Há Vida Com HIV

Neuropatias – Uma Detalhada Explanação

Neuropatias, Neuropatias – Uma Detalhada Explanação, Blog Soropositivo
Se você entende esta foto…

Neuropatias. Eu coloco no plural porque, por exemplo, a minha, deixou de ser, já faz um tempo, neuropatia periférica. Assim como a arraia miúda citada por Dom Casmurro, ela se tornou graúda e castelã e, hoje, é polineuropatia axonal, distal e outros adjetivos mais.

Uma das razões da dramática redução de meu ritmo de publicações, e  de meu mau-humor também, é o volume de incômodos que isso provoca. Estou procurando um neuro que tenha a condição de receitar óleo de cannabidiol e estou em busca de meus direitos para o cultivo medicinal de “weed”.

Se você conseguir ler todo este texto me compreenderá e também acabará…

 

…compreendendo a neuropatia

A neuropatia periférica 1 é uma condição médica causada por danos ao sistema nervoso periférico, a vasta rede de comunicações que transmite informações do cérebro e da medula espinhal (ou seja, o sistema nervoso central) para todas as outras partes do corpo. Os nervos periféricos também enviam informações sensoriais de volta ao cérebro e à medula espinhal, como uma mensagem de que os pés estão frios ou que um dedo está queimado.

 

Visão geral

Danos ao sistema nervoso periférico interferem nessas conexões e comunicações. Como a estática em uma linha telefônica, a neuropatia periférica distorce e às vezes interrompe as mensagens entre o cérebro e o resto do corpo. Como cada nervo periférico tem uma função altamente especializada em uma parte específica do corpo, uma grande variedade de sintomas pode ocorrer quando os nervos são danificados.

Algumas pessoas podem experimentar:

  • dormência temporária;
  • Formigamento 2;
  • Desaparição de membros ou outras sensações similares (parestesia)
  • Sensibilidade ao toque (dor excruciante com um beijo) — para mim chega quase que a soar como castigo — (sei quem fui), ou fraqueza muscular;

outros podem sofrer sintomas mais extremos, incluindo:

  • Queimação (especialmente à noite);
  • perda de massa muscular;
  • Paralisia 4 ;
  • Disfunções de glândulas ou órgãos;

Em algumas pessoas, neuropatia periférica pode afectar a capacidade de:

  • digerir alimentos facilmete 3;
  • Manter níveis seguros de pressão arterial;
  • transpirar normalmente 2;
  • experimentar a função sexual normalmente (…);

Na maior parte dos casos extremos, a respiração pode tornar-se difícil,ou falha do pulmão pode ocorrer.

 

Formas

Neuropatias, Neuropatias – Uma Detalhada Explanação, Blog SoropositivoAlgumas formas de neuropatia envolvem danos a apenas um nervo e são chamadas de mononeuropatias. Mais frequentemente, vários nervos que afetam todos os membros são afetados, chamado polineuropatias.5

Ocasionalmente, duas ou nervos mais isolados em áreas separadas do corpo são afetados, chamado mononeurites multiplex.

Em neuropatias agudas, como a síndrome de Guillain-Barré 7 ( também conhecida como neuropatia desmielinizante inflamatória aguda), os sintomas aparecem repentinamente, progridem rapidamente e desaparecem lentamente à medida que os nervos danificados são curados.

Nas neuropatias crônicas, os sintomas começam sutilmente e progridem lentamente. Algumas pessoas podem ter períodos de alívio seguidos de recaída. Outros podem atingir um estágio de platô em que os sintomas permanecem os mesmos por muitos meses ou anos. Algumas neuropatias crônicas pioram com o tempo, mas muito poucas formas são fatais, a menos que sejam complicadas por outras doenças. Ocasionalmente, a neuropatia é um sintoma de outro distúrbio.

Nas formas mais comuns de polineuropatia, as fibras nervosas, células individuais que constituem os nervos mais distantes do cérebro e provocam mau funcionamento da medula espinhal. Dor e outros sintomas costumam aparecer simetricamente, por exemplo, em ambos os pés, seguidos por uma progressão gradual nas duas pernas. Em seguida, os dedos, as mãos e os braços podem ser afetados e os sintomas podem progredir para a parte central do corpo. Muitas pessoas com neuropatia diabética apresentam esse padrão de lesão do nervo ascendente.

