Anúncios
News Ticker

A Importância da Saúde Bucal

Pessoal, manter o site nos traz custos, custos estes que estão difíceis para arcarmos sozinhos. Nós queremos continuar trazendo informações e ajudando as pessoas que chegam até aqui, mas para isso também precisamos de ajuda. Qualquer valor é bem vindo e nos ajudará a manter o site de pé, caso contrário não conseguiremos mais ter esse canal de informação e ajuda mútua. Segue a conta para depósito: Banco do Brasil, agência 1521-0, conta corrente 19957-5, em nome de Claudio Souza

Quan­do uma pes­soa se tor­na in­fec­ta­da pe­lo HIV, ela tem que ter uma se­rie de cui­da­dos pa­ra ga­ran­tir sua saúde. Nes­ta série de cui­da­dos es­ta in­se­ri­da a pre­ser­vação de sua saúde bu­cal.

O QUE É SAÚDE BU­CAL?

Saúde bu­cal re­pre­sen­ta uma porção in­di­visível da saúde ge­ral. Ter saúde bu­cal não sig­ni­fi­ca ape­nas ter den­tes per­fei­tos e gen­gi­vas saudáveis, mas in­divídu­os saudáveis com bo­ca saudável. A bo­ca é o meio pe­lo qual nos co­mu­ni­ca­mos e ex­pres­sa­mos os nos­sos me­lho­res ( e pi­o­res ) sen­ti­men­tos. Ter saúde bu­cal é po­der­mos sor­rir quan­do es­ta­mos fe­li­zes, é não trin­car os den­tes quan­do es­ta­mos ner­vo­sos, é não dei­xar de es­co­var os den­tes quan­do es­ta­mos tris­tes, an­si­o­sos ou de­pri­mi­dos.

O QUE É TER UMA BO­CA SAUDÁVEL?

Bo­ca saudável é aque­la sem cárie, sem do­enças pe­ri­o­don­tal, sem fe­ri­das, de ma­nei­ra que você pos­sa mas­ti­gar, en­go­lir, fa­lar e sor­rir. É im­por­tan­te re­co­nhe­cer a in­ter­li­gação en­tre os di­ver­sos sis­te­mas do cor­po, por ex­em­plo: den­tes sem ca­rie e gen­gi­va saudável fa­zem com que você exe­cu­te uma boa mas­ti­gação, a boa mas­ti­gação le­va a uma boa di­gestão e as­sim por di­an­te. A estéti­ca tão cul­tu­a­da também é im­por­tan­te. É mui­to le­gal po­der sor­rir sem trau­mas, po­rem, não adi­an­ta Ter den­tes for­tes com a gen­gi­va san­gran­do.

O QUE EU POS­SO FA­ZER PA­RA TER UMA BOA SAÚDE BU­CAL?

Ter saúde bu­cal é, an­tes de tu­do, um de­se­jo e pre­o­cu­pação in­di­vi­du­al, ou se­ja, você pre­ci­sa que­rer ser co­la­bo­ra­dor ( a ) efi­caz na pro­moção da saúde bu­cal.

CO­MO MEU DEN­TIS­TA PO­DE AJU­DAR?

O seu den­tis­ta é seu par­cei­ro. Ele é ca­paz de cui­dar de to­das as al­te­rações que pos­sam ocor­rer em sua bo­ca, se­jam elas ca­ri­es, pro­ble­mas de gen­gi­va ou ou­tras do­enças co­mo can­didíase, her­pes etc. No en­tan­to, so­men­te com tra­ba­lho con­jun­to, en­tre você e seu den­tis­ta,. Vocês serão ca­pa­zes de che­gar ao ob­je­ti­vo co­mum que é Ter saúde bu­cal.

POR QUE EU DE­VO PRO­CU­RAR O DEN­TIS­TA?

Apro­xi­ma­da­men­te 50% das pes­so­as in­fec­ta­das por HIV po­derá Ter uma do­ença na bo­ca re­la­ci­o­na­da ao vírus Quan­to mais ce­do es­te pro­ble­ma for des­co­ber­to, mais fácil será tra­ta lo.

