Blog Soropositivo
Desde Agosto de 2000 informando sobre HIV/AIDS e outras DSTs. Vinte e um anos de prestação de serviços em Saúde Pública - Maior Banco de dados Sobre HIV/AIDS nas mãos de uma pessoa física. Mais de 3000 posts

HIV e Imunosenessência – Envelhecimento Precoce é Fato

0

HIV e Imunosenessência – Envelhecimento Precoce é Fato! E o Risco Cardio Vascular também!

Metade das Pessoas com HIV Já Tem Mais de 50 Anos

Hoje, quase metade de todas as pessoas que vivem com HIV têm 50 anos ou mais. Isso ocorre principalmente porque as pessoas estão vivendo muito mais tempo com o HIV, graças à TARV eficaz, e isso é uma boa notícia.

HIV e Imunosenessência – Envelhecimento Precoce é Fato, Blog Soropositivo.Org A má notícia é que a pesquisa mostra cada vez mais que as doenças que normalmente atingem pessoas HIV-negativas entre 60 e 70 anos estão ocorrendo em pessoas com HIV entre 40 e 50 anos.

Essas preocupações trouxeram a questão do envelhecimento com HIV para o centro do palco. Uma das maiores questões sem resposta é por que isso está ocorrendo. Quer trate de ataques cardíacos, fraturas ósseas, doenças renais ou certos cânceres, as taxas dessas condições em pessoas HIV-positivas são alarmantes.

Não está claro o quanto o HIV contribui para essas condições e quanto pode ser explicado por outros fatores (como tabagismo, medicamentos para HIV e coinfecção com outros vírus).

Mas a maioria das pessoas soropositivas pode fazer muito para retardar o processo de envelhecimento e prevenir o aparecimento de doenças relacionadas com a idade. Antes, é importante entender como funciona o envelhecimento.

O que é envelhecimento? E HIV e Imunosenessência

Quando pensamos em alguém como “velho”, tendemos a pensar que essa pessoa viveu um certo número de anos: 70, 80, 100. Para o Instituto Nacional de Envelhecimento, no entanto, o foco não está em quanto tempo alguém viveu esteve vivo, mas no declínio inevitável da capacidade física e da saúde que ocorre quando uma pessoa chega mais tarde na vida.

Ao mesmo tempo, os pesquisadores procuraram uma causa central do envelhecimento, mas desde então perceberam que uma variedade de fatores – incluindo nossos genes, nosso ambiente e infecções por vírus e bactérias prejudiciais – contribuem para o fenômeno do envelhecimento de maneiras sobrepostas.

Algumas pessoas ganham na loteria genética. Eles herdam genes que lhes permitem permanecer saudáveis ​​e com vitalidade até os 80 e 90 anos, enquanto outros têm genes que os colocam em maior risco de desenvolver câncer ou doenças cardiovasculares quando chegam aos 40 anos.

Algumas pessoas são capazes de minimizar os fatores ambientais e comportamentais conhecidos por acelerar o processo de envelhecimento. Eles se alimentam bem, se exercitam e permanecem social e intelectualmente engajados na vida. Os efeitos de tais fatores ambientais e comportamentais na saúde de uma pessoa são profundos.

Os Agentes Externos Que Provocam Envelhecimento

Da mesma forma, algumas pessoas são capazes de evitar a infecção pelos vírus e bactérias mais prejudiciais ao longo de suas vidas, ou têm um sistema imunológico capaz de controlar as infecções. Outros podem ter que lidar com infecções prejudiciais, como vírus da hepatite B (HBV), vírus da hepatite C (HCV), vírus do papiloma humano (HPV), citomegalovírus (CMV) – e HIV – que podem aumentar significativamente o risco de problemas de saúde mais tarde na vida.

Esses fatores – genéticos, ambientais e biológicos – podem se sobrepor e fazer com que iniciemos o processo de envelhecimento, chamado de “senescência”, que desce até o nível celular.