Classificações

Mais de 100 tipos de neuropatia periférica foram identificados, cada um com um conjunto característico de sintomas, um padrão de desenvolvimento e prognóstico.8

A função prejudicada e os sintomas dependem do tipo de nervos – motores, sensoriais e autonômicos – que são danificado:

  • nervos motores controlam os movimentos de todos os músculos sob controle consciente, como aqueles usados ​​para caminhar, agarrar coisas ou falar;
  • Os nervos sensoriais transmitem informações sobre experiências sensoriais, como a sensação de um toque leve ou a dor resultante de um corte;
  • Os nervos autônomos regulam as atividades biológicas que as pessoas não controlam conscientemente, como respirar, digerir alimentos e funções do coração e das glândulas;

Embora algumas neuropatias possam afetar os três tipos de nervos, outras afetam principalmente um ou dois tipos. Portanto, ao descrever a condição de um paciente, os médicos podem usar termos como:

  • Neuropatia predominantemente motora Neuropatia
  • Neuropatia predominantemente sensorial
  • Neuropatia sensório-motora
  • Neuropatia autonômica

Sintomas

Os sintomas de neuropatia periférica estão relacionados ao tipo de nervo afetado e podem ser observados durante um período de dias, semanas ou até anos. A fraqueza muscular é o sintoma mais comum de lesão do nervo motor 9.

Outros sintomas podem incluir:

  • cãibras dolorosas e fasciculação (músculo descontrolado contraindo visível sob a pele);
  • Perda de massa muscular 2,
  • degeneração óssea;
  • Alterações na pele, cabelo, e unhas 4;

As alterações degenerativas mais gerais também podem resultar da perda de fibras nervosas sensoriais ou autonômicas. O dano ao nervo sensorial causa uma gama mais complexa de sintomas porque os nervos sensoriais têm uma gama de funções mais ampla e altamente especializada.

Fibras sensoriais maiores 

As fibras sensoriais maiores encerradas em mielina (uma proteína gordurosa que reveste e isola muitos nervos) registram vibração, toque leve e sensação de posição. Danos às fibras sensoriais grandes diminuem a capacidade de sentir as vibrações e o toque, resultando em uma sensação geral de dormência, especialmente nas mãos e nos pés.

As pessoas podem sentir como se estivessem usando luvas e meias, mesmo quando não estão. Muitos pacientes não conseguem reconhecer apenas pelo toque as formas de pequenos objetos ou distinguir entre formas diferentes. Esse dano às fibras sensoriais pode contribuir para a perda de reflexos (assim como o dano ao nervo motor), bem como a perda do senso de posição muitas vezes torna as pessoas incapazes de coordenar movimentos complexos, como caminhar ou apertar botões, ou de manter o equilíbrio quando os olhos estão fechados.

A dor neuropática é difícil de controlar e pode afetar seriamente o bem-estar emocional e a qualidade de vida em geral. Eu devo dizer que chegou um momento em que eu não sabia se chorava ou se cortava minhas duas carótidas simultâneamente. Optei por chorar, pis amo viver… A dor neuropática é muitas vezes pior à noite, afetando seriamente o sono e aumenta a carga emocional do nervo sensorial danificado.10

Dor Neuropática: Causas, diagnóstico e tratamento (Outra página e site, em inglês)

Fibras sensoriais Menores

Neuropatias, Neuropatias – Uma Detalhada Explanação, Blog SoropositivoFibras sensoriais menores têm ou não bainhas de mielina pequenas e são responsáveis pela transmissão de sensações de dor e temperatura. Danos nessas fibras podem interferir na capacidade de sentir dor ou nas mudanças de temperatura.