QUAIS SÃO ES­TAS DO­ENÇAS

To­das as do­enças des­cri­tas aqui não são es­pe­ci­fi­cas da in­fecção por HIV. O fa­to de um pa­ci­en­te pos­suir qual­quer uma de­las não sig­ni­fi­ca que es­te­ja com HIV. A ca­rie den­tal e a do­ença pe­ri­o­don­tal são as prin­ci­pais do­enças da bo­ca, in­de­pen­den­te­men­te de o pa­ci­en­te ser po­si­ti­vo ou não pa­ra HIV. A Can­didíase, o Her­pes Zos­ter, a Leu­co­pla­sia, o Sar­co­ma de Ka­po­si, e ti­pos es­pe­ci­ais de do­ença pe­ri­o­don­tal, são do­enças da bo­ca que, em­bo­ra não es­pecífi­cas, estão di­re­ta­men­te re­la­ci­o­na­das a in­fecção pe­lo HIV.

CA­RIE DENTÁRIA

carie-dentariaA ca­rie den­ta­ria é uma do­ença in­fec­ci­o­sa, cau­sa­da por bactéri­as, que po­dem pas­sar de uma pes­so­as pa­ra ou­tra, des­de que você te­nha uma di­e­ta ri­ca em açúcar. Os mi­cro­or­ga­nis­mos cau­sa­do­res da ca­rie for­mam colôni­as que ade­rem ao den­te através de uma pla­ca, cha­ma­da pla­ca bac­te­ri­a­na den­tal. Os mi­cro­or­ga­nis­mos ca­ri­ogêni­cos des­ta pla­ca aca­bam por fa­zer ima des­mi­ne­ra­li­zação do es­mal­te dentário. Se es­te pro­ces­so não é in­ter­rom­pi­do, a ca­rie se ins­ta­la, for­man­do uma ca­vi­da­de.

QUE MAIS PO­DE FA­ZER COM QUE EU TE­NHA CA­RI­ES?

Al­guns fa­to­res in­ter­fe­rem na mai­or ou me­nor quan­ti­da­de de ca­rie que um in­divíduo pos­sa Ter, par­ti­cu­lar­men­te nos in­divídu­os in­fec­ta­dos por HIV. Co­mo por ex­em­plo te­mos:

ME­DI­CA­MEN­TOS:

O uso re­gu­lar de mui­tos me­di­ca­men­tos po­de cau­sar ca­rie por dois me­ca­nis­mos: po­de cau­sar di­mi­nuição de sa­li­va na bo­ca, di­mi­nuin­do a ca­pa­ci­da­de de pro­teção, ou pe­la ne­ces­si­da­de de ser in­ge­ri­do com uma di­e­ta com al­tos te­o­res de ca­lo­ri­as, co­mo é o ca­so do Sa­qui­na­vir.

DI­E­TA:

Co­mo des­cri­to aci­ma, mui­tas ve­zes, por cau­sa dos di­ver­sos me­di­ca­men­tos uti­li­za­dos, o pa­ci­en­te pre­ci­sa de di­e­ta ri­ca em gor­du­ra, nor­mal­men­te as­so­ci­a­da com di­ver­sos ti­pos de açuca­res ( ex­em­plo: cho­co­la­te ) mo que au­men­ta a chan­ce de Ter cárie.

DI­FI­CUL­DA­DE DE ES­CO­VAÇÃO:

Às ve­zes, a pre­senças de fe­ri­das na bo­ca po­de cau­sar dor e di­fi­cul­da­de de es­co­vação.

O QUE POS­SO FA­ZER PA­RA DI­MI­NUIR O RIS­CO DE TER CÁRI­ES?

Você po­de di­mi­nuir o ris­co de Ter ca­ri­es, mes­mo que es­te­ja den­tro dos gru­pos aci­ma. Te­nha cons­ciência de que:

O tem­po de per­manência do ali­men­to açuca­ra­do na bo­ca e a quan­ti­da­de de ve­zes que ele é in­ge­ri­do são fun­da­men­tais pa­ra o apa­re­ci­men­to da ca­rie;

Quan­to mais por­ta­dor pe­ga­jo­so é o ali­men­to mai­or é o ris­co de ter ca­rie ( bis­coi­to re­che­a­do, ba­la de ca­ra­me­lo );

Atenção pa­ra o que vai co­mer, pois mui­tas ve­zes o ali­men­to te m açucar “es­con­di­do”, co­mo é o ca­so do ket­chup; · Es­co­var seus den­tes de for­ma cor­re­ta e re­gu­lar.

