4.9 C
Nova Iorque
sexta-feira, outubro 30, 2020

Buy now

Adesão precoce à TARV produz melhores resultados do controle virológico a longo prazo

A adesão à terapia antirretroviral (TARV) nos primeiros meses após o início do tratamento

HIV virus particle structure
HIV – Particulação estrutural

é crucial para os resultados a longo prazo, sugere a pesquisa francesa publicada na edição on-line do Journal of Acquired Immune Deficiency Syndromes. As pessoas que tomaram todas ou quase todas as suas doses nos primeiros quatro meses após o início da TARV foram aproximadamente quatro vezes mais propensas a ter supressão viral prolongada em até 12 anos de seguimento, em comparação com pessoas que freqüentemente não tomaram estas doses. Os achados também mostraram a importância de manter altos níveis de adesão durante a terapia de longo prazo.

“Este inesperado impacto virológico a longo prazo da aderência precoce reforça a mensagem de que, ao iniciar os antirretrovirais, todos os meios devem ser mobilizados para garantir uma aderência precoce ótima para alcançar o sucesso prolongado anti-retroviral”, comentam os autores.

A adesão é o fator mais importante sob o controle de pessoas vivendo com HIV que determina o sucesso da ART. O objetivo do tratamento é uma carga viral indetectável, um resultado associado a níveis de aderência de pelo menos 95% com medicamentos anti-HIV mais antigos (embora as terapias modernas sejam mais tolerantes às doses não atendidas).

Pesquisadores do coorte prospectivo, multicêntrico Francês APROCO-COPILOTE queriam observar se a aderência muito precoce ao TARV (os primeiros quatro meses de tratamento) estava associada à supressão viral a longo prazo (até 12 anos de seguimento).

A população do estudo consistiu em 891 pessoas que iniciaram a TARV com base em um inibidor de protease de primeira geração entre 1997 e 1999. Foram seguidas por uma média de nove a de onze anos. Dados de aderência auto relatados foram coletados quatro meses após o início do tratamento. A adesão seria considerada “alta” se as pessoas tomassem 100% de suas doses, “média” se estivesse entre 99,9% a 80% das doses fossem tomadas e baixas, se abaixo de 80% das doses fossem tomadas nos quatro dias anteriores. Outros dados sobre adesão foram coletados em intervalos regulares durante o acompanhamento.

As características iniciais foram as seguintes: idade média de 37 anos, 21% de mulheres, 20% com AIDS, com uma contagem média de CD4 de 286 células / mm3 e carga viral de 29.000 cópias / ml em média.

A proporção de pessoas com supressão virológica prolongada aumentou de 48% nos intervalos de acompanhamento de 20 meses para 73% após 12 anos de terapia.

No mês 4, 57% das pessoas tinham alta aderência, 33% tinham adesão média e 10% tinham baixa aderência. Durante o seguimento, 66% das pessoas mantiveram alta aderência, 25% flutuaram entre alta e média aderência e 9% tiveram pelo menos um episódio de baixa adesão.

Havia evidências claras de que a aderência precoce estava associada a resultados a longo prazo.

A adesão alta e média versus baixa aderência no mês 4 da terapia foi significativamente associada com maiores chances de supressão virológica prolongada (OR ajustado de 3,73; IC de 95%: 1,98-6,98).

A manutenção da boa adesão também foi associada com melhores resultados virológicos entre os meses 20 e 144 após o início do tratamento. Em comparação com pessoas com um grau de adesão fraco, os indivíduos com adesão alta e moderada foram mais de três (OR ajustado 3,28; IC 95% 2,64-4,08) e dois (OR ajustado 2,26; IC 95%: 1,81-2,83) Supressão viral persistente.

“Intervenções direcionadas para aumentar a adesão precisam ser implementadas tanto na iniciação ao tratamento anti-retroviral como durante o tratamento”, escrevem os autores.

Eles pedem mais estudos olhando para o impacto da aderência precoce em resultados a longo prazo com antirretrovirais modernos, mais potentes que são mais tolerantes de doses perdidas.

Traduzido por Cláudio Souza do original em Early adherence to ART key to long-term virological outcomes, escrito por Michael Carter para o AIDSMAP Publicado em 14 de março de 2017

Reference

Protopopescu C et al. Prolonged viral suppression over a 12-year follow-up of HIV-infected patients: the persistent impact of adherence at 4 months after initiation of combined antiretroviral therapy in the ANRS CO8 APROCO-COPILOTE cohort. J Acquir Immune Defic Syndr, online edition. DOI: 10.1097/QAI.0000000000001249 (2017).

Related Articles

Sou Soropositivo! Estou Vivendo Com HIV! E Agora? O Que Faço?