HIV e Imunosenessência – Envelhecimento Precoce é Fato, Blog Soropositivo.Org As células em nossos corpos dependem de pequenos fragmentos de DNA, chamados telômeros, para se reproduzir. Quando somos jovens, as células em nosso corpo também tendem a ser jovens, no sentido de que se parecem e agem de maneira semelhante à primeira geração de células com a qual começamos quando estávamos nos desenvolvendo no útero.

À medida que envelhecemos, no entanto, as células em nosso corpo são muitas centenas ou milhares de gerações removidas das células originais, e as cadeias de código no final do DNA – os telômeros – ficam mais curtas. Se os telômeros estão em boa forma, como ocorre nos jovens, cada nova geração de células funciona bem. Quando os telômeros ficam muito curtos, no entanto, cada nova geração de células funciona e se reproduz precariamente, a ponto de as células às vezes não conseguirem se reproduzir.

Células defeituosas podem causar problemas reais. Se nossos músculos e células ósseas não podem produzir novas células que funcionem bem – porque os telômeros se tornaram muito curtos – é provável que nossos músculos e ossos fiquem fracos.

Riscos de Queda

Músculos e ossos fracos significam um risco maior de queda e um risco maior de quebrar um osso importante. – Meu Pai era um homem saudável, vigoroso, que fazia caminhadas de mais de uma hora, diariamente, até que sofreu uma queda tola, por conta de um degrau mais alto que o piso em uma escada caracol (evite-as a todo o custo); quebrou o fêmur, a cirurgia não teve bons resultados e ele feneceu e morreu em menos de dezoito meses.

HIV e Imunosenessência – Envelhecimento Precoce é Fato, Blog Soropositivo.Org

Células cerebrais defeituosas podem levar a problemas de coordenação e memória. Células imunológicas defeituosas não são tão capazes de manter infecções e cânceres sob controle.

É esta última categoria de senescência, chamada imunosenescência, que tem particular relevância para as pessoas com HIV.

Òleos CBD (Óleo de Cânhamo) da FormulaSwiss, Meu review

Como o HIV afeta o processo de envelhecimento?

Os educadores costumam explicar o que acontece no corpo das pessoas com HIV como uma batalha: uma guerra entre o vírus e as células imunológicas.

O HIV não é o único a esse respeito, entretanto. O sistema imunológico está constantemente “em guerra” com uma série de organismos prejudiciais – vírus e bactérias que entram em nosso corpo – e também com nossas próprias células que se tornam defeituosas e começam a se reproduzir muito rapidamente – o que chamamos de câncer.

Onde o HIV difere de muitas outras doenças é que em 99% das pessoas HIV-positivas, o sistema imunológico não controla o vírus muito bem. Esse estado de batalha constante, em que o vírus se reproduz e o corpo luta contra ele, mantém o sistema imunológico cronicamente em estado de alerta, uma síndrome inflamatória.

A inflamação não é inerentemente ruim – precisamos dela para combater infecções como a gripe, para reparar danos aos tecidos do corpo e para evitar o crescimento de certos câncer – mas a inflamação não controlada pode causar estragos no corpo: causando o acúmulo de placas de gordura no coração, que Placas que causam ataques e derrames em nossas artérias, alimentando o crescimento de alguns cânceres e minando nosso sistema imunológico.

A Inflamação Crônica

HIV e Imunosenessência – Envelhecimento Precoce é Fato, Blog Soropositivo.Org
Em breve eu, DJ Ancião

Sabemos desde os primeiros anos da epidemia que o sistema imunológico das pessoas com HIV estava cronicamente inflamado, mas antes da introdução da potente combinação de terapia antirretroviral (ARV) no final da década de 1990, a maioria das pessoas com HIV morria muito jovem e muito perecia rapidamente para que as consequências a longo prazo desta inflamação fossem conhecidas. Assim que os ARVs potentes se tornaram disponíveis e as pessoas começaram a viver por muito mais tempo, os cientistas finalmente puderam estudar os efeitos de longo prazo da inflamação em pessoas que vivem com HIV.