Você de­ve es­co­var seus den­tes e línguas após as re­feições e prin­ci­pal­men­te á noi­te, an­tes de dor­mir.

Use pas­ta den­tal com flúor.O fio ou fi­ta den­tal com­ple­men­tam a ação da es­co­va e, por­tan­to, de­vem ser usa­dos na mes­ma freqüência. Lem­bre se sem­pre: quan­to mai­or a freqüência de lim­pe­za, me­nos a pos­si­bi­li­da­de de de­sen­vol­ver cárie.O flúor é uma subs­tan­cia mui­to im­por­tan­te, pois aju­da na pro­teção do es­mal­te dos den­tes, tor­nan­do – os mais re­sis­ten­tes ao ata­que das bactéri­as. Você de­ve fa­zer uso re­gu­lar do flúor através de bo­che­chos e da pas­ta den­tal com flúor

LEM­BRE SE O AÇÚCAR DE ME­SA, DO­CES, CHO­CO­LA­TES E RE­FRI­GE­RAN­TES SÃO AS FON­TES MAIS CO­MUNS DE SA­CA­RO­SE, AGRA­VA­DO PE­LO CON­SU­MO RE­PE­TI­DO, A CUR­TOS IN­TER­VA­LOS, E OS ALI­MEN­TOS AÇUCA­RA­DOS COM TENDÊNCIA A ADE­RIR AOS DEN­TES SÃO OS PRIN­CI­PAIS CAU­SA­DO­RES DE CA­RI­ES. UMA DI­E­TA COM AL­TO TE­OR DE CA­LO­RI­AS NÃO SIG­NI­FI­CA, NE­CES­SA­RI­A­MEN­TE UMA DI­E­TA RI­CA EM AÇÚCAR

Doença-Periodontal-300x227O QUE É DO­ENÇA PE­RI­O­DON­TAL?

Co­mu­men­te co­nhe­ci­da co­mo do­ença da gen­gi­va, gen­gi­vi­te ou pi­orréia, es­ta do­ença ocor­re quan­do um ou mais dos te­ci­dos que compõem o pe­ri­o­don­to são afe­ta­dos . O pe­ri­o­don­to ( pe­ri = em re­dor de; odon­to = den­te ), com­pre­en­de os se­guin­tes te­ci­dos: a gen­gi­va, o li­ga­men­to pe­ri­o­don­tal ( fi­bras que unem o den­te ao os­so ), o ce­men­to ra­di­cu­lar ( te­ci­do que re­co­bre a raiz ) e os­so al­ve­o­lar ( te­ci­do que sus­ten­ta o den­te ). Você po­de per­der seus den­tes de­vi­do à do­ença pe­ri­o­don­tal.

O QUE CAU­SA A DO­ENÇA PE­RI­O­DON­TAL ?

Es­ta do­ença é pro­vo­ca­da pe­la pla­ca bac­te­ri­a­na, que é uma pelícu­la ou um agre­ga­do de bactéri­as que ade­re ao den­te ou às es­tru­tu­ras sóli­das das bo­ca. Se es­ta pla­ca não é re­mo­vi­da di­a­ri­a­men­te com es­co­va e foi/fi­ta den­tal, ela se tor­na uma substância du­ra, áspe­ra e po­ro­sa co­nhe­ci­da co­mo cálcu­lo ou tárta­ro dentário. As to­xi­nas pro­du­zi­das pe­las bactéri­as na pla­ca imi­tam a gen­gi­va, le­van­do à in­fla­mação; es­tas to­xi­nas des­tro­em os te­ci­dos de su­por­te ao re­dor dos den­tes, for­man­do bol­sas que são pre­en­chi­das por mais pla­ca, cau­san­do a do­ença pe­ri­o­don­tal, re­sul­tan­do em san­gren­to gen­gi­val, per­da do os­so al­ve­o­lar ( que sus­ten­ta o den­te ), mau háli­to e, co­ma pro­gressão, per­da do den­te. So­men­te um den­tis­ta po­de di­ag­nos­ti­car do­ença da gen­gi­va, por is­so é im­por­tan­te que você faça vi­si­tas re­gu­la­res, in­cluin­do sem­pre um exa­me pe­ri­o­don­tal com son­da­gem em to­dos os den­tes.

