4.9 C
Nova Iorque
sexta-feira, outubro 30, 2020

Buy now

O tempo passa de forma igual para pessoas com HIV e pessoas sem HIV conclui um estudo

Jesús Damieta – 05/12/2014

Segundo um estudo norte-americano publicado na edição do dia 30 de outubro da revista Clinical Infectious Diseases as pessoas com HIV teriam maior risco de sofrer ataques cardíacos e de elderly couple at sunsetdesenvolver doença renal terminal (situação em que o rim já não é capaz de atender às necessidades do organismo) e cânceres não definidores de AIDS, apesar do uso continuado de terapia antirretroviral. No entanto, a idade média em que se desenvolveriam essas doenças não seria significativamente diferente da idade média da população geral.

Vários estudos observacionais apontaram que as pessoas com HIV sofrem de doenças associadas ao envelhecimento (ver a Notícia do Dia 29/09/2014), como cardiopatias, afeções renais ou hepáticas e cânceres não relacionados com a AIDS com maior frequência que as pessoas não afetadas pelo vírus. Até a presente data desconhecia-se, no entanto, se esta patologia se desenvolve em idades precoces, o que sugeriria que o HIV acelera o processo de envelhecimento, o que é objeto de debate.

Uma equipe de pesquisa da Escola de Saúde Pública John Hopkins (Baltimore, EUA) comparou o risco de desenvolver três patologias associadas ao envelhecimento – enfarte agudo de miocárdio (EAM), doença renal terminal e cânceres não relacionadas à AIDS – e as idades em que se produziam em pessoas com e sem HIV.

Os investigadores utilizaram dados procedentes do Estudo de Coorte de Envelhecimento de Veteranos (cuja sigla em inglês é VACS). Os dados foram coletados entre abril de 2003 e dezembro de 2010, um período em que a terapia antirretroviral de grande efetividade (TARGA) já estava amplamente estendida.

Desde o desenvolvimento da TARGA, a longevidade das pessoas com HIV aumentou espetacularmente, até o ponto de que a expectativa de vida média das pessoas com HIV, segundo um estudo da Colaboração Norte-americana da Coorte da AIDS na Pesquisa e Projeto (NA-ACCORD, pela sigla em inglês) só seria levemente menor que a da população geral. Outros estudos também mostraram um menor risco de desenvolver doenças graves não associadas à AIDS após iniciar a terapia antirretroviral no âmbito espanhol (ver a Notícia do Dia 19/10/2012)

As análises incluíram dados de 98.687 casos, quase exclusivamente de homens, dos quais aproximadamente um terço estava infectado pelo HIV.  Neste período, foram registrados 689 casos de EAM, 1.135 casos de doença renal terminal e 4.179 diagnósticos de cânceres não definidores de AIDS.

Os participantes com HIV apresentaram um risco maior de desenvolver as três patologias em comparação com aqueles sem HIV, após realizar o ajuste de possíveis variáveis de confusão. No entanto, não se apreciaram diferenças significativas entre ambos os grupos na idade média ao sofrer um EAM ou ao desenvolver cânceres não definidores de AIDS. As pessoas com HIV em que foi diagnosticada doença renal terminal eram apenas uma média de 5 meses e meio mais jovens que aquelas sem o vírus. Os autores concluíram que o risco de padecer as três patologias era maior em pessoas com HIV, mas a  idade em que se desenvolviam era similar em ambos os grupos.

A equipe de pesquisa que realizou o estudo pede prudência, já que os resultados não devem ser interpretados como que o estado das pessoas com HIV seja igualmente saudável – visto que, embora não revele um envelhecimento prematuro, revela sim um risco maior de padecer doenças relacionadas com o envelhecimento. Além disso, esses resultados devem de ser analisados num contexto de pesquisa mais amplo para poder compreender os mecanismos que realmente atuam no processo de envelhecimento das pessoas afetadas pelo vírus.

Traduzido e Revisado por Por Diana Margarida Sorgato.

Fonte: HivandHepatitis / Elaboração própria (gTt-HIV).

Referência: KN Althoff, KA McGinnis, CM Wyatt, AC Justice, et al. Comparison of risk and age at diagnosis of myocardial infarction, end-stage renal disease, and non-AIDS-defining cancer in HIV-infected vs uninfected adults. Clinical Infectious Diseases. 30 de outubro de 2014 (Epub ahead of print).

Related Articles

Sou Soropositivo! Estou Vivendo Com HIV! E Agora? O Que Faço?

De resto, pode seguir estes passos gradualmente. Esta é uma grande mudança e você levará algum tempo para integrá-la à sua autoimagem de uma forma positiva. Não tenha pressa, mas incentive e celebre os pequenos avanços em seu pensamento sobre o HIV. Tenha em mente que você esta vivendo na segunda década do século XXI e, esperançosamente, isso é consideravelmente melhor que esta na [ultima década do Século XX, embora nada tenha de fácil a vida com HIV!