Bem como a lipodistrofia, um outro problema…

Na última década, vários estudos produziram algumas descobertas importantes. Sabemos que a inflamação é bastante reduzida em pessoas que conseguem obter e manter suas cargas virais indetectáveis ​​usando ARVs. Esta é uma das razões pelas quais as diretrizes de tratamento do Departamento de Saúde e

Serviços Humanos (DHHS) recomendam que as pessoas comecem o tratamento para o HIV mais cedo.

Carga Viral Indetectável Não Bloquei Estado de Inclamação Constante

Infelizmente, também aprendemos que uma carga viral indetectável não significa que a inflamação está completamente bloqueada – ela ainda pode ser detectada e potencialmente causar problemas em pessoas que, de outra forma, estão respondendo bem aos ARVs.

Embora os pesquisadores estejam preocupados em saber como a inflamação afeta diretamente os principais órgãos, como coração, fígado e rins, eles também estão interessados ​​em como a inflamação crônica afeta o próprio sistema imunológico. Quanto mais tempo o sistema imunológico de uma pessoa continua a lutar contra o HIV – mesmo se a terapia ARV estiver sendo usada – maior probabilidade de se experimentar imunosenescência, também às vezes chamada de “exaustão imunológica”.

Essa condição significa que as células imunológicas não podem reagir adequadamente quando confrontadas com um novo desafio. Eles também não se reproduzem com facilidade ou eficiência. Na verdade, quando os cientistas examinam as células imunológicas das pessoas com HIV, eles descobrem que essas células geralmente têm o mesmo grau de exaustão imunológica que as pessoas HIV negativas que são muitas décadas mais velhas.

HIV como se Pega – Os Riscos e Não Riscos

As pessoas com HIV estão envelhecendo mais rapidamente?

HIV e Imunosenessência – Envelhecimento Precoce é Fato, Blog Soropositivo.Org Como mencionado acima, qualquer número de fatores pode tornar as pessoas mais propensas a ter doenças e condições relacionadas à idade em taxas mais altas e idades mais jovens. Pessoas com HIV são mais propensas a ter alguns desses fatores de risco do que pessoas HIV-negativas, levando-as a ter problemas de saúde à medida que envelhecem. Os pesquisadores também se perguntaram como ou se o HIV – por si só – é um fator de risco para doenças e condições relacionadas à idade.

Não há dúvida de que muitas das doenças associadas ao envelhecimento ocorrem em taxas muito mais altas em pessoas com HIV e em idades muito mais jovens do que em pessoas que não vivem com o vírus. Aqui estão apenas algumas dessas condições:

  • Ossos enfraquecidos
  • Perda de massa muscular e redistribuição de gordura
  • Doença cardiovascular Doença
  • hepática Doença
  • renal

 

HIV e Outros Fatores

Alguns especialistas acreditam que vários fatores além do HIV podem contribuir significativamente para esses problemas.

Considere o seguinte:

    • Pessoas com HIV tomam ARVs, alguns dos quais podem contribuir para a perda óssea, danos nos rins, redistribuição de gordura e colesterol e triglicerídeos elevados.
  • Pessoas com HIV são muito mais propensas do que a população em geral a serem co-infectadas com a hepatite B ou C – ou às vezes às três – e isso aumenta o risco de câncer de fígado, insuficiência hepática, doença renal e diabetes.
  • Pessoas com HIV têm muitas vezes mais probabilidade de serem cronicamente infectadas com o papilomavírus humano (HPV), que causa câncer cervical e anal, bem como câncer de cabeça, pescoço e garganta.
  • Pessoas com HIV têm probabilidade até três vezes maior de fumar tabaco, que é uma das principais causas de ataques cardíacos, derrames, câncer de pulmão e enfisema.
  • Pessoas com HIV apresentam taxas de doenças mentais e abuso de substâncias muitas vezes maiores do que em pessoas que não têm HIV, e essas doenças aumentam o risco de inúmeras outras doenças.
  • O HIV pode infectar diretamente tecidos essenciais nos ossos, cérebro, sistema circulatório e em outros lugares, e pode causar danos relacionados à inflamação no coração, sistema nervoso, fígado e rins.