O QUE PO­DE ME LE­VAR A ACRE­DI­TAR QUE EU TE­NHO DO­ENÇA PE­RI­O­DON­TAL?

Os si­nais de pro­ble­mas na gen­gi­va são:

  • San­gra­men­to na gen­gi­va
  • Gen­gi­va ver­me­lha, in­cha­da ou do­lo­ri­da
  • Mau háli­to per­sis­ten­te
  • Pre­sença de pus en­tre as gen­gi­vas
  • Mo­bi­li­da­de ou afas­ta­men­to dos den­tes
  • Mu­dança da ma­nei­ra co­mo os den­tes se en­cai­xam ao fe­char a bo­ca
  • Mu­dança na ma­nei­ra de en­cai­xar de uma den­ta­du­ra par­ci­al

No en­tan­to, você po­de ter a do­ença pe­ri­o­don­tal e não Ter ne­nhum des­tes sin­to­mas, daí a im­portância da vi­si­ta re­gu­lar ao den­tis­ta

CO­MO EVI­TAR A DO­ENÇA PE­RI­O­DON­TAL?

Você po­de pre­ve­nir a do­ença pe­ri­o­don­tal re­mo­ven­do a pla­ca bac­te­ri­a­na den­tal ao es­co­var e pas­sar fio/fi­ta den­tal to­dos os di­as. Con­fi­ra com seu den­tis­ta se sua ma­nei­ra de es­co­var os den­tes es­ta cor­re­ta. Lim­pe­za pro­fis­si­o­nal, com um den­tis­ta ou hi­gi­e­nis­ta, po­de ser ne­cessária por­ta­dor pe­lo me­nos du­as ve­zes ao ano. Se você es­ta em tra­ta­men­to pa­ra do­ença pe­ri­o­don­tal po­dem ser ne­cessári­as vi­si­tas mais freqüen­tes.

DE­VO DI­ZER AO DEN­TIS­TA QUE SOU HIV PO­SI­TI­VO?

Ao vi­si­tar o den­tis­ta, você de­ve in­for­mar sua con­dição de por­ta­dor de HIV e for­ne­cer in­for­mações cla­ras e atu­ais a res­pei­to de sue es­ta­do de saúde, in­cluin­do re­sul­ta­dos de exa­mes la­bo­ra­to­ri­ais e o uso de me­di­ca­men­tos.

EXIS­TE AL­GU­MA DI­FE­RENÇA NO MEU TRA­TA­MEN­TO POR­QUE EU SOU HIV PO­SI­TI­VO?

Na in­fecção por HIV tem si­do ob­ser­va­do um ti­po de do­ença pe­ri­o­don­tal mais agres­si­vo e re­sis­ten­te ao tra­ta­men­to, mas, na mai­o­ria das ve­zes você será tra­ta­do da ma­nei­ra con­ven­ci­o­nal. es­te tra­ta­men­to con­sis­te da re­moção da pla­ca e cal­cu­lo dentário e ali­sa­men­to da su­perfície den­ta­ria. Nos ca­sos mais avançados, e de acor­do com o es­ta­do de sua bo­ca, po­de ser ne­cessário ci­rur­gia e ou­tras mo­da­li­da­des de tra­ta­men­to.

candidiase bucalO QUE É CAN­DIDÍASE BU­CAL?

Mais co­mu­men­te co­nhe­ci­da co­mo “sa­pi­nho”, es­ta lesão é cau­sa­da por fun­gos.