De resto, pode seguir estes passos gradualmente. Esta é uma grande mudança e você levará algum tempo para integrá-la à sua autoimagem de uma forma positiva. Não tenha pressa, mas incentive e celebre os pequenos avanços em seu pensamento sobre o HIV. Tenha em mente que você esta vivendo na segunda década do século XXI e, esperançosamente, isso é consideravelmente melhor que esta na [ultima década do Século XX, embora nada tenha de fácil a vida com HIV!

Riscos do Sexo Oral

Riscos do sexo oral se você pega ou passa HIV pelo sexo oral tem todas as respostas que você precisa aqui nesta página sobre riscos da felação, a #¿$?%!¡, que está intrinsecamente ligado ao medo e a “ignorância cultivada” dentro da vida sexual das pessoas, e este “binômio” me traz muitas pessoas. Assim, eu concluí que, para muitas pessoas, está é a uma das “eternas dúvidas” dentro da vida sexual das pessoas, quase sempre tão ignorantes a respeito de sexo oral e HIV! Eu quero estabelecer, neste ponto que a chupeta oferece, para muitos, uma experiência intensamente prazerosa

O que São Antirretrovirais? Eis Uma Visão geral 

O que são antirretrovirais? Os antirretrovirais são os medicamentos que mudaram a face da pandemia HIV/AIDS para algo controlável, que deixou de ser uma ceifadora de vidas. No entanto, eles ainda não removeram a ameaça que a pandemia HIV/AIDS representa e nem mesmo com grande otimismo chegamos à reta final desta pandemia. Pois, apesar de todo o esforço feito por organizações não governamentais e iniciativas individuais, o HIV ainda continuará a ser contraído. E por muito tempo ainda.

1 COMMENT

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Stay Connected

0FansLike
0FollowersFollow
0SubscribersSubscribe
- Advertisement -

Latest Articles

Sou Soropositivo! Estou Vivendo Com HIV! E Agora? O Que Faço?

De resto, pode seguir estes passos gradualmente. Esta é uma grande mudança e você levará algum tempo para integrá-la à sua autoimagem de uma forma positiva. Não tenha pressa, mas incentive e celebre os pequenos avanços em seu pensamento sobre o HIV. Tenha em mente que você esta vivendo na segunda década do século XXI e, esperançosamente, isso é consideravelmente melhor que esta na [ultima década do Século XX, embora nada tenha de fácil a vida com HIV!

Riscos do Sexo Oral

Riscos do sexo oral se você pega ou passa HIV pelo sexo oral tem todas as respostas que você precisa aqui nesta página sobre riscos da felação, a #¿$?%!¡, que está intrinsecamente ligado ao medo e a “ignorância cultivada” dentro da vida sexual das pessoas, e este “binômio” me traz muitas pessoas. Assim, eu concluí que, para muitas pessoas, está é a uma das “eternas dúvidas” dentro da vida sexual das pessoas, quase sempre tão ignorantes a respeito de sexo oral e HIV! Eu quero estabelecer, neste ponto que a chupeta oferece, para muitos, uma experiência intensamente prazerosa

O que São Antirretrovirais? Eis Uma Visão geral 

O que são antirretrovirais? Os antirretrovirais são os medicamentos que mudaram a face da pandemia HIV/AIDS para algo controlável, que deixou de ser uma ceifadora de vidas. No entanto, eles ainda não removeram a ameaça que a pandemia HIV/AIDS representa e nem mesmo com grande otimismo chegamos à reta final desta pandemia. Pois, apesar de todo o esforço feito por organizações não governamentais e iniciativas individuais, o HIV ainda continuará a ser contraído. E por muito tempo ainda.

Sexo Oral Gonorreia e lésbicas

Sexo oral, gonorreia e lésbicas não são temas corriqueiros. E é bem por isso que eles me preocupa,. Se toda hora alguém me perguntasse...

O que é a carga viral?

O objetivo do teste de a carga viral é simples: quanto menos cópias do HIV no sangue, melhor. Ao iniciar o tratamento, os testes de carga viral fornecem as medidas de linha de base pelas quais os testes posteriores são comparados. Cada queda de dez vezes na carga viral é considerada uma queda de um tronco. Por exemplo, se a carga viral cair de 50.000 cópias/mL para 500 cópias/mL, diz-se que o paciente tem uma queda de dois troncos na carga viral
Olá! Sou o Beto Volpe! Quer Conversar? Diga olá! Mas tenha em mente que eu trabalho aqui entre 9:00 da manhã e 20 horas. Você pode deixar a mensagem, mas eu responderei nestes horários. Talvez eu demore, mnas em *SEMPRE RESPONDO*
Olá! Será que você me autorizaria a te avisar quando eu fizesse uma nova publicação ou atualização de um texto? Veja bem, eu não teria a menor ideia a respeito de quem você é! Seria algo anônimo, que me deixaria feliz por sua atenção e interesse. Quando eu fui DJ meu salário era a gritaria! Agora, é seu interesse! E, me perdõem por algum erro ortográfico. Eu sou disléxico e a neuropatia periférica complica ainda mais toda esta coisa. :-(
Dismiss
Allow