Blog Soropositivo.Org

HIV Latente Pode ser Forçado a Acordar Sair De Seus Esconderijos

HIV Latente pode ser forçado a sair de seus esconderijos através de imunoterapia contra o câncer.

Não é, na verdade, uma ótima opção de cura, como vocês poderão analisar pelo texto. Mas prova ser possível acordar estes pro vírus adormecidos/latentes

Keytruda pode ativar células T que abrigam HIV latente, um possível passo em direção a uma cura funcional.

Uma droga de imunoterapia amplamente utilizada contra o câncer pode tirar o HIV latente de seus esconderijos e pode, potencialmente, ser usada em combinação com outros tipos de terapia para alcançar a remissão a longo prazo, de acordo com uma pesquisa publicada na Science Translational Medicine.

O HIV Latente Se Revelou Um Problema na Busca Por Uma Cura Da Infecção Por HIV

 

“Ser capaz de impedir o HIV de se esconder em células é uma parte importante para encontrar uma cura para o HIV, e isso significa um progresso emocionante”, disse o presidente da Sociedade Internacional de Aids, Adeeba Kamarulzaman, do MBBS.

 

Pessoas com HIV e câncer que foram tratadas com o inibidor anti-PD-1 Keytruda (pembrolizumab) viram um aumento em sua carga viral de HIV, sugerindo que a droga ativou células T que contêm reservatórios de HIV.

 

“Estamos nos esforçando para determinar o efeito que o anti-PD-1 tem sobre as células T assassinas específicas do HIV na esperança de que, além de reverter a latência do HIV, ele também revendo o sistema imunológico para matar as células infectadas pelo HIV da maneira que faz com o câncer”, disse a autora sênior do estudo Sharon Lewin, MD, do Instituto Peter Doherty de Infecção e Imunidade da Universidade de Melbourne, na Austrália,  disse em um comunicado à imprensa.

E prosseguiu

 

“O Anti-PD-1 não erradicou o HIV neste estudo, mas os resultados informam que os esforços para manipular células T podem ajudar a curar a infecção por HIV”, disse o autor principal Thomas Uldrick, MD, da Regeneron (anteriormente com o Fred Hutchinson Câncer Research Center e o National Câncer Institute’s HIV and Aids Malignancy Branch), disse no Twitter.

 

Progressos e decepções na Busca pela Cura

 

A última década tem sido marcada por progressos e decepções na busca de alcançar uma cura funcional para o HIV, o que significa remissão viral sustentada sem terapia antirretroviral.

E eu, Cláudio, assisti e vivenciei estes fatos de perto. Na verdade faço isso desde sempre

Os antirretrovirais podem manter a replicação do HIV suprimida enquanto o tratamento continuar, o vírus insere suas informações genéticas nos cromossomos das células humanas e estabelece um reservatório latente de longa duração que é invisível ao sistema imunológico e inalcançável para antirretrovirais — uma grande barreira para uma cura.

Como a Princesa Aurora 🌄: Adormecido Indefinidamente

 

Esses pro vírus do HIV podem ficar adormecidos em células T indefinidamente, mas geralmente começam a produzir novos vírus quando o tratamento para.

Várias abordagens foram exploradas em um esforço para alcançar a remissão a longo prazo. A estratégia de “choque e morte” (também conhecida como “chutar e matar”) envolve acordar os pro vírus adormecidos com drogas que revertem a latência e tirar o HIV do esconderijo. Por outro lado, a abordagem “bloquear e bloquear” visa manter o vírus latente em um sono profundo.

Lewin, Uldrick e colegas avaliaram o impacto do inibidor anti-PD-1 Keytruda sobre a latência do HIV em 32 pessoas com HIV e câncer que estavam tomando terapia antirretroviral.

 

Keytruda era administrada por infusão intravenosa a cada três semanas.

 

PD-1 é um receptor de pontos de verificação em células T que desempenha um papel na regulação da imunidade. Normalmente, seu papel é amortecer respostas imunes excessivas, e é expressa em células T “exaustas” que não funcionam mais corretamente. Alguns cânceres podem sequestrar pd-1 para desligar respostas imunes contra eles.

 

PD-1 também suprime células T CD8 assassinas que visam o HIV. Além disso, o PD-1 é fortemente expresso em células T auxiliares de CD4 que abrigam HIV escondido, e desempenha um papel na manutenção da latência viral.

