Há Vida Com HIV

HIV como se Pega – Os Riscos e Não Riscos

O medo subsististe dada a completa falta de atenção de muitos e o pouco interesse em realmente informar. Muitos são os que lucram com cliques em matérias pouco confiáveis...

Maneiras de o vírus ser transmitido ou não ser transmitido

 

 

atualizado em 9 de março de 2021

O HIV é um vírus que pode ser transmitido de uma pessoa com HIV a outra sem, por meio de fluidos corporais como sêmen, sangue, secreções vaginais e leite materno. O HIV é mais comumente transmitido durante o sexo desprotegido, principalmente sexo anal e vaginal, mas também é transmitido de forma eficaz por meio de agulhas compartilhadas. O HIV também pode ser transmitido de mãe para filho através da placenta durante a gravidez ou parto, devido à exposição a sangue ou fluido vaginal, ou enquanto amamentação.

Alguns modos de transmissão são mais eficientes do que outros. Para que o HIV seja transmitido, o vírus precisa entrar em contato com membranas mucosas (como as encontradas no reto e na vagina), passar por rupturas e rasgos nos tecidos (como pode ocorrer durante a relação sexual) ou entrar diretamente na corrente sanguínea através de agulhas compartilhadas, por exemplo.

Além disso, é necessário que haja abundância do vírus para invadir o corpo, vencendo defesas imunológicas da linha de frente.

É por isso que o HIV pode não ser transmitido pela saliva, cujo ambiente é hostil ao vírus, ou quando o vírus é totalmente suprimido (indetectável) em um seropositivo em terapia anti-retroviral.

OS RISCOS SUBSISTEM! O preservativo, camisinha, sempre será a opção mais segura.

E se você acha que é exagero meu falar em sensatez, dê uma olhadinha de menos de um minuto neste vídeo

Repassando: O que é HIV?

O vírus da imunodeficiência humana (HIV) é um  vírus que atinge preferencialmente os glóbulos brancos, denominados, células T CD4.

Ao matar mais e mais dessas células, durante seu ciclo de vida, ele mina as defesas imunológicas do corpo são que torna-se eventualmente, comprometido. Se uma infecção por HIV não tratada progredir, haverá dano contínuo às células de defesa imunológica. À medida que isso acontece, o corpo se torna cada vez menos capaz de combater infecções. Quando isso acontece declaramos a pessoa em Síndrome da Imunodeficiência Adquirida ou AIDS.

Existem quatro condições que devem ser atendidas para ocorrer uma infecção por HIV:

  1. Deve haver fluidos corporais nos quais o vírus possa se desenvolver. O HIV não se desenvolve ao ar livre ou em partes do corpo com alto teor de ácido, como o estômago ou a bexiga.
  2. Deve haver uma rota de transmissão pela qual o vírus entra no corpo. As principais vias de transmissão incluem relações sexuais, compartilhamento de agulhas e infecções de mãe para filho.
  3. Deve haver células imunológicas presentes perto do local de entrada. Isso permite que o vírus se espalhe assim que entrar no corpo.
  4. Deve haver uma quantidade suficiente do vírus nos fluidos corporais. Esses valores, medidos pelo carga viral, pode ser alta em fluidos corporais como sangue e sêmen e baixa ou inexistente em lágrimas e saliva.2

Sexo Anal

O sexo anal é o meio predominante de transmissão do HIV, ocorrendo em uma taxa 18 vezes maior do que no sexo vaginal.

Nota do tradutor. Traduzi um texto deste mesmo site que declara que o sexo vaginal é o maior meio de contágio. Isso me confunde, mas…

Existem várias razões para explicar isso, principalmente que os tecidos retais são mais frágeis e vulneráveis ​​à ruptura do que os tecidos vaginais.