 

Esses fatores provavelmente desempenham papéis importantes no aumento das taxas de doenças e condições relacionadas ao envelhecimento, observadas em pessoas com HIV. O que os especialistas ainda não concordaram é o quanto a infecção pelo HIV em si, pode exacerbar os fatores de risco subjacentes – via inflamação e imunosenescência – conhecidos por contribuir para problemas relacionados ao envelhecimento.

Inflamação e Imunosenessência

Os pesquisadores estão trabalhando para tentar entender a rapidez com que a inflamação e a imunosenescência ocorrem em pessoas com HIV após serem infectadas.

Há evidências de que começa a acontecer logo depois que uma pessoa contrai o HIV, mas o bom controle do vírus (seja porque a pessoa controla bem o HIV naturalmente ou, porque faz terapia ARV, pode retardar um pouco esse processo.

 

Os especialistas ainda não chegaram a um acordo sobre a melhor maneira de medir a inflamação e a imunosenescência, e ainda não sabemos o quanto elas contribuem independentemente para as doenças relacionadas ao envelhecimento, seja em pessoas HIV negativas ou com HIV.

A pesquisa está em andamento, no entanto, para tentar responder a essas perguntas. Nesse ínterim, a pessoa comum que vive com HIV pode fazer muitas coisas para reduzir o risco de muitas doenças e condições relacionadas à idade.

Cuidados contra HIV, COVID-19 E BolsoAsnismo: Continuidade Ameaçada

É possível retardar o processo de envelhecimento?

Estamos muito longe de descobrir a fonte da juventude, mas vários fatores estão consistentemente associados à redução do risco de desenvolver doenças e condições relacionadas à idade.

 

Não fume tabaco. Fumar é uma das coisas mais prejudiciais que as pessoas podem fazer ao corpo – e às chances de uma vida longa e saudável. A maioria das pessoas sabe que pode causar câncer de pulmão e outras doenças pulmonares. Alguns até sabem que pode aumentar o risco de ataques cardíacos e derrames.

Mas também está associado a várias outras doenças relacionadas com a idade – incluindo perda mineral óssea, perda de massa muscular, problemas de memória e concentração – e cânceres relacionados à idade, como câncer anal, de mama, cervical e de próstata.

Minimize o uso de álcool e drogas. Dados consistentes sugerem que o consumo moderado de álcool pode realmente proteger o coração e reduzir a pressão arterial.

No entanto, a American Heart Association recomenda que os homens que bebem álcool não consumam mais do que dois drinques por dia e que as mulheres não consumam mais do que um. Estudos descobriram que pessoas que bebem regularmente mais do que isso correm maior risco de derrames, diabetes, obesidade e acidentes graves. Pessoas com HIV que têm problemas de fígado devem ter cuidado especial com o álcool.

Sexo vaginal E HIV – Esta é a Maior Forma de Contágio

Drogas Recreativas

Os dados são menos claros sobre como várias drogas recreativas afetam o processo de envelhecimento, embora o uso crônico de anfetaminas (“cristal”) e cocaína tenham sido implicados em problemas de pensamento e memória, perda mineral óssea e doenças cardíacas. Além disso, o uso excessivo da maioria dos medicamentos está associado a uma expectativa de vida mais curta, maior risco de depressão, suicídio e outras consequências graves para a saúde.

Atividades Físicas

Exercício. Em média, as pessoas que se exercitam regularmente são muito mais saudáveis ​​em vários aspectos do que as pessoas que não se exercitam. O exercício é bom para quase todas as partes do corpo. Os benefícios do exercício regular incluem redução do risco de:

  • Doença cardiovascular, diabetes e síndrome metabólica
  • Declínio cognitivo relacionado à idade
  • Perda de mineral ósseo e muscular

Exercício também reduz a inflamação em todo o corpo, melhora os sintomas de depressão e ansiedade e acelera a recuperação quando a doença surge. Nem todos são igualmente capazes de se exercitar, e um médico deve aprovar qualquer plano de exercícios, mas existem várias maneiras de se movimentar. 