As pessoas podem não perceber que foram feridas por um corte ou que uma ferida está infeccionando. Outros podem não detectar dores que avisam sobre um ataque cardíaco iminente ou outras condições agudas. Perda da sensação de dor é um problema particularmente grave para as pessoas com diabetes, contribuindo para o alto índice de amputações de membros inferiores nessa população. 11

Receptores de dor na pele também podem tornar-se mais sensibilizados, e as pessoas podem sentir dor (alodínia) de estímulos que normalmente são indolores (por exemplo, alguns podem sentir dor devido aos lençóis colocados levemente sobre o corpo).

Dano ao nervo autônomo

Os sintomas de dano ao nervo autônomo são diversos e dependem de quais órgãos ou glândulas são afetados. A neuropatia autonômica (disfunção autonômica do nervo) pode ser fatal e pode exigir atendimento médico de emergência nos casos em que a respiração fica prejudicada ou quando o coração começa a bater irregularmente. Os sintomas comuns da lesão do nervo autonômico pode incluir:

  • Uma incapacidade para suar normalmente (o que pode levar à intolerância ao aquecimento)
  • A perda de controlo da bexiga (que pode causar infecção ou incontinência) 12
  • Uma incapacidade de músculos de controle que se expandem ou vasos sanguíneos para manter níveis seguros de pressão arterial.

A perda de controle sobre a pressão arterial pode causar tonturas, desmaios ou até desmaios quando uma pessoa se move repentinamente da posição sentada para a de pé (uma condição conhecida como hipotensão postural ou ortostática).

Os sintomas gastrointestinais frequentemente acompanham a neuropatia autonômica.13 Os nervos que controlam as contrações dos músculos intestinais frequentemente apresentam disfunções, causando diarreia, constipação ou incontinência. Muitas pessoas também têm problemas para comer ou engolir se certos nervos autônomos forem afetados.

Causas

A neuropatia periférica pode ser adquirida ou hereditária. As causas de neuropatia periférica adquirida incluem:

  • lesão física (traumatismo) para um nervo;
  • Tumores 9;
  • Toxinas;
  • respostas autoimunes;
  • deficiências nutricionais;
  • Alcoolismo 14;
  • vascular e distúrbios metabólicos;

https://soropositivo.org/hiv-e-imunosenessencia-envelhecimento-precoce-e-fato/

Neuropatias periféricas adquiridas estão agrupados em três categorias gerais:
  • As causadas por doença sistêmica;
  • As que são causadas por trauma de agentes externos;
  • Aqueles causados ​​por infecções ou doenças auto-imunes que afetam o tecido nervoso;

Um exemplo de neuropatia periférica adquirida é a neuralgia do trigêmeo 15

(também conhecida como tic douloureux). "Tique" doloroso em Francês

Causa danos ou pressões ao nervo trigêmeo (o grande nervo da cabeça e da face) ataques episódicos de dor excruciante semelhante a um raio em um lado do rosto.

Em alguns casos, a causa é uma infecção viral anterior, pressão exercida sobre um nervo por um tumor ou vaso sanguíneo inchado, ou, raramente, esclerose múltipla.

Em muitos casos, entretanto, uma causa específica não pode ser identificada. Os médicos geralmente se referem às neuropatias sem causa conhecida como neuropatias idiopáticas.

Lesão física: Lesão física (trauma) é a causa mais comum de lesão de um nervo. Lesão ou trauma súbito, de:

Listando Fatos

 

Neuropatias, Neuropatias – Uma Detalhada Explanação, Blog SoropositivoUma lesão traumática pode fazer com que os nervos sejam parcial ou completamente cortados, esmagados, comprimidos ou esticados, às vezes com tanta força que são parcial ou totalmente destacados da medula espinhal . Traumas menos dramáticos também podem causar sérios danos aos nervos.

Ossos fraturados ou deslocados podem exercer pressão prejudicial sobre os nervos vizinhos, e discos deslizados entre as vértebras podem comprimir as fibras nervosas de onde emergem da medula espinhal.

Doenças sistêmicas: doenças sistêmicas, incluindo muitos distúrbios que afetam todo o corpo, geralmente causam neuropatias metabólicas. Esses distúrbios podem incluir distúrbios metabólicos e endócrinos.

