Soropositivo.org HIV, AIDS, Sexo Oral, Janela Imunológica, Recém Diagnosticado?

O Que Está Sendo Feito Não É O Suficiente Para O Acesso Universal À TARV

Você esta em Início ** CD4 - O Ponto Chave Na Saúde Da Pessoa Com HIV ** O Que Está Sendo Feito Não É O Suficiente Para O Acesso Universal À TARV
?>
Image default
CD4 - O Ponto Chave Na Saúde Da Pessoa Com HIV

Uma coligação internacional de defesa do tratamento da AIDS, provedores e clínicas de pessoas que vivem com HIV lançou uma análise mostrando que menos de 1 em cada dez pessoas com HIV vivem em países que oferecem terapia antirretroviral (ART) para todos independentemente da contagem de CD4, ao contrário das orientações internacionais de tratamento. Os ativistas insistiram na necessidade de mais financiamento para fazer recomendações para fazer da ideia utópica de tratamento universal global uma realidade.

À frente do Dia Mundial de luta contra a AIDS no dia 1 de dezembro, a Organização Mundial da Saúde (OMS) emitiu a versão finalizada do seu  Orientações consolidadas sobre o uso de medicamentos anti-retrovirais para o tratamento e a prevenção da infecção pelo HIV. Que anteriormente fora liberado numa versão preliminar em Setembro de 2015.

As orientações recomendam tratamento antirretroviral a todos diagnosticados com HIV independentemente da contagem de células T-CD4 ou sintomas clínicos e recomendam a profilaxia pré-exposição (PrEP) para as pessoas em risco substancial de infecção. As recomendações foram influenciadas por um corpo crescente de evidências, incluindo descobertas de grandes estudos como o START e HPTN 052, mostrando que o início do tratamento logo após o diagnóstico reduz significativamente o risco de progressão da doença e da morte, bem como a redução da transmissão do HIV.

As orientações do Departamento de Saúde e Serviços Humanos começou a recomendar o tratamento para todos os diagnosticados com HIV em 2012. O  quadro clínico da sociedade europeia da AIDS (EACS) liberada para tratamento universal de chamadas diretrizes na sua recente conferência de Barcelona, de trazer grandes  orientações nacionais em países de rendimento elevado e as orientações globais da OMS em acordo pela primeira vez desde 2006..

Mas esse acordo ainda não está a ser posto em prática, de acordo com um relatório —Towards Treatment on Demand for All — preparado e aprovado pelo fórum da saúde e uma coligação global de parceiros incluindo a  Associação Internacional de prestadores de cuidados de AIDS, comunidade internacional de mulheres vivendo com HIV, Pangea, a Campanha de Ação para o tratamento e as organizações regionais da África, a Ásia e a América Latina e o Caribe.

O relatório, lançado em 30 de novembro, mostra que apenas 9% das pessoas com HIV vivem em países que oferecem tratamento a todos imediatamente após o diagnóstico. Aqueles que não  são muitas vezes enviados para casa de clínicas após um diagnóstico de HIV porque a sua contagem de CD4 é ainda demasiado elevada, só para voltar uma vez que elas estejam doentes o suficiente para serem elegíveis para tratamento.

“A indefensável realidade é que a maioria das pessoas diagnosticadas com HIV são desviadas de tratamentos e dizem para que voltem quando estivrem mais doentes. Disse o diretor executivo Ásia Russell das diferenças de saúde. “Mas em muitos países ricos, as pessoas que vivem com HIV podem aceder aos tratamentos independentemente de seu estágio da doença. Este padrão de dois pesos e duas medidas tem efeito mortal”

Segundo a UNAIDS, 15,8 milhões dos estimados 36,9 milhões de pessoas vivendo com HIV no mundo inteiro tinham acesso ao tratamento antiretroviral em Junho de 2015, deixando aproximadamente 21,1 milhões de pessoas elegíveis, mas não tratadas.

Os treze países que oferecem tratamento imediato sob demanda” para todos diagnosticados com HIV são todos os de alto rendimento ou superior ao dos países de rendimento intermédio que juntos representam apenas 4,4% da carga global de mortalidade por AIDS, afirma o relatório. O rendimento anual médio per capita nestes  países é de $29,388 13, comparado a apenas US$ 9,003 nos 20 países que representam cerca de 80% da carga de doença global de HIV.

Dos 114 países com   orientações para o tratamento do HIV publicado, 55 estão “severamente fora de conformidade“, de acordo com o relatório, o início do tratamento com um limite mais baixo do que o que o que seguia as diretrizes anteriores onde iniciava-se o tratamento com um nível nível de 500 células/mm3. Alguns não são chamados para a TARV até uma pessoa da contagem de CD4 caia abaixo de 350 ou mesmo 200 células/mm3, indicando que o sistema imune já sofreu danos graves com elevado risco de doenças oportunistas e consequências imprevisíveis…

“Atraso na execução de testar-e-tratar se traduz em milhões de mortes evitáveis e de novas infecções pelo HIV”, disse José Zuniga, presidente da Associação Internacional dos prestadores de serviços de atendimento aos doentes de AIDS. “e, enquanto os números são impressionantes, cada morte representa uma tragédia desnecessária que tem efeitos devastadores a nível individual, familiar e comunitário. Temos a obrigação moral de assegurar que todos possam ter acesso ao mais alto padrão de cuidados de HIV não importando onde eles aconteçam tenham nascido ou vivam.”