HIV Latente E Anticorpos Monoclonais

Os inibidores de pontos de verificação são anticorpos monoclonais que bloqueiam o PD-1, liberando os freios e restaurando a atividade das células T. Keytruda, o primeiro inibidor anti-PD-1 aprovado, é amplamente utilizado para tratar malignidades, incluindo câncer de mama, câncer de cólon, câncer de pulmão e melanoma.

Após a primeira infusão do anticorpo monoclonal, o RNA não aplicado do HIV aumentou em uma mediana de 1,32 vezes, enquanto a proporção de RNA do HIV não “plissado” (termo obtido no google translator o tradutor do Bing sugeriu “piolho) para DNA HIV em células CD4 T no sangue aumentou 1,61 vezes.

Além disso, a carga viral de RNA do HIV no plasma de sangue aumentou 1,65 vezes. Após seis ciclos de Keytruda, os participantes do estudo tiveram mais células CD4 T capazes de produzir novos vírus. No entanto, eles não tinham mais células infectadas pelo HIV, de acordo com Uldrick.

Esses dados sugerem que Keytruda pode reverter a latência do HIV, tornando o vírus visível para o sistema imunológico e suscetível a antirretrovirais. Isso apoia a lógica para combinar inibidores de pontos de verificação PD-1 com outras intervenções para reduzir o reservatório do HIV, concluíram os pesquisadores.

O Eterno Problema dos Efeitos Colaterais

Mas liberar células T com inibidores de pontos de verificação pode levar a efeitos colaterais, incluindo inflamação excessiva que pode prejudicar órgãos em todo o corpo.

Isso poderia limitar o uso dessa estratégia para pessoas soropositiva que não têm câncer e estão indo bem na terapia antirretroviral.

A equipe de Lewin está iniciando um estudo para avaliar se uma dose baixa de Keytruda é segura para essa população.

“Não é simples trazer essa abordagem para a clínica em pessoas vivendo com HIV sem câncer”, explicou Lewin. “Os efeitos colaterais da imunoterapia são significativos, por exemplo, 5% a 10% das pessoas terão um evento adverso.

 

Em um cenário de câncer, isso não é uma grande preocupação, pois você tem uma doença que ameaça a vida, mas no HIV, a situação é muito diferente.

 

As pessoas agora podem viver vidas normais e saudáveis com o HIV, então qualquer intervenção para uma cura deve ter uma toxicidade muito baixa.”

Clique aqui para ler o resumo do estudo.

Conforme prometido, minhas razões para não pensar em cura. Para entender melhor este texto e a problemática da busca pela cura, entender melhor a infecção por HIV e a AIDS pode ser uma boa ideia 💡

É possível envelhecer com HIV! Mas o enfrentamento disso é bem difícil. O que enfrentei nos últimos dez anos, como a dor neuropática, causada pelo avanço irrefreável da polineuropatia foi um inferno pessoal que me fez questionar a validade de tudo, mesmo a de prosseguir vivendo.

Foi o óleo de canabidiol que me trouxe luz de volta à vida.

Se você quer entender mais a respeito, leia sobre sistema endocanabinoide.

E saiba muito mais com Stefanie Souza (@explicannabis) • Fotos e vídeos do Instagram, farmacêutica.

E tanbém sugiro acompanhar o CannaMeds (@cannameds.brasil) • Fotos e vídeos do Instagram.

Hoje posso dizer que sim, há vida com HIV. E vida com qualidade.

No entanto, reforço: Use camisinha, porque é bem melhor viver sem HIV, pois não é o glamour das mídias sociais e das pessoas que querem, sabe-se lá Deus o porquê, fazer parecer que é só alegria 😂

Traduzido por Cláudio Souza em 9 de fevereiro de 2022, do original em Câncer Immunotherapy Flushes HIV Out of Hiding, escrito por Liz Highleyman em fevereiro de 2022

 

Tem algo a dizer? Diga!!! Este blog, e o mundo, é muito melhor com amigos!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Soropositivo.Org, Wordpress.com e Automattic fazem tudo a nosso alcance no que tange à sua privacidade. Você pode saber mais sobre esta política neste link Eu aceito A Política de Privacidade de Soropositivo.Org Ler Tudo em Política de Privacidade