Os tecidos nervosos são altamente vulneráveis ​​a danos causados ​​por doenças que prejudicam a capacidade do corpo de transformar nutrientes em energia, processar resíduos ou fabricar as substâncias que constituem o tecido vivo.

Diabettes

Diabetes: Diabetes mellitus, caracterizado pelos níveis de glicose no sangue cronicamente elevada, é uma das principais causas de neuropatia periférica, nos EUA cerca de 60 por cento a 70 por cento das pessoas com diabetes têm ligeira a formas graves de nano ao sistema nervoso.

Doenças Renais e Hepáticas

Desordens dos rins: as doenças renais podem levar a quantidades anormalmente altas de substâncias tóxicas no sangue que podem danificar gravemente o tecido nervoso. A maioria dos pacientes que requerem diálise por causa da insuficiência renal desenvolvida pela polineuropatia. Algumas doenças hepáticas também levam a neuropatias como resultado de desequilíbrios químicos.

Distúbios Hormonais

Hormônios: Os desequilíbrios hormonais podem perturbar os processos metabólicos normais e causar neuropatias. Por exemplo, uma subprodução de hormônios da tireoide retarda o metabolismo, levando à retenção de líquidos e tecidos inchados que podem exercer pressão sobre os nervos periféricos.

A superprodução do hormônio do crescimento pode levar à acromegalia, uma condição caracterizada pelo aumento anormal de muitas partes do esqueleto, incluindo as articulações. Os nervos que correm por essas articulações afetadas ficam, geralmente, presos.

Deficiência Vitamínica

A vitamina Deficiências e Alcoolismo: deficiências de vitaminas e alcoolismo pode causar danos generalizados ao tecido nervoso.14

Vitaminas E, B1, B6, B12 e niacina são essenciais para a função do nervo saudável. A deficiência de tiamina, em particular, é comum entre as pessoas com alcoolismo, porque muitas vezes elas também têm hábitos alimentares inadequados. A deficiência de tiamina pode causar uma neuropatia dolorosa nas extremidades.

Alcoolismo

Alguns pesquisadores acreditam que o consumo excessivo de álcool pode, por si só, contribuir diretamente para danos nos nervos, uma condição conhecida como neuropatia alcoólica.

Doenças Vasculares

Danos vasculares e doenças do sangue: danos vasculares e doenças do sangue podem diminuir o suprimento de oxigênio para os nervos periféricos e rapidamente levar a sérios danos ou morte dos tecidos nervosos, tanto quanto uma súbita falta de oxigênio para o cérebro pode causar um AVC. Diabetes conduz frequentemente a dano de vasos sanguíneos.16

Vários tipos de vasculite (inflamação dos vasos sanguíneos) frequentemente causa endurecimento das paredes dos vasos ou engrossamento, e desenvolve cicatrizes nos tecidos vasculares, reduzindo o seu diâmetro impedindo o fluxo sanguíneo. Esta categoria de lesão nervosa (chamada mononeuropatia múltipla ou mononeuropatia multifocal) ocorre quando nervos isolados em áreas diferentes são danificados.

Doenças do Tecido Conjuntivo

Doenças do tecido conjuntivo e inflamação crônica: os distúrbios de tecidos distúrbios do conjuntivo e a inflamação crônica causam danos diretos e indiretos aos nervos. Quando as múltiplas camadas de tecido protetor ao redor dos nervos inflamam, a inflamação pode se espalhar diretamente para as fibras nervosas.

Inflamação Crônica (…)

A inflamação crônica também leva à destruição progressiva do tecido conjuntivo, tornando as fibras nervosas mais vulneráveis ​​a lesões por compressão e infecções. Articulações podem se tornar inflamadas e inchadas e prender os nervos, causando dor.17:

Tumores e Neoplasias

Cânceres e tumores Cânceres e tumores benignos podem se infiltrar ou exercer pressão prejudicial sobre as fibras nervosas. Os tumores também podem surgir diretamente das células do tecido nervoso. A polineuropatia generalizada está frequentemente associada às neurofibromatoses, doenças genéticas nas quais vários tumores benignos crescem no tecido nervoso. Neuromas, massas benignas de tecido nervoso crescido que podem se desenvolver após qualquer lesão penetrante que rompa as fibras nervosas, geram sinais de dor muito intensos e às vezes engolfam os nervos vizinhos, causando danos maiores e ainda mais dor.   — É de enlouquecer —

A formação de neuroma pode ser um elemento de a mais disseminando dor neuropática condição de chamada síndrome de dor regional complexa ou síndrome da distrofia simpática reflexa, que pode ser causada por lesões traumáticas ou trauma cirúrgico.