Pequenas microfissuras que comumente ocorrem durante a relação anal simplesmente permitem que maiores quantidades do vírus entrem no corpo. Eles também expõem o sangue potencialmente infectado do parceiro receptivo ao parceiro insertivo, transmitindo assim para o parceiro insertivo. Além disso, muitas pessoas que praticam sexo anal frequentemente fazem ducha antes da relação sexual, removendo a camada de muco que poderia impedir a transmissão do HIV.

Essas vulnerabilidades ajudam a explicar porque as taxas de infecção nos Estados Unidos são mais altas entre homens que fazem sexo com homens (HSH).

Mas o risco não se limita apenas a homens gays e bissexuais; em qualquer lugar de 16% a 33% dos casais heterossexuais também praticam sexo anal, muitas vezes sem preservativos.

Estudos sugerem que o risco de HIV em um parceiro anal receptivo é quase o dobro do parceiro insertivo (40,4% versus 21,7% respectivamente) .3

O risco é ainda maior se o parceiro insertivo é não circuncidado devido a micróbios abaixo do prepúcio, aumentando a disseminação (expulsão) do vírus nos fluidos seminais.

Como a excreção genital aumenta o risco de HIV

Sexo vaginal

O sexo vaginal é o segundo modo mais comum de transmissão do HIV nos Estados Unidos.

Em muitas partes do mundo em desenvolvimento, o sexo vaginal é o principal modo de transmissão, com as mulheres desproporcionalmente afetadas em comparação aos homens.6

mulheres são mais vulneráveis por várias razões:

  • A área de exposição na vagina é maior que a do pênis.
  • A vagina e o colo do útero são vulneráveis ​​a infecções comuns como vaginose bacteriana e candidíase (infecção por fungos), que comprometem tecidos já delicados.
  • Durante o sexo desprotegido, a ejaculação pode frequentemente permanece na vagina por um período prolongado de tempo.
  • A ducha vaginal antes do sexo pode remover o muco protetor.

De acordo com um revisão de Relatórios HIV / AIDS de 2018, mulheres são duas vezes mais propensas a contrair o HIV de um parceiro masculino durante a relação sexual vaginal que a outra maneira.7

Isto não é deve sugerir que o parceiro masculino não corre riscos, especialmente homens incircuncisos. O ambiente rico em bactérias abaixo do prepúcio ajuda a facilitar a infecção, aumentando o número de glóbulos brancos, chamadas células de Langerhans, que residem na própria pele. Estas células podem, inadvertidamente, “capturar” o HIV e puxá-los para o corpo.8

Doenças sexualmente transmissíveis (DST), como clamídia, gonorreia, e a sífilis podem aumentar o risco em homens e mulheres, aumentando a disseminação viral em pessoas com HIV ou comprometendo os tecidos genitais naquelas sem HIV.

Como as DSTs aumentam o risco de HIV

Sexo Oral

O sexo oral é uma forma ineficiente de transmitir o HIV, seja sexo oral-peniano (“boquetes”), sexo oral-vaginal (cunilíngua) ou sexo oral-anal (“rimming”).

O consenso científico atual é que a transmissão do HIV entre aqueles que praticam exclusivamente sexo oral é improvável.

O risco pode não ser zero, mas a maioria concorda que chegan perto disso.

Um estudo de 2014 na revista AIDS sugere que o risco de infecção por ato de sexo oral entre um parceiro receptor HIV-negativo para parceiros insertivos HIV-positivos paira entre 0% e 0,4% a 0,10%.

Isto não é para sugerir que as pessoas possam ter sexo oral sem riscos. Cortes, escoriações e feridas nos genitais ou na boca podem potencialmente aumentar o risco de infecção, assim como as DSTs ou menstruação (ambas promovem a eliminação do HIV).

Outras DSTs além do HIV também podem ser transmitidas através do sexo oral, incluindo clamídia, gonorreia, herpes, vírus do papiloma humano (HPV) e sífilis. Contrair uma DST aumenta de forma independente o risco de HIV.11

Uso de drogas injetáveis

Compartilhar agulhas é uma forma extremamente eficaz de transmissão do HIV, pois inocula o vírus diretamente  do sangue de uma pessoa infectada para a outra.

