Há Vida Com HIV

Grandes aumentos na proporção de pacientes HIV positivos tratados com TARV e supressão viral

Pacientes HIV positivos com TARV e supressão viral

aids-108235A proporção de pacientes HIV positivos atendidos nos Estados Unidos que acessou a terapia antirretroviral (TARV) e alcançaram a supressão viral aumentou substancialmente entre 2009 e 2013, segundo pesquisa publicada na edição online da Revista “AIDS”.

Houve um aumento global de 6% na proporção de pacientes com prescrição de medicamentos antirretrovirais, considerando que a proporção de indivíduos com supressão viral e supressão viral sustentada aumentou 11% e 17%, respectivamente. Os aumentos foram mais pronunciados em jovens com idades compreendidas entre os 18-29 e negros.

“Esta análise demonstra um coerente aumento na prescrição da TARV (Terapia Antirretroviral) e da supressão viral entre pessoas sob cuidados clínicos para a infecção por HIV nos Estados Unidos, globalmente e em quase todos os subgrupos e características demográficas analisou”, ao comentar, com os pesquisadores. “No entanto, ainda há uma diferença significativa entre o percentual de pacientes que recebem TARV e os que alcançam supressão viral.”

Em 2012, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos emitiu orientações atualizadas recomendando que todas as pessoas com HIV devem receber terapia antirretroviral. Um dos principais objetivos da US National estratégia contra o HIV/AIDS é uma iniciativa para aumentar o acesso aos cuidados de saúde e melhorar os resultados para as pessoas com HIV.  Carga viral indetectável é um marcador chave para resultados de HIV estar associado com um baixo risco de progressão da doença e a transmissão para parceiros sexuais(para saber mais, leia sobre o ESTUDO Partner). Nota do Editor: Isso é Lei no Brasil, promulgada pela Presidenta “afastada” (SIC) Dilma Rousseff.

Uma equipe de pesquisadores dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças analisaram dados coletados entre 2009 e 2013 para estimar as tendências na prescrição da TARV e da supressão viral entre os pacientes em cuidados de HIV.

Os dados foram obtidos a partir do Projeto de Monitoramento Médico, uma amostra nacional representativa de pacientes HIV positivos em pacientes adultos recebendo cuidados médicos.

866-28-Post-facebookOs autores calcularam o percentual de pacientes com prescrição para TARV (novas e contínua prescrições), com supressão viral (carga viral abaixo de 200 cópias/ml no último monitoramento) e sustentada com supressão viral (carga viral abaixo de 200 cópias/ml em todos os testes feitos em um período de doze meses). -No Brasil a supressão viral é entendida por uma contagem de menos de quarenta cópias de HIC por mililitro de sangue. Eu não entendo bem a Política de Saúde dos EEUU, mas, num país onde o povo vota em um presidente e, a depender da opinião de “delegados e SUPER-DELEGADOS, quem vai viver no Salão Oval é o que perdeu a eleição por voto popular…

Os resultados foram encorajadores para todos os três desfechos.

Em 2013, 94% dos pacientes em cuidados de HIV estavam recebendo TARV e, comparado com 88,7% em 2009. Este aumento de 6% foi significativa (p < 0,01). Aumentos foram vistos em quase todos os subgrupos. Um maior aumento foi observado para mulheres em relação aos homens (10% versus 5%, respectivamente). Uso da TARV aumentou 24% entre os pacientes com idade entre 18 e 29 anos, de 72% em 2009 para 89% em 2013. Prescrição de TARV aumentou 8% entre os negros, 7% entre os hispânicos e de 3% entre os brancos. No entanto, em 2013, brancos (WASP?) demonstraram ainda uma significativa maior possibilidade de estarem recebendo TARV em relatividade aos negros (95% versus 93%, p = 0,01).

Entre 2009 e 2013, a proporção de pacientes com supressão viral aumentou de 72% para 80%, um aumento de 11% (tendência, p < 0,01). Aumentos foram observados em cada subgrupo. A magnitude do aumento foi maior entre as mulheres em relação aos homens (16% versus 10%, respectivamente), mas houve uma disparidade de resultados de acordo com o sexo. Em 2013, 81% dos homens e 77% das mulheres tinham supressão viral (p < 0,01). A proporção de pacientes mais jovens com supressão viral aumentou de um quinto. Houve um aumento de 18% para negros, duas vezes maior que a observada em brancos (8%) e hispânicos (9%). No entanto, uma disparidade ainda persistiu de acordo com a “raça” (as aspas são do tradutor), com 86% de brancos obtendo supressão viral em 2013 comparando-se a 75% de pessoas de pele negra.