As síndromes paraneoplásicas, um grupo de doenças degenerativas raras que são desencadeadas pela resposta do sistema imunológico de uma pessoa a um tumor cancerígeno, também podem causar danos nervosos generalizados indiretamente.

LER

 

Neuropatias, Neuropatias – Uma Detalhada Explanação, Blog SoropositivoEstresse repetitivo: O estresse repetitivo geralmente leva a neuropatias por compressão, uma categoria especial de lesão por compressão.18

O dano cumulativo pode resultar de atividades repetitivas, forçadas e incômodas que exigem flexão de qualquer grupo de articulações por períodos prolongados.

A irritação resultante pode fazer com que ligamentos, tendões e músculos fiquem inflamados e inchados, comprimindo as passagens estreitas pelas quais alguns nervos passam. Essas lesões tornam-se mais frequentes durante a gravidez, provavelmente porque o ganho de peso e a retenção de líquidos também comprimem as vias nervosas.

Toxinas

Toxinas: As toxinas também podem causar danos aos nervos periféricos. Pessoas expostas a metais pesados ​​(arsênico, chumbo, mercúrio, tálio), drogas industriais ou toxinas ambientais frequentemente desenvolvem neuropatia.

Neuropatias Medicamentosas

Neuropatias, Neuropatias – Uma Detalhada Explanação, Blog SoropositivoCertos medicamentos anticâncer, anticonvulsivantes, antivirais e antibióticos têm efeitos colaterais que podem causar neuropatia secundária aos medicamentos, limitando assim seu uso a longo prazo.

Vírus e Bactérias

Infecções e doenças autoimunes: infecções e doenças autoimunes podem causar neuropatia periférica. Os vírus e as bactérias que podem atacar tecidos nervosos incluem:

  • herpes varicela-zóster (zona) 19
  • de Epstein-Barr vírus 20
  • citomegalovírus (CMV),21
  • herpes simplex22

Estes vírus danificar gravemente os nervos sensoriais, causando ataques de dor de cortes, ou descargas elétricas. A neuralgia pós-herpética geralmente ocorre após um ataque de herpes zoster e pode ser particularmente dolorosa.

O vírus da imunodeficiência humana (HIV), que causa a AIDS, também causa grandes danos aos sistemas nervosos central e periférico. O vírus pode causar várias formas de neuropatia, cada uma fortemente associada a um estágio específico da doença de imunodeficiência ativa. Uma polineuropatia dolorosa e rapidamente progressiva que afeta os pés e as mãos pode ser o primeiro sinal clínico de infecção pelo HIV.

As doenças bacterianas como a doença de Lyme, 23 difteria 24 e hanseníase 25 são caracterizadas por extensos danos aos nervos periféricos.

  • Difteria e hanseníase nos Estados Unidos são raras.
  • A doença de Lyme está em alta. A doença de Lyme pode causar uma ampla gama de distúrbios neuropáticos que podem se desenvolver semanas, meses ou anos após a picada do carrapato, se a doença não for tratada.

As infecções virais e bacterianas também podem causar danos indiretos aos nervos, provocando condições conhecidas como doenças auto-imunes, nas quais células especializadas e anticorpos do sistema imunológico atacam os próprios tecidos do corpo. Esses ataques geralmente causam a destruição da bainha de mielina do axônio do nervo.

Atividades Autoimunes

Algumas neuropatias são causadas por inflamação resultante da atividade do sistema imunitário, em vez da partir de dano direto por organismos.26 infecciosos

Neuropatias inflamatórias pode desenvolver-se rapidamente ou lentamente, e formas crônicas pode exibir um padrão de remissões alternadas com recaídas.