O relatório procura empreendimentos que levem todos os países a adotar políticas permitindo que todos vivendo com HIV tenham acesso ao tratamento sob demanda e chamada, e em países doadores, para que se comprometam a fornecer o financiamento necessário antes da Reunião de Alto Nível das Nações Unidas sobre a AIDS em Junho de 2016. Salientaram que os países devem utilizar as flexibilidades em regras de propriedade intelectual para garantir que medicamentos contra o HIV estejam disponíveis em apresentações genéricas e acessíveis e a acrescentar que os países devem abordar os direitos humanos contra as barreiras ao acesso expandido para cuidar dos soropositivos, incluindo o fim da criminalização do HIV, do estigma, da discriminação e da seletividade no campo dos recursos humanos das empresas, onde um resultado reagente geralmente descarta o candidato, não importando seu nível de qualificação.

Os defensores acrescentaram que eles estão comprometidos com a exploração dos países doadores e de execução responsável com a XXI  Conferência Internacional sobre a AIDS realizada em Durban em Julho.

“Estamos muito esperançosos para verificar a realidade na resposta global à AIDS”, disse Anele Yawa, secretário geral da África do Sul na Campanha de Ação de tratamento. “Não importa quanto as pessoas falam de uma “solução final para a AIDS,” enquanto não houver vontade política para corrigir os sistemas de saúde e de aumentar o investimento em seguida um ‘fim à AIDS” permanecerá uma quimera e as pessoas em terra continuarão a sofrer”.

Outra organização de defesa, a uma campanha, também publicou um relatório para o Dia Mundial da AIDS, aviso de uma estimativa de défice anual de US$ 12 bilhões no montante necessário para travar a epidemia. Atual despesa global de HIV/AIDS foi estimado em US$ 20 bilhões em 2014, mas deve chegar a US$ 32 bilhões em 2020 para “dobrar a curva da doença para o fim da epidemia”.

Também chamou a atenção para um consunto de problemas de nivel social, económico e os obstáculos jurídicos em muitos países que tornam os homens que fazem sexo com homens, transsexuais e adolescente, mulheres e raparigas mais vulneráveis a se tornarem infectados com HIV e menor probabilidade de procurar tratamento e teste.

“Os progressos que fizemos contra o HIV/AIDS é tão poderoso que é fácil se deixe iludir por um falso sentido de segurança sobre o tamanho da luta na frente de nós”, disse um diretor da política global de saúde Erin Hohlfelder. “O mundo é vivido com um orçamento ainda quase US$ 12 bilhões mais curto anualmente d aquilo que ela irá tomar para pôr termo a esta doença e dólares, euros, libras, Naira e iene não crescem nas árvores. Este Dia Mundial da AIDS — com a trajetória da epidemia e milhões de vidas humanas em jogo — precisamos dos governos, empresas e ações filantrópicas para a etapa e fornecer os recursos necessários para travar a AIDS “.

harlequin cartoon illustrationNota do editor de Soropositivo.Org Dando nome a bois, pessoinhas de moralidade duvidosa e comportamento ambíguou como Feliciano e Bolsonaro, ajudaram a promover um retrocesso inominável (eu teria um nome mas crianças leem este site) impedindo educação de gênero, interferindo no trabalho das Católicas pelo direito de decidir (Neste caso a organização (…) que atende pelo nome de CNBB e diversos parlamentares, que agora, para defender seu grão mestre, o Arlequim da Câmara, pretendem estabelecer o caos no país para alcançar os seus intentos, usando uma massa de manobra que eu deploro em sua ignorância e cegueira ao dar curso, força, voto e energia a estes párias, provocando um retrocesso no que tante a epidemia de HIV/AIDS no brasil onde, por ano, 11.000 pessoas morrem de AIDS o que dá,m vale dizer, uma a cada oito horas e quinze minutos aproximadamente.

Eles precisão por um fim na baderna lá fora.

E nós…. Aqui dentro

Leia aqui um texto de Richard Parker

 

Categoria: HIV Treatment

Publicado na terça-feira, 01 de Dezembro de 2015 00:00

Escritos por Liz Highleyman

Traduzido por Claudio Souza do original em Not Enough Is Being Done to Provide Universal Access to HIV Treatment, Advocates Say. Revisado por Mara Macedo

12/1/15

Fontes

Diferenças de saúde e parceiros. Para o tratamento sob demanda para todos. De dezembro de 2015.

Diferenças de saúde e parceiros. Menos de 1 em dez pessoas que vivem com o HIV vivem em um país após o tratamento do HIV Ciência Atual Press release.  30 de Novembro de 2015.

Uma campanha. Um novo relatório soa o alarme sobre governo complacência na luta global contra o HIV/AIDS. Press release.  1 de Dezembro de 2015.

Anúncios

Artigos Relacionados que você pode gostar de ler

Comente e Socialize-Se. A vida é melhor com amigos!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

A Automattic, o Wordpress e Soropositivo.Org, fazem tudo a nosso alcance no que tange à sua privacidade.E estamos sempre aprimorando, melhorando, testando e implementando novas tecnologias de proteção de dados. Seus dados estão protegidos e, eu, Cláudio Souza, trabalho neste blog 18 horas or dia para, dentre tantas outras coisas, garantir a segurança de suas informações, posto que sei das implicações e complicações das publicações aqui passadas e trocadas Eu aceito A Política de Privacidade de Soropositivo.Org Conhecer Nossa Política de Privacidade

Whatsapp WhatsApp Us
Precisa Conversar? O Beto Volpe (pesquisem este nome no Google) tem muito a oferecer. Eu, Cláudio, não tenho mais como atender a vocês, numa boa, eu não dou conta de digitar apenas com os indicadores e muitas vezes a conversa toma rumos que, pessoas muitas vezes "só de passagem" poderiam sair daqui se perguntando que espécie de louco sou eu!