Uso de drogas injetáveis é hoje o terceiro modo mais comum de transmissão nos Estados Unidos e é o principal modo de transmissão na Rússia e na Ásia Central, onde o fluxo de drogas continua a ser ilegal.12

Nos Estados Unidos, a crescente crise de opioides estimulou um aumento nas infecções por HIV. Um dos surtos de HIV mais divulgados ocorreu em 2015, quando 79 infecções foram relatadas na cidade de Austin, Indiana (população 4.295), todas atribuídas ao uso compartilhado de agulhas entre grupos de usuários recreativos de  oxymorphone.13

Mesmo entre usuários de esteroides anabolizantes, há um aumento no número de pessoas que partilham seringas, com quase um em cada 10 contrair o HIV de acordo com um estudo de 2013 no British Journal of Medicine.14

Transfusões de sangue e transplantes

Nos primeiros dias da epidemia de HIV na década de 1980 ao início de 1990, havia muitas pessoas infectadas com o HIV devido a transfusões de sangue contaminado. Antes de 1992, não havia ferramentas de triagem disponíveis para garantir que o suprimento de sangue dos Estados Unidos, incluindo fatores de coagulação e plasma, estava livre do vírus.

Esse risco caiu drasticamente nas últimas décadas devido aos avanços nas tecnologias de detecção e à triagem universal de doações de sangue e tecidos nos Estados Unidos e em outros países. Isso não inclui apenas o rastreamento do HIV, mas outras infecções transmitidas pelo sangue, como hepatite B e hepatiteC.

Hoje, o risco de HIV em uma transfusão de sangue nos Estados Unidos é de um em 1,5 milhão. De 2002 a 2008, apenas um caso documentado de transmissão do HIV de uma transfusão foi relatado pelo Centers for Disease Control and Prevention (CDC) .15

O risco pode variar drasticamente fora dos Estados Unidos. No Egito, por exemplo, uma em cada quatro infecções por HIV é o resultado de uma transfusão.16 Em contraste, na África do Sul, o país com a maior incidência de HIV no mundo, o risco de transmissão está mais próximo de uma em cada 76.000 transfusões. 17

Gravidez

Tal como acontece com as transfusões de sangue, o risco de infecção por HIV de mãe para filho era alto nos primeiros anos da pandemia global. Hoje, o risco caiu drasticamente, mesmo nas partes mais afetadas da África, devido ao rastreio de HIV de rotina em mulheres grávidas e ao uso de medicamentos anti-retrovirais para prevenir a transmissão vertical (mãe para filho).

Quando a transmissão do HIV ocorre, geralmente ocorre durante o parto com ruptura das membranas, o que expõe o bebê a sangue e fluidos vaginais contaminados com HIV. Antes disso, o HIV geralmente não atravessa a placenta da mãe para o filho, a menos que haja descolamento prematuro da placenta,  ruptura prematura das membranas, ou um problema semelhante.

Mesmo assim, o uso de antirretrovirais na gestante pode reduzir o risco de transmissão vertical em até 95% em supressão do vírus a níveis indetectáveis0,18

HIV também pode ser transmitido através do leite materno, e, nos Estados Unidos, as pessoas com HIV são rotineiramente aconselhados a evitar amamentar independentemente de estarem em terapia anti-HIV ou com carga viral indetectável. (As mesmas recomendações não foram estendidas para o mundo em desenvolvimento, onde os benefícios da nutrição infantil são vistos como maiores que os riscos.) 19

Se o HIV não for tratado, o risco de transmissão mãe-filho durante o parto e parto é entre 15% e 30% e entre 15% e 20% durante amamentação.20

Anualmente, existem apenas cerca de 150 casos de transmissões verticais nos Estados Unidos, na maioria das vezes causada quando uma pessoa apresenta no hospital no final da gravidez ou por não aderir à terapia HIV.21

Outras causas possíveis

Há outras causas menos comuns de transmissão do HIV e várias para as quais o risco de HIV é improvável, mas possível. Isso inclui exposição ocupacional, procedimentos odontológicos, piercings e tatuagens corporais e brinquedos sexuais compartilhados.