  • A síndrome de Guillain-Barré (neuropatia desmielinizante inflamatória aguda) pode danificar as fibras nervosas motoras, sensoriais e autonômicas. A maioria das pessoas se recupera dessa síndrome, embora os casos graves possam ser fatais.
  • A polineuropatia desmielinizante inflamatória crônica (CIDP) é geralmente menos perigosa, geralmente danifica os nervos sensoriais e motores, deixando os nervos autonômicos intactos.
  • A neuropatia motora multifocal é uma forma de neuropatia inflamatória que afeta exclusivamente os nervos motores; pode ser crônico ou agudo.

 

Neuropatias, Neuropatias – Uma Detalhada Explanação, Blog Soropositivo

 

Neuropatias herdadas: as neuropatias periféricas herdadas são causadas por erros inatos no código genético ou por novas mutações genéticas.

  • Alguns erros genéticos levam a neuropatias leves com sintomas que começam no início da idade adulta e resultam em pouco comprometimento.
  • Neuropatias hereditárias mais graves costumam aparecer na primeira infância ou na infância.

As neuropatias hereditárias mais comuns são um grupo de doenças conhecidas coletivamente como doença de Charcot-Marie-Tooth (resultante de falhas nos genes responsáveis ​​pela fabricação de neurônios ou da bainha de mielina). Os sintomas incluem:

  • enfraquecimento extremo e atrofia dos músculos nas pernas e pés
  • Distúrbios no modo de caminhar27
  • Perda de reflexos tendilíneos
  • dormência nos membros inferiores
Tratamento

Existem agora tratamentos médicos. Não se pode curar neuropatia periférica hereditária. No entanto, existem terapias para muitas outras formas. Aqui estão os pontos-chave para o tratamento da neuropatia periférica.

  • Qualquer condição subjacente é geralmente tratada primeiro, seguida por tratamento sintomático.;
  • Os nervos periféricos conseguem se regenerar, desde que a própria célula nervosa não tenha sido morta;
  • Os sintomas geralmente podem ser controlados e a eliminação das causas de formas específicas de neuropatia pode evitar novos danos;
  • Mudanças positivas e hábitos saudáveis ​​costumam criar condições que estimulam a regeneração nervosa;
  • O tratamento oportuno das lesões pode ajudar a prevenir danos permanentes;

Em geral, o tratamento de neuropatia periférica envolve a adoção de hábitos saudáveis para reduzir os efeitos físicos e emocionais, tais como:

  • Manter um peso ideal,
  • Evitar exposição ao toxinas 3;
  • seguir um programa de exercício médico-supervisionado;
  • Comer uma dieta equilibrada;
  • Corrigindo deficiências vitamínicas 3;
  • limitar ou evitar o álcool consumo;
Outros tratamentos para neuropatia periférica incluem:
    • Exercício: as formas ativas e passivas de exercício podem reduzir as cãibras, melhorar a força muscular e prevenir a perda muscular em membros paralisados.;
    • Dieta e Nutrição: várias estratégias dietéticas podem melhorar os sintomas gastrointestinais;
  • Parar de fumar: parar de fumar é particularmente importante porque fumar contrai os vasos sanguíneos que fornecem nutrientes aos nervos periféricos e pode piorar os sintomas neuropáticos.
  • Auto-cuidado habilidades: habilidades de auto-atendimento, tais como cuidados meticulosos com os pés me cuidadoso tratamento de feridas em pessoas com diabetes, e outras que têm uma capacidade diminuída de sentir dor, pode aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida.28
Doenças sistêmicas

Doenças sistêmicas frequentemente requerem tratamentos mais complexos. Foi demonstrado que o controle estrito dos níveis de glicose no sangue reduz os sintomas neuropáticos e ajuda as pessoas com neuropatia diabética a evitar maiores danos aos nervos.

Condições inflamatórias e auto-imunes que conduzem a neuropatia pode ser controlada de diversas maneiras, incluindo drogas imunossupressoras, tais como:

  • prednisona 29;
  • Ciclosporina (Neoral, Sandimmune);
  • Imran (azatioprina);

Plasmaférese: plasmaférese, um procedimento no qual o sangue é removido, limpo de células do sistema imunitário e anticorpos, e depois retornam ao corpo – podem limitar a inflamação ou suprimir a atividade do sistema imunológico. Doses altas de imunoglobulinas, proteínas que funcionam como anticorpos, também podem suprimir a atividade anormal do sistema imunológico.