A can­didíase é vis­ta mais freqüen­te­men­te co­mo uma pla­ca bran­ca ou bran­co – ama­re­la­da, que po­de ser re­mo­vi­da por ras­pa­gem, dei­xan­do uma área ver­me­lha ou com san­gra­men­to. Po­de ser en­con­tra­da em qual­quer lu­gar da bo­ca e nor­mal­men­te não cau­sa dor.

EXIS­TEM OU­TRAS FOR­MAS DE CAN­DIDÍASE?

A can­didíase po­de se apre­sen­tar de ou­tras ma­nei­ras, co­mo can­didíase eri­te­ma­to­sa, uma área aver­me­lha­da no céu da bo­ca ( pa­la­to ) e na língua, ou co­mo pon­tos aver­me­lha­dos na par­te in­ter­na da bo­che­cha, e co­mo uma ou­tra lesão cha­ma­da que­li­te an­gu­lar, que são fis­su­ras ou ra­cha­du­ras nos can­tos da bo­ca que po­dem es­tar as­so­ci­a­das a úlce­ras, ver­me­lhidão e pla­cas bran­cas. Nor­mal­men­te cau­sa odor ao abrir a bo­ca.

QUAL A CAU­SA DO APA­RE­CI­MEN­TO DE UL­CE­RAS NA BO­CA DE UM PA­CI­EN­TE HIV PO­SI­TI­VO?

Es­te ti­po de fe­ri­da na bo­ca de um pa­ci­en­te por­ta­dor de HIV po­de Ter mui­tas cau­sas, den­tre elas: · Po­de ser uma af­ta · Po­de ser uma úlce­ra cau­sa­da pe­lo próprio vírus HIV ou ou­tros vírus Mas po­de ser uma lesão mais agres­si­va, co­mo um câncer na bo­ca; por is­so você tem que es­tar aten­to pa­ra to­da fe­ri­da em sua bo­ca que não ci­ca­tri­ze em 15 di­as. Se is­so não acon­te­cer você de­ve pro­cu­rar um den­tis­ta ou seu me­di­co.

foto-de-herpes-labialHER­PES SIM­PLES

Exis­tem va­ri­os ti­pos de vírus que po­dem in­fec­tar um in­divíduo, den­tre es­tes, a in­fecção pe­lo vírus her­pes sim­ples é uma das mais co­muns. Na bo­ca es­ta in­fecção apre­sen­ta tres for­mas:

Exis­tem va­ri­os ti­pos de vírus que po­dem in­fec­tar um in­divíduo, den­tre es­tes, a in­fecção pe­lo vírus her­pes sim­ples é uma das mais co­muns. Na bo­ca es­ta in­fecção apre­sen­ta tres for­mas:

Uma for­ma co­mum de apre­sen­tação con­sis­te de vesícu­las, prin­ci­pal­men­te no lábio in­fe­ri­or, pre­ce­di­das de uma área aver­me­lha­da, do­lo­ri­da, co­nhe­ci­da co­mo her­pes la­bi­al re­cor­ren­te. Es­tas vesícu­las se rom­pem e dei­xam re­giões ul­ce­ra­das, co­ber­tas por cros­tas, mui­to do­lo­ro­sas e per­sis­ten­tes. No pa­ci­en­te com AIDS as re­corrênci­as po­dem tor­nar – se mais freqüen­tes, com lesões mai­o­res e de mai­or du­ração.

Pe­que­nas ve­si­cu­las que se rom­pem e for­mam pe­que­nas úlce­ras que po­dem se unir e for­mar uma úlce­ra mai­or, de con­tor­no ir­re­gu­lar

Em in­divídu­os mais jo­vens e cri­anças, quan­do do con­ta­to ini­ci­al com o vírus, po­de ocor­rer, al­gu­mas ve­zes, um qua­dro se­ve­ro de aco­me­ti­men­to da mu­co­sa bu­cal, que vem acom­pa­nha de fe­bre al­ta e é co­nhe­ci­do co­mo es­to­ma­ti­te herpéti­ca primária. No pa­ci­en­te in­fec­ta­do pe­lo HIV po­de se apre­sen­tar de ma­nei­ra mais agres­si­va e dis­se­mi­na­da em to­da a bo­ca e em qual­quer ida­de.