Alimentação

Coma bem. Além dos exercícios, a dieta também ajuda a determinar quem terá uma vida longa e saudável. Os especialistas se dividem quanto à dieta ideal. Alguns argumentam contra o consumo de quase qualquer gordura. Outros dizem que as gorduras (pelo menos as gorduras saudáveis ​​de nozes e peixes) não são um problema, entretanto, o açúcar, sim.

Alguns defendem um estilo de vida vegetariano, enquanto outros dizem que a carne pode ser consumida. As dietas da moda que vêm e vão apenas confundem ainda mais as coisas. Tudo isso pode dificultar a decisão sobre a melhor dieta.

Ingestão Calórica Observada e Vigiada

O que as dietas mais respeitáveis ​​têm em comum é observar a ingestão calórica, com a ênfase em incluir muitas frutas, vegetais, grãos inteiros e feijão, e depois desfrutar de tudo o mais com moderação.

A maioria também enfatiza a importância de comer os tipos de peixes mais saudáveis ​​e limitar o consumo de carne às carnes mais magras, como frango e peru, sempre que possível. Quando se trata de gorduras, há um consenso crescente de que as gorduras “saudáveis” – por exemplo, de azeite, nozes e abacates – são realmente boas para você.

O que as dietas mais conceituadas também concordam é que muito açúcar e muitos alimentos processados ​​e fritos são os principais causadores de diabetes, doenças cardiovasculares e uma série de problemas de saúde nos Estados Unidos. Mudar de uma alimentação pouco saudável para uma saudável é difícil para muitas pessoas – é por isso que as dietas frequentemente falham. Para mais informações sobre nutrição e HIV, Clique aqui.

A Terapia Antirretroviral é Necessária – Sine Qua Non

Trate o HIV. As diretrizes atuais de tratamento do HIV recomendam iniciar a terapia ARV imediatamente após o diagnóstico. A principal justificativa para este conselho vem de dados que mostram que o HIV não tratado e o alto nível de inflamação resultante podem aumentar muito o risco de doença cardiovascular, doença hepática e outras condições. Alguns especialistas agora recomendam o tratamento com contagens de CD4 ainda mais altas pelo mesmo motivo, especialmente naqueles com alto risco subjacente de doença cardiovascular, doença hepática ou outros problemas de saúde.

 

No entanto, nem todo mundo tem os mesmos riscos subjacentes para os tipos de doenças que mais preocupam o painel. Por exemplo, pessoas sem histórico familiar de doenças cardíacas, que nunca fumaram e que não têm hepatite C ou B têm um risco básico de adoecer com doenças cardiovasculares, hepáticas ou renais. Mesmo assim, o estudo START deixou claro que o tratamento iniciado rapidamente é o melhor caminho.

Òleos CBD (Óleo de Cânhamo) da FormulaSwiss, Meu review

Férias terapêuticas? Nem pensar!

 

 

O que está claro, no entanto, é que quanto mais as pessoas esperarem até que seus CD4s caiam para menos de 500, maior será o risco de desenvolver doenças relacionadas à idade. Na verdade, um dos preditores mais potentes de um risco mais elevado para a maioria das doenças relacionadas com a idade é uma contagem de CD4 abaixo de 200.

 

Trate outras infecções. As diretrizes atuais para o HBV e o HIV recomendam que as pessoas com ambas as infecções devem começar a terapia para o HIV (com uma base de tratamentos que também combatem o VHB) o mais rápido possível. Isso ocorre porque o tratamento precoce do HBV reduz significativamente o risco de câncer de fígado e outros problemas hepáticos, sem aumentar significativamente o risco de efeitos colaterais da medicação.

 

Existem vários tratamentos altamente eficazes atualmente aprovados pela Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos para tratar a hepatite C. Muitos outros estão sendo estudados em ensaios clínicos ou aguardando a aprovação do FDA. Para verificar os regimes recomendados pela AASLD para aqueles que são coinfectados com HIV, clique aqui. (As recomendações de tratamento baseiam-se no genótipo da hepatite C e no funcionamento do fígado. Se você não conhece o genótipo do vírus ou o funcionamento do fígado, é aconselhável discutir essas coisas com seu médico.)