Alívio da dor:

A dor neuropática costuma ser difícil de controlar.30

A dor leve às vezes pode ser aliviada com analgésicos vendidos sem receita. Várias classes de medicamentos têm se mostrados úteis para muitos pacientes que sofrem de formas mais graves de dor neuropática crônica. Estes incluem:

  • mexiletina, um medicamento desenvolvido para corrigir ritmos cardíacos irregulares (às vezes associado a efeitos colaterais graves);
  • Vários medicamentos antiepilépticos, incluindo Neurontin (gabapentina), Lyrica (pregabalina), fenitoína e carbamazepina;
  • Algumas classes de antidepressivos, incluindo tricíclicos, como amitriptilina – a mim, Cláudio, causou taquicardia – (Elavil , Endep);

Injeções de anestésicos locais, como lidocaína ou adesivos tópicos contendo lidocaína, podem aliviar a dor mais intratável.

Nos casos mais graves, os médicos podem destruir cirurgicamente os nervos; no entanto, os resultados costumam ser temporários e o procedimento pode levar a complicações.

Dispositivos de assistência: ajudas mecânicas e outros dispositivos de assistência podem ajudar a reduzir a dor e diminuir o impacto de uma deficiência física.

    • Os meias e luvas compressoras para as mãos ou pés podem compensar a fraqueza muscular, ou aliviar a compressão nervosa;
    • Os sapatos ortopédicos podem melhorar os distúrbios da marcha e ajudar a prevenir lesões nos pés em pessoas com perda da sensação de dor;
  • A ventilação mecânica pode fornecer suporte vital essencial se a respiração ficar gravemente prejudicada. Não façam isso comigo. Me deixem partir…

Cirurgia: A intervenção cirúrgica muitas vezes pode fornecer alívio imediato das mononeuropatias causadas por lesões por compressão ou compressão.

  • Reparação de um disco deslizado pode reduzir a pressão sobre os nervos, onde eles emergem dada medula espinal;
  • Remoção de tumores benignos ou malignos podem também aliviar a pressão sobre danificar nervos 31;
  • Compressão do nervo, muitas vezes pode ser corrigido pela libertação cirúrgico de ligamentos ou tendões;

Traduzido em causa-própria por Cláudio Souza em 03 de julho de 2021 do texto em Understanding Periphefal Neuropathy de Carol Eustice Revisado clinicamente por Nicholas R. Metrus, MD em 22 de abril de 2021