Uma for­ma co­mum de apre­sen­tação con­sis­te de vesícu­las, prin­ci­pal­men­te no lábio in­fe­ri­or, pre­ce­di­das de uma área aver­me­lha­da, do­lo­ri­da, co­nhe­ci­da co­mo her­pes la­bi­al re­cor­ren­te. Es­tas vesícu­las se rom­pem e dei­xam re­giões ul­ce­ra­das, co­ber­tas por cros­tas, mui­to do­lo­ro­sas e per­sis­ten­tes.

No pa­ci­en­te com AIDS as re­corrênci­as po­dem tor­nar – se mais freqüen­tes, com lesões mai­o­res e de mai­or du­ração.

Pe­que­nas ve­si­cu­las que se rom­pem e for­mam pe­que­nas úlce­ras que po­dem se unir e for­mar uma úlce­ra mai­or, de con­tor­no ir­re­gu­lar.

Em in­divídu­os mais jo­vens e cri­anças, quan­do do con­ta­to ini­ci­al com o vírus, po­de ocor­rer, al­gu­mas ve­zes, um qua­dro se­ve­ro de aco­me­ti­men­to da mu­co­sa bu­cal, que vem acom­pa­nha de fe­bre al­ta e é co­nhe­ci­do co­mo es­to­ma­ti­te herpéti­ca primária. No pa­ci­en­te in­fec­ta­do pe­lo HIV po­de se apre­sen­tar de ma­nei­ra mais agres­si­va e dis­se­mi­na­da em to­da a bo­ca e em qual­quer ida­de.

LEU­CO­PLA­SIA PI­LO­SALEU­CO­PLA­SIA PI­LO­SA

É ou­tra lesão cau­sa­da por um vírus, cha­ma­do Vírus Eps­tein Barr. Apre­sen­ta – se co­mo uma lesão bran­ca, de su­perfície cor­ru­ga­da na bor­da la­te­ral da língua, não re­movível à ras­pa­gem. A pre­sença des­ta lesão na bo­ca de um pa­ci­en­te in­fec­ta­do pe­lo HIV re­pre­sen­ta um indício de com­pro­me­ti­men­to imu­nológi­co.

O QUE É HER­PES ZOS­TER OU CO­BREI­RO?

Es­ta do­ença é cau­sa­da por um vírus de­no­mi­na­do vírus va­ri­ce­la – zos­ter ( VHZ ). A in­fecção primária com es­te vírus é de­no­mi­na­da ca­ta­po­ra, a re­a­ti­vação des­te vírus ma­ni­fes­ta – se cli­ni­ca­men­te co­mo her­pes zos­ter. Quan­do aco­me­te a bo­ca, nor­mal­men­te ocor­re co­mo pe­que­nas ul­ce­rações, prin­ci­pal­men­te no pa­la­to ou língua, e ca­rac­te­ris­ti­ca­men­te acom­pa­nha um ra­mo de um ner­vo sen­si­ti­vo, não ul­tra­pas­san­do a li­nha média da re­gião aco­me­ti­da.

O QUE É DO­ENÇA POR CI­TO­ME­GA­LOVÍRUS ( CMV )?

CI­TO­ME­GA­LOVÍRUSEs­te vírus cau­sa di­ver­sas in­fecções ( ver in­fecções opor­tu­nis­tas ); mas, na bo­ca, po­de ocor­rer em qual­quer lu­gar, sen­do par­ti­cu­lar­men­te críti­co quan­do ocor­re na gen­gi­va, pois po­de si­mu­lar uma do­ença pe­ri­o­don­tal. O di­agnósti­co rápi­do e pre­ci­so é ne­cessário, pois a mo­da­li­da­de de tra­ta­men­to é com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te da do­ença pe­ri­o­don­tal de ori­gem bac­te­ri­a­na pre­vi­a­men­te des­cri­ta.

O QUE É DO­ENÇA POR PA­PI­LO­MA VÍRUS HU­MA­NO?