Siga a prevenção de doenças e diretrizes de triagem 

Os pesquisadores começaram a questionar se certas diretrizes de triagem relacionadas à idade podem precisar começar em uma idade mais jovem em pessoas com HIV. Por exemplo, alguns questionaram se a ferramenta de triagem mais popular para avaliar o risco de ataque cardíaco, com base em dados do estudo de Framingham de longa duração, deveria ser modificada para pessoas com HIV.

Os especialistas também questionam se outras ferramentas, como a pontuação FRAX para avaliar a perda mineral óssea, podem precisar ser ajustadas para pessoas HIV-positivas. Na verdade, alguns agora recomendam que a infecção por HIV por si só conta o suficiente como um fator de risco para que a triagem óssea comece em uma idade mais jovem, particularmente para homens HIV-positivos, do que é normalmente recomendado.

Estudos estão sendo conduzidos para ajudar a identificar se as diretrizes atuais de rastreamento de doenças para pessoas com mais de 50 anos são suficientes para pessoas com HIV. Enquanto aguardamos os resultados desses estudos, no entanto, é importante perguntar ao seu médico que tipos de diretrizes de prevenção de doenças e triagem estão em vigor para uma pessoa de sua idade e histórico médico e insistir em seguir essas diretrizes em seus próprios cuidados. A Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos EUA produz diretrizes de rastreamento e gerenciamento de doenças podem ser encontrado aqui.

Fique Ligado

Fique social e mentalmente conectado. Numerosos estudos descobriram que as pessoas que mantêm conexões sociais com sua família, amigos e colegas e que se envolvem em atividades que consideram que acrescentam sentido às suas vidas, não apenas vivem mais, mas também permanecem mais saudáveis ​​do que as pessoas socialmente isoladas e que não se envolvem em atividades significativas. Existem várias maneiras de se conectar socialmente se você não for próximo da família e não tiver muitos amigos. Várias são organizações locais de assistência à AIDS (ASOs) têm grupos de apoio para que pessoas com HIV se conectem umas às outras.

Tenho HIV e tomei vacina contra COVID-19

Seja Útil Para Alguém Que Precisa

O voluntariado em uma instituição de caridade que trabalha em causas nas quais você acredita, ou em uma campanha política, também pode ajudá-lo a se conectar socialmente. Encontrar grupos locais de pessoas com quem se exercitar alcançaria dois objetivos: conexão social e boa forma.

Se você não consegue sair de casa facilmente ou se mora em uma área rural sem muitas oportunidades de encontrar pessoas com interesses semelhantes, é possível se conectar com outras pessoas online em fóruns. Verifica a Fóruns POZ para tópicos de seu interesse e comece a se conectar com outras pessoas hoje mesmo.

Se você está procurando uma conexão mais pessoal, como um amigo, namorado ou outra pessoa importante, você pode considerar entrar em um site de namoro online como POZ Personals.

Existem tratamentos experimentais para retardar o envelhecimento em pessoas com HIV?

Muitas equipes de pesquisa estão procurando maneiras de retardar o processo de envelhecimento, tanto em indivíduos HIV positivos quanto negativos. Até agora, não existem métodos comprovados para realmente reverter o envelhecimento. Aqui está uma amostra de alguns dos exemplos mais promissores de pesquisa para retardar o envelhecimento e alguns exemplos daqueles que são mais arriscados e exigem cautela.

Reduzindo a inflamação. Como já explicado, um sistema imunológico cronicamente hiperativo é prejudicial de várias maneiras. Não só pode danificar diretamente nossos vasos sanguíneos e órgãos vitais, mas também pode acelerar a renovação de nossas células imunológicas, levando à imunosenescência.

Uma variedade de compostos – alguns atualmente disponíveis para outras condições e outros experimentais – estão sendo testados em pessoas com HIV para acalmar o sistema imunológico.