Exposição ocupacional

Transmissão do HIV a partir de ferimentos com agulhas ou outras exposições ocupacionais podem colocar os profissionais de saúde em risco. Com isso dito, o risco de infecção por picada de agulha é inferior a um em 1.000, enquanto o contato com fluidos corporais infectados com HIV na pele intacta é ainda menor.

Até o momento, apenas 58 casos de transmissão ocupacional do HIV foram confirmados. Acredita-se que outros tenham sido evitados com um curso de 28 dias de anti-retrovirais chamado HIV profilaxia pós-exposição (PEP).22

01- Sintomas Do HIV Significam Que Tenho HIV?

Procedimentos odontológicos

Nos primeiros dias da crise da AIDS, as manchetes foram feitas quando uma mulher da Pensilvânia chamada Kimberly Bergalis alegou ter contraído o HIV através de um procedimento dentário. As alegações foram consideradas duvidosas, visto que Bergalis não relatou infecções sexualmente transmissíveis anteriores.

Desde então, houve várias reclamações, mas nenhum caso documentado de transmissão do HIV entre pacientes odontológicos. Dos oito casos relatados entre dentistas, nenhum foi confirmado como tendo sido transferido durante um procedimento odontológico.23

Piercings e tatuagens corporais

Embora teoricamente viável, o risco de HIV por inserção de piercings e tatuagens é baixo devido ao licenciamento e à regulamentação estrita dos profissionais da indústria. Por sua parte, o CDC insiste que o risco de transmissão do HIV é baixa para negligenciável.2

Entre os profissionais não licenciados que não aderem às práticas da indústria de esterilização e higiene, o risco é potencialmente maior, embora não esteja claro por quanto.

Brinquedos sexuais compartilhados 

Brinquedos sexuais são geralmente considerados uma forma de sexo seguro. Com isso dito, brinquedos insertivos compartilhados como consolos são considerados potencialmente inseguros devido à exposição a sangue e outros fluidos corporais.

Até o momento, o risco de HIV em brinquedos compartilhados permanece obscuro, dado que brinquedos raramente são a única forma de sexo que um casal pode praticar. O mesmo se aplica a fisting e outras práticas sexuais que rompem ou traumatizam os tecidos retais, ou vaginais. Essas atividades podem, teoricamente, potenciar riscos de infecção, mas os estudos ainda têm de confirmar isso.24M

A PrEP e Casais Sorodiscordantes

Maneiras o HIV não pode ser transmitido

Você não pode contrair o HIV de abraços, beijos, apertando as mãos, a partilha de utensílios, beber de fontes, picadas de mosquitos, assentos sanitários, ou toque sexual sem contato entre fluidos corporais.

No que tange a produtos de manicure, pedicure, ou mesmo podologisno o risco é ainda inferior àquele em acidenste comobjetos pérfuro-cortantes utilizados por profissionais de saúde, descendo, com certeza, ao nível do improvável e mesmo impossível. Comforme disse a um leitor, o risco é tao baixo que o contágio que viesse a ocorrer por esta via estaria mais nos designisos de Deus do que nos dom[inios da ciencia e, quando Deus demanda algo só lhe resta aceitar.

Ou engolir a seco, sem aceitar, na marra mesmo. Neste  caso, por favor, entenda.

Há vida com HIV e positivo nao [e sinal de diferente?