Po­de se apre­sen­tar cli­ni­ca­men­te de vári­as for­mas, são as lesões co­nhe­ci­das co­mo pa­pi­lo­mas, con­di­lo­mas e ver­ru­gas. Lesões ele­va­das ou pla­nas, de su­perfície bran­ca, úni­cas ou múlti­plas, que po­dem ocor­rer em qual­quer lu­gar da bo­ca. O con­di­lo­ma acu­mi­na­do m( ver­ru­gas venére­as ) cos­tu­ma ser múlti­plo, po­de ocor­rer em qual­quer lu­gar da bo­ca e es­ta freqüen­te­men­te as­so­ci­a­do a lesões ge­ni­tais.

Kaposi’s_sarcoma_intraoral_AIDS_072_loresO QUE É SAR­CO­MA DE KA­PO­SI?

É um ti­po de tu­mor, o mais co­mum em pa­ci­en­tes com AIDS. As lesões po­dem se apre­sen­tar co­mo man­chas iso­la­das ou múlti­plas, de cor ver­me­lha ou vi­olácea. Po­dem se apre­sen­tar tam­bem co­mo um nódu­lo ou tu­mor ( au­men­to de vo­lu­me do te­ci­do ), va­ri­an­do de ta­ma­nho e cor. Os lu­ga­res mais co­muns são o pa­la­to e de­pois a gen­gi­va. As lesões da bo­ca po­dem in­di­car o com­pro­me­ti­men­to de ou­tras re­giões do cor­po. Ou­tros tu­mo­res de ori­gem bac­te­ri­a­na, fúngi­ca, ou viróti­ca po­dem aco­me­ter um pa­ci­en­te in­fec­ta­do pe­lo HIV ou com AIDS.

CO­MO POS­SO FA­ZER PA­RA SA­BER SE TE­NHO AL­GU­MA DES­TAS LESÕES?

Fa­zen­do o au­to exa­me da bo­ca e pro­cu­ran­do seu den­tis­ta re­gu­lar­men­te ou quan­do sen­tir qual­quer fe­ri­da ou au­men­to de vo­lu­me ou in­chaço na bo­ca. O au­to exa­me é sim­ples e a própria pes­soa po­de fa­zer di­an­te de um es­pe­lho em um lo­cal bem ilu­mi­na­do. Sua fi­na­li­da­de é iden­ti­fi­car lesões pre­cur­so­ras de câncer de bo­ca e qual­quer ou­tra lesão que apa­reça em sua bo­ca. Através des­te exa­me você po­de iden­ti­fi­car al­te­rações na cor da mu­co­sa de sua bo­ca, co­mo áre­as mais bran­cas ou ver­me­lhas, as quais no ini­cio de sua evo­lução não cos­tu­mam apre­sen­tar sin­to­mas ou des­con­for­to e são im­por­tan­tes no di­agnósti­co pre­co­ce de do­enças.

CO­MO FA­ZER O AU­TO EXA­ME DA BO­CA?

DE FREN­TE PA­RA O ES­PE­LHO, OB­SER­VE A PE­LE DO ROS­TO E PES­COÇO. VE­RI­FI­QUE SE EN­CON­TRA AL­GUM SI­NAL QUE VOCÊ NÃO TE­NHA VIS­TO AN­TES.

PU­XE, COM OS DE­DOS, O LÁBIO IN­FE­RI­OR PA­RA BAI­XO, EXI­BIN­DO A PAR­TE IN­TER­NA, EM SE­GUI­DA APALP0E TO­DO O LÁBIO.

COM A PON­TA DO DE­DO IN­DI­CA­DOR AFAS­TE A BO­CHE­CHA PA­RA EXA­MI­NAR A PAR­TE IN­TER­NA. FAÇA IS­SO DOS DOIS LA­DOS.

COM O DE­DO IN­DI­CA­DOR, PER­COR­RA TO­DA A GEN­GI­VA SU­PE­RI­OR E IN­FE­RI­OR.

IN­TRO­DU­ZA O DE­DO IN­DI­CA­DOR POR BAI­XO DA LÍNGUA E O PO­LE­GAR POR BAI­XO DO QUEI­XO E PRO­CU­RE APAL­PAR TO­DO O “AS­SO­A­LHO” DA BO­CA.