Fontes do artigo original, en inglês

  1. Hughes RA. Peripheral neuropathyBMJ. 2002;324(7335):466–469. doi:10.1136/bmj.324.7335.466
  2. Neuropathy (Peripheral Neuropathy). Cleveland Clinic. December 2019.
  3. Peripheral Neuropathy. US National Library of Medicine. April 2018.
  4. Peripheral Neuropathy. Department of Neurology Columbia University.
  5. Sommer C, Geber C, Young P, Forst R, Birklein F, Schoser B. PolyneuropathiesDtsch Arztebl Int. 2018;115(6):83–90. doi:10.3238/arztebl.2018.083
  6. Ekiz E, Ozkok A, Ertugrul NK. Paraneoplastic mononeuritis multiplex as a presenting feature of adenocarcinoma of the lungCase Rep Oncol Med. 2013;2013:457346. doi:10.1155/2013/457346
  7. Sudulagunta SR, Sodalagunta MB, Sepehrar M, et al. Guillain-Barré syndrome: clinical profile and managementGer Med Sci. 2015;13:Doc16. doi:10.3205/000220
  8. Peripheral Neuropathy. Johns Hopkins Medicine.
  9. Peripheral Neuropathy Fact Sheet. National Institutes of Health. August 2019.
  10. Why is neuropathy worse at night?. Cleveland Clinic. January 2020.
  11. Peripheral Neuropathy. National Institute of Diabetes and Digestive and Kidney Diseases. February 2018.
  12. Bladder Control Problems & Nerve Disease. National Institute of Diabetes and Digestive and Kidney Diseases. June 2012.
  13. Pang LY, Ding CH, Wang YY, Liu LY, Li QJ, Zou LP. Acute autonomic neuropathy with severe gastrointestinal symptoms in children: a case series. BMC Neurol. 2017;17(1):164.  doi:10.1186/s12883-017-0943-x
  14. Chopra K, Tiwari V. Alcoholic neuropathy: possible mechanisms and future treatment possibilities. Br J Clin Pharmacol. 2012;73(3):348-62.  doi:10.1111/j.1365-2125.2011.04111.x
  15. Cruccu G, Finnerup NB, Jensen TS, et al. Trigeminal neuralgia: New classification and diagnostic grading for practice and researchNeurology. 2016;87(2):220–228. doi:10.1212/WNL.0000000000002840
  16. Six Diabetes-Related Vascular Complications – And How To Avoid Them. Society for Vascular Surgery. November 2016.
  17. Lee YC. Effect and treatment of chronic pain in inflammatory arthritis. Curr Rheumatol Rep. 2013;15(1):300.  doi:10.1007/s11926-012-0300-4
  18. Tapadia M, Mozaffar T, Gupta R. Compressive neuropathies of the upper extremity: update on pathophysiology, classification, and electrodiagnostic findings. J Hand Surg Am. 2010;35(4):668-77.  doi:10.1016/j.jhsa.2010.01.007
  19. Arvin AM. Varicella-zoster virus. Clin Microbiol Rev. 1996;9(3):361-81.
  20. Stanfield BA, Luftig MA. Recent advances in understanding Epstein-Barr virusF1000Res. 2017;6:386. doi:10.12688/f1000research.10591.1
  21. Gupta M, Shorman M. Cytomegalovirus. In: StatPearls [Internet]. 2019 Jan-.
  22. Saleh D, Sharma S. Herpes Simplex Type 1. In: StatPearls [Internet]. 2019 Jan-.
  23. Biesiada G, Czepiel J, Leśniak MR, Garlicki A, Mach T. Lyme disease: reviewArch Med Sci. 2012;8(6):978–982. doi:10.5114/aoms.2012.30948
  24. Cooper AR. DiphtheriaPaediatr Child Health. 2002;7(3):205. doi:10.1093/pch/7.3.205
  25. Bhat RM, Prakash C. Leprosy: an overview of pathophysiologyInterdiscip Perspect Infect Dis. 2012;2012:181089. doi:10.1155/2012/181089
  26. Ellis A, Bennett DL. Neuroinflammation and the generation of neuropathic pain. Br J Anaesth. 2013;111(1):26-37.  doi:10.1093/bja/aet128
  27. Wojciechowski E, Sman A, Cornett K, et al. Gait patterns of children and adolescents with Charcot-Marie-Tooth disease. Gait Posture. 2017;56:89-94.  doi:10.1016/j.gaitpost.2017.05.005
  28. Diabetes and Foot Problems. National Institute of Diabetes and Digestive and Kidney Diseases. January 2017.
  29. Highlights Of Prescribing Information: Prednisone. US Food & Drug Administration.
  30. The Voice of the Patient: Neuropathic Pain Associated with Peripheral Neuropathy. US Food & Drug Administration. February 2017.
  31. Spinal Cord Tumors. Harvard Medical School. February 2019.

Additional Reading

  • NIH Publication No. 04-4853
Apoie o trabalho. Ou ele acabará por desaparecer. Os links levam aos sites destes bancos, os mais importantes! Apoie a um trabalho que procura te apoiar!

Apoie o trabalho. Ou ele acabará por desaparecer. Os links levam aos sites destes bancos, os mais importantes! Apoie a um trabalho que procura te apoiar!



Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Whatsapp WhatsApp Us
Olá! Sou o Beto Volpe! Quer Conversar? Diga olá! Mas tenha em mente que eu trabalho aqui entre 9:00 da manhã e 20 horas.