Os pesquisadores calcularam que o aumento da utilização de TARV representava 30% do aumento da proporção de pacientes com supressão viral.

Em 2009, 58% dos pacientes tinham sofrido supressão viral. Este tinha aumentado para 68% em 2013, um aumento de 17% ao longo do tempo (tendência, p < 0,01). Os pacientes tiveram uma média de 2,8 testes de carga viral de cada ano.

A Supressão viral sustentada aumentou em os subgrupos. 21% de aumento foi observado em mulheres em comparação a um aumento de 16% em homens. No entanto em 2013 uma maior proporção de homens do que mulheres tinham sofrido supressão viral (70% versus 64%, p < 0,01). Um grande aumento (60%) foi observado na proporção de pacientes com idade inferior a 29 com  supressão viral sustentada. Apesar disso, apenas 51% desse  grupo etário havia sofrido supressão viral em 2013, em comparação a 74% de pacientes com idade de 50 e mais. A proporção de pacientes de cor negra com sustentada supressão viral aumentou quase um quarto, comparado a um aumento de 17% em hispânicos e um aumento de 14% em brancos. No entanto, em 2013 brancos eram ainda significativamente mais propensos a alcançar supressão viral em comparação aos negros (76% versus 61%, p < 0,01).

Os autores estimaram que 19% do aumento na proporção de pacientes com supressão viral sustentada poderia ser atribuída ao aumento da utilização de TARV.

“Estas constatações ilustram os progressos rumo a objetivos NTEM de melhoria dos resultados no sector da saúde para pessoas vivendo com HIV, escrevem os pesquisadores.

Eles acreditam que vários fatores contribuíram para este progresso.

  • Anterior  início do TARV.
  • Melhorias na terapia de HIV que facilitou uma melhor aderência, como redução de encargos, reduzida frequência da dosagem e mais seguros, menos tóxicas terapias.
  • Eliminação do Programa de Assistência de medicamentos contra a AIDS (adaptação) listas de espera
  • Melhor gerenciamento de caso e compromisso no cuidado

“Durante um período de cinco anos, supressão viral aumentou significativamente entre pessoas que recebem cuidados clínicos HIV, concluem os pesquisadores. No entanto, estavam preocupados com o grande e continuado fosso entre a proporção de pacientes com prescrição para TARV e a percentagem com supressão viral sustentada.

“Ajudando pacientes para sustentar a supressão viral pode exigir maiores esforços de prestadores de cuidados clínicos e organizações de serviço de suporte para enfrentar as causas sociais e comportamentais de fatores que afetam o acesso a cuidados de longo prazo de adesão aos medicamentos e saúde geral.”

Michael Carter

Publicado em: 10 de Junho de 2016 para o AIDSMAP

Traduzido  por Cláudio Souza em 12 de Junho de 2016 do original em Big increases in proportion of HIV-positive patients in US treated with ART and with viral suppression

Nota do Editor: “Alguém pode ler o texto e dizer, isso é na America! E daí?!” Bem, eu diria que muitos de nós tem resultados melhores, com uma contagem de virions inferior a 40 cópias por mililitro e, portanto, estamos muito bem!

Não é não. Há muito a ser feito aqui,e no mundo, para se chegar a “um mundo sem AIDS” (este mundo não englobaria,  até onde posso ver, a China, a Rússina, a Mongólia e “parte” do Oriente Médio). Eu volto a bater na tecla que nossa mídia é participativa do que lhes interessaria e eu vejo como um pesadelo dantesto que “concessões de _canais_de_Televisão_ sejam dados a políticos, com a devida vênia que eu peço aos poucos verdadeiramente honestos, que só farão para implementar seu(s) caixa(s) sem, como um carrapato, parasitar sem dar nada em retorno à sociedade que os alimenta com custos mais altos dos que seriam necessários para sustentar “um burro a pão-de-ló”.

O que temos é resultado da militância da década de 80 e 90, e de alguns de nós que ainda vivem (Deus sabe como) e ainda mantém a chama acesa. Cuidado com quem vocês põem em certas cadeiras porque, na dança das cadeiras, não é o mais bobo que fica em pé… É o mais fraco… (…) 🙁

Referência

Bradley H et al. Increased ART prescription and HIV viral suppression among persons receiving clinical care for HIV infection. AIDS, online edition. DOI: 10.1097/QAD.0000000000001164 (2016).

Anúncios

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Whatsapp WhatsApp Us