 

Fatores que aumentam o risco de transmissão

Há uma série de fatores que podem aumentar significativamente o risco de transmissão do HIV, independentemente da via de exposição:

  • o sexo desprotegido: simplificando, o uso do preservativo reduz o risco de transmissão do HIV é em 95% (eu mantenho o texto, no entanto, este número pode ser 100%, posto que durante décadas, foi o que pode evitar uma calamidade ainda maior).26 Não usar preservativo elimina esse benefício protetor.
  • Carga viral alta: cada aumento de dez vezes na carga viral – de, digamos, 1.000 a 10.000 a 100.000 – aumenta o risco de HIV em duas a três vezes.27 Tomar terapia antirretroviral reduz esse risco.
  • Parceiros múltiplos: ter múltiplos parceiros sexuais aumenta sua oportunidade de exposição ao HIV. Mesmo se você acreditar que um parceiro está “seguro”, serosorting (intraduzível) (escolher um parceiro com base em seu suposto status de HIV) está associado a um risco triplo de contrair uma DST.28
  • Abuso de substâncias: além do risco de HIV devido ao compartilhamento de agulhas, drogas ilícitas como metanfetamina cristal e a heroína pode prejudicar o julgamento e aumentar a assunção de riscos. Até mesmo drogas e álcool não injetáveis ​​podem levar à desinibição sexual e assumir riscos.29
  • Doenças sexualmente transmissíveis: DSTs aumentam o risco de contrair e transmitir o HIV. Com DSTs ulcerativas como a sífilis, o risco de HIV pode aumentar até 140 vezes em populações de HSH de alto risco.30 
  • Infecções genitais: as infecções genitais não adquiridas sexualmente apresentam riscos semelhantes de transmissão. Mesmo as não complicadas, como a uretrite, estão associadas a um aumento de oito vezes no risco de HIV.31
  • Ducha: Alguns estudos mostraram que a ducha retal em populações de HSH de alto risco mais do que o dobro do risco de HIV de 18% para 44% .32 O risco A presença de HIV por ducha vaginal é menos clara, mas sabe-se que aumenta o risco de vaginite bacteriana.33
  • Ser uma trabalhadora do sexo: quanto mais pessoas se tiver relações sexuais, maior será a possibilidade de transmissão sexual.
  • Local de moradia: vivendo em densas populações urbanas onde as taxas de prevalência de HIV são altas e colocam você em maior risco em comparação com as áreas rurais. Isso é especialmente verdadeiro em bairros étnicos mais pobres, onde não há acesso a tratamento e serviços preventivos.34

Um pouco mais de informação:

Risco de pegar HIV! Quais São Os Seus Riscos Nestes cenários?

Ponto a ponderar

Compreender os riscos do HIV pode ajudá-lo a construir estratégias individuais para ajudar a prevenir ou evitar a propagação HIV. Isso pode envolver o uso consistente de preservativos e uma redução no número de parceiros sexuais ou o uso de programas de troca de seringas e outros estratégias de redução de danos se você injetar drogas.

Se você tem HIV, sem dúvida a melhor maneira de prevenir a transmissão é o uso de preservativo associado à manutenção sustentada de uma carga viral indetectável com terapia anti-retroviral. Estudos provaram que fazer isso reduz o risco de transmissão do HIV a zero.1

Se você não tem HIV, você pode proteger-se por tomar Profilaxia de HIV pré-exposição(PrEP.), uma vez por dia comprimido anti-retroviral que pode reduzir o risco de infecção em até 90%, se tomado como prescrito.35

Uma referência a mais sobre come se pega e não se pega HIV

Traduzido por Cláudio Souza do original em How Is HIV Transmitted? Escrito por James Myhre & Dennis Sifris,Revisado clinicamente MD e revisado por Anju Goel, MD, MPH

Aprenda definitivamente Desenhar seus Próprios Personagens ou seus Personagens Favoritos, mesmo que você nunca tenha desenhado. 42 Aulas que vão te mostrar que Desenhar NÃO é um “Dom” mas sim uma Habilidade que nós podemos te ajudar a Desenvolver.


Receba atualizações direto em seu dispositivo gratuitamente

Tem algo a dizer? Diga!!! Este blog, e o mundo, é muito melhor com amigos!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More

Privacy & Cookies Policy