Os medicamentos disponíveis em estudo incluem aspirina, inibidores da HMG-CoA redutase (comumente chamados de “estatinas” e usados ​​para baixar o colesterol), o inibidor de entrada Selzentry (maraviroc) e medicamentos normalmente usados ​​para tratar a malária. Os medicamentos experimentais incluem aqueles que foram concebidos para tratar a artrite e outras doenças inflamatórias.

Telômeros – Devemos mexer com Eles?

Alongamento e reparação de telômeros. Se telômeros danificados ou encurtados levam à exaustão imunológica, então devemos nos esforçar para repará-los ou alongá-los, certo? A melhor resposta a essa pergunta é sim, mas apenas se pudermos fazer isso com segurança. Há uma boa razão para termos evoluído de tal forma que nossos telômeros se rompem se uma célula se reproduz muito: células que não conseguem parar de se replicar tornam-se cancerosas. Drogas que estimulam a enzima telomerase, que ajuda a manter os telômeros, podem, hipoteticamente, aumentar o risco de certos cânceres. Existem alguns medicamentos promissores nos primeiros estudos com animais, mas será necessária muita pesquisa antes de estarem prontos para uso em humanos.

Riscos Maiores – Dieta Hipocalórica

Bem, existem as alternativas mais arriscadas. Um dos métodos mais escritos para prolongar a expectativa de vida dos animais e (com sorte) das pessoas é a restrição calórica extrema. Os estudos progrediram de insetos para pequenos mamíferos e, até agora, parece que uma dieta contendo cerca de metade da quantidade “ideal” de calorias para um animal individual pode prolongar significativamente a expectativa de vida desse animal e aumentar sua saúde e vitalidade durante esses anos extras da vida. No entanto, estamos muito longe de poder estudar esse método em humanos, e a maioria dos pesquisadores e profissionais de saúde não recomendaria que as pessoas com HIV iniciassem uma dieta hipocalórica.

Hormônios?

Mas outro tratamento comum em clínicas de “longevidade” nos Estados Unidos é o uso de hormônios, como testosterona, hormônio de crescimento humano e esteroides anabolizantes. Embora cada um deles tenha sido aprovado para tratar a perda de gordura e músculo comum em pessoas com doença avançada do HIV (emaciação), nenhum foi aprovado para retardar ou reverter o processo de envelhecimento e todos vêm com efeitos colaterais que podem realmente aumentar alguns relacionados à idade condições, como doenças cardiovasculares, problemas de fígado e diabetes.

 

Conclusão 

A TARV não é perfeita – todos os tratamentos disponíveis podem causar alguns efeitos colaterais; os medicamentos devem ser tomados atualmente com uma regularidade quase perfeita e pelo resto da vida; e todos podem parar de funcionar.

Dito isso, muitos especialistas agora concordam que uma pessoa que começa com os ARVs cedo tem uma grande chance de viver uma vida quase normal.

 

Embora as taxas de doenças relacionadas à idade sejam muito mais altas em pessoas com HIV, isso não significa que todas as pessoas que são HIV positivas terão várias doenças quando chegarem aos 50 anos. Na verdade, as taxas reais de algumas doenças relacionadas à idade permanecem bem abaixo de 10% nas pessoas com HIV.

O que ainda não está claro é quem estará em maior risco de quais doenças, quão vigilantes precisamos estar no rastreamento de várias doenças e se o tratamento para alguma doença precisará diferir, nas pessoas com HIV.

 

Os pesquisadores estão trabalhando ativamente nessas questões. Enquanto isso, os melhores métodos disponíveis para prevenir o declínio físico e mental relacionado à idade são os velhos hábitos:

  • Fazer dieta;
  •  Praticar exercícios;
  •  Manter conexões sociais;
  • E se abster de comportamentos prejudiciais.

Traduzido e revisado por Cláudio Souza do original em HIV and Aging

Envelhecendo com HIV

HIV e Imunosenessência – Envelhecimento Precoce é Fato, Blog Soropositivo.Org

Tem algo a dizer? Diga!!! Este blog, e o mundo, é muito melhor com amigos!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.