Riscos do Sexo Oral

Riscos do sexo oral se você pega ou passa HIV pelo sexo oral tem todas as respostas que você precisa aqui nesta página sobre riscos da felação, a #¿$?%!¡, que está intrinsecamente ligado ao medo e a “ignorância cultivada” dentro da vida sexual das pessoas, e este “binômio” me traz muitas pessoas. Assim, eu concluí que, para muitas pessoas, está é a uma das “eternas dúvidas” dentro da vida sexual das pessoas, quase sempre tão ignorantes a respeito de sexo oral e HIV! Eu quero estabelecer, neste ponto que a chupeta oferece, para muitos, uma experiência intensamente prazerosa

O que São Antirretrovirais? Eis Uma Visão geral 

O que são antirretrovirais? Os antirretrovirais são os medicamentos que mudaram a face da pandemia HIV/AIDS para algo controlável, que deixou de ser uma ceifadora de vidas. No entanto, eles ainda não removeram a ameaça que a pandemia HIV/AIDS representa e nem mesmo com grande otimismo chegamos à reta final desta pandemia. Pois, apesar de todo o esforço feito por organizações não governamentais e iniciativas individuais, o HIV ainda continuará a ser contraído. E por muito tempo ainda.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Stay Connected

0FansLike
0FollowersFollow
0SubscribersSubscribe
- Advertisement -

Latest Articles

Sou Soropositivo! Estou Vivendo Com HIV! E Agora? O Que Faço?

De resto, pode seguir estes passos gradualmente. Esta é uma grande mudança e você levará algum tempo para integrá-la à sua autoimagem de uma forma positiva. Não tenha pressa, mas incentive e celebre os pequenos avanços em seu pensamento sobre o HIV. Tenha em mente que você esta vivendo na segunda década do século XXI e, esperançosamente, isso é consideravelmente melhor que esta na [ultima década do Século XX, embora nada tenha de fácil a vida com HIV!

Riscos do Sexo Oral

Riscos do sexo oral se você pega ou passa HIV pelo sexo oral tem todas as respostas que você precisa aqui nesta página sobre riscos da felação, a #¿$?%!¡, que está intrinsecamente ligado ao medo e a “ignorância cultivada” dentro da vida sexual das pessoas, e este “binômio” me traz muitas pessoas. Assim, eu concluí que, para muitas pessoas, está é a uma das “eternas dúvidas” dentro da vida sexual das pessoas, quase sempre tão ignorantes a respeito de sexo oral e HIV! Eu quero estabelecer, neste ponto que a chupeta oferece, para muitos, uma experiência intensamente prazerosa

O que São Antirretrovirais? Eis Uma Visão geral 

O que são antirretrovirais? Os antirretrovirais são os medicamentos que mudaram a face da pandemia HIV/AIDS para algo controlável, que deixou de ser uma ceifadora de vidas. No entanto, eles ainda não removeram a ameaça que a pandemia HIV/AIDS representa e nem mesmo com grande otimismo chegamos à reta final desta pandemia. Pois, apesar de todo o esforço feito por organizações não governamentais e iniciativas individuais, o HIV ainda continuará a ser contraído. E por muito tempo ainda.

Sexo Oral Gonorreia e lésbicas

Sexo oral, gonorreia e lésbicas não são temas corriqueiros. E é bem por isso que eles me preocupa,. Se toda hora alguém me perguntasse...

O que é a carga viral?

O objetivo do teste de a carga viral é simples: quanto menos cópias do HIV no sangue, melhor. Ao iniciar o tratamento, os testes de carga viral fornecem as medidas de linha de base pelas quais os testes posteriores são comparados. Cada queda de dez vezes na carga viral é considerada uma queda de um tronco. Por exemplo, se a carga viral cair de 50.000 cópias/mL para 500 cópias/mL, diz-se que o paciente tem uma queda de dois troncos na carga viral
Olá! Sou o Beto Volpe! Quer Conversar? Diga olá! Mas tenha em mente que eu trabalho aqui entre 9:00 da manhã e 20 horas. Você pode deixar a mensagem, mas eu responderei nestes horários. Talvez eu demore, mnas em *SEMPRE RESPONDO*
Olá! Será que você me autorizaria a te avisar quando eu fizesse uma nova publicação ou atualização de um texto? Veja bem, eu não teria a menor ideia a respeito de quem você é! Seria algo anônimo, que me deixaria feliz por sua atenção e interesse. Quando eu fui DJ meu salário era a gritaria! Agora, é seu interesse! E, me perdõem por algum erro ortográfico. Eu sou disléxico e a neuropatia periférica complica ainda mais toda esta coisa. :-(
Dismiss
Allow