IN­CLI­NE A CA­BEÇA PA­RA TRÁS E, ABRIN­DO A BO­CA AO MÁXI­MO POSSÍVEL, OLHE ATEN­TA­MEN­TE O PA­LA­TO ( CÉU DA BO­CA ). APAL­PE – O COM O DE­DO IN­DI­CA­DOR. EM SE­GUI­DA DI­GA Ã Ã Ã… E OB­SER­VE O FUN­DO DE SUA GAR­GAN­TA.

PO­NHA LÍNGUA PA­RA FO­RA E OB­SER­VE A PAR­TE DE CI­MA. OLHE NO­VA­MEN­TE COM A LIN­GUA LE­VAN­TA­DA ATE O PA­LA­TO. EM SE­GUI­DA, PU­XAN­DO A LÍNGUA PA­RA A ES­QUER­DA, OB­SER­VE O LA­DO ES­QUER­DO DA MES­MA. RE­PI­TA O PRO­CE­DI­MEN­TO PA­RA O LA­DO DI­REI­TO

ES­TI­QUE A LÍNGUA PA­RA FO­RA, SE­GU­RAN­DO COM UM PE­DAÇO DE GA­ZE OU PA­NO E APAL­PE EM TO­DA A SUA EX­TENSÃO COM OS DE­DOS IN­DI­CA­DOR E PO­LE­GAR DA OU­TRA MÃO.

EXA­MI­NE O PES­COÇO. COM­PA­RE OS LA­DOS DI­REI­TO E ES­QUER­DO DO PES­COÇO E VE­JA SE HÁ DI­FE­RENÇA EN­TRE ELES. DE­POIS, COM A MÃO DI­REI­TA, EXA­MI­NE O LA­DO ES­QUER­DO DO PES­COÇO. RE­PI­TA O PRO­CE­DI­MEN­TO PA­RA O LA­DO DI­REI­TO, APAL­PAN­DO COM A MÃO ES­QUER­DA. VE­JA SE EXIS­TEM CA­ROÇOS OU ÁRE­AS EN­DU­RE­CI­DAS.

IN­TRO­DU­ZA O PO­LE­GAR POR DE­BAI­XO DO QUEI­XO E APAL­PE SU­A­VE­MEN­TE TO­DO O SEU CON­TOR­NO IN­FE­RI­OR.

Tex­to re­vi­sa­do por Ama­ri­lis In Me­mo­ri­an

http://soropositivo.org/wp-content/uploads/2009/06/VQ2aEp9PIMs?list=PL6921D559B31C423F&hl=en_US

Anúncios

Olha só pessoal.

No início do post tem uma imagem com um texto falando sobre o trabalho e os custos que a gente tem. Você que está me lendo agora, pode e tem o direito de não acreditar.

No mês de mais, quando mais de quarenta mil visitas foram registradas, houve três cooperações.

Quando nós pedimos cooperação financeira, qualquer valor é bom.

Sabe, o beija-flor pode carregar uma diminuta gota d’água em seu bico, no afã de apagar o incêndio na floresta….

E nunca será insuficiente 😊

Está conta serve para transferências de qualquer banco ou depósitos na boca do caixa de qualquer agência do Santander

Esta conta não permite, senhores abusadores, que seja feito nada a título de débito nela.

Você não poderá, como já pôde, assinar 65 revistas de uma só editora e, muito menos abrir contas de acesso à Internet 🙂

Precisa conversar

Whats App Soropositivo.Org

Estamos aqui para ajudar a pensar, não para diagnosticar. Não somos médicos ou profisionais de saúde. Buscamos ajudar com palavras amigas, conforto espiritual e, na medida do possível, terminar com a neurose gerada por bloqueiros de meia pataca ou homofóbicos sem caráter que não pensam duas vezes antes de espalhar terros entre pessoas que, quer eles, os homofóbicos, queiram ou não, são seres humanos. Tenha em mente que o numero do WhatsApp esta conectado a um CPF

A PEP é um direito de todos! Saiba onde a achar

A PEP é um direito de Todos

A PEP É um DIREITO DEDOS

[EIKYGMrz]

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico 2013/2014

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico
%d blogueiros gostam disto: