revisada em dezembro de 2017. Ela deve ser revisada em dezembro de 2020.

Mulheres com mais de 50 anos vivendo com HIV São Negligenciadas

Publicações Relacionadas

Tem algo a dizer? Diga!!! Este blog, e o mundo, é muito melhor com amigos!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Soropositivo.Org, Wordpress.com e Automattic fazem tudo a nosso alcance no que tange à sua privacidade. Você pode saber mais sobre esta política neste link Eu aceito A Política de Privacidade de Soropositivo.Org Ler Tudo em Política de Privacidade