Diagnosticado Com HIV – Como Lidar Com Isso? Como Enfrentar

0

[cz_title id=”cz_70465″ sk_h2=”color:#3f51b5;”]Diagnosticado com HIV, pessoas vivem com HIV podem ser felizes. Se você acabou de passar por isso, ou mesmo se lide com a situação há anos, sempre é bom poder contar com algumas dicas a respeito de como lidar com o HIV, esta coisa. É por isso que traduzi este texto intituldo

Diagnosticado Com HIV? — Dicas De Enfrentamento E Convivência

[/cz_title][cz_gap]

Graças a avanços no tratamento, as pessoas diagnosticadas e tratadas para HIV nas fases iniciais da infecção pode viver normal a expectativa de vida quase normais. Mesmo sendo tratados pela primeira vez durante os estágios avançados conseguem controlar o vírus e evitar muitas infecções oportunistas1graves e algumas potencialmente fatais.

Apesar desses avanços, viver com HIV ainda tem seus desafios, tanto físicos quanto emocionais. Também pode haver problemas para lidar com as finanças ou encontrar cuidados adequados. Essas questões podem ser ainda mais impactantes para aqueles que vivem em comunidades com recursos limitados ou enfrentam altos níveis de estigma e isolamento.

Este artigo analisa em profundidade muitas dessas preocupações e o que as pessoas podem fazer não apenas para lidar com o HIV, mas também para viver uma vida plena — com o que hoje é uma condição crônica e controlável.

 

[cz_gap]

Diagnosticado com HIV e o Estado Emocional

Apesar dos avanços recentes no tratamento, ser diagnosticado com HIV pode ser devastador. Mesmo após aceitar o diagnóstico e iniciar o tratamento, a ansiedade e a depressão são não apenas possíveis, mas comuns.2 Você pode não apenas estar preocupado com sua saúde e futuro, mas pode se sentir estressado sobre como o HIV pode afetar as pessoas ao seu redor.

Todos esses sentimentos são normais e pode levar algum tempo para processá-los totalmente. Felizmente, existem etapas que você pode seguir para lidar melhor com isso.

Educar-se

Mitos e concepções errôneas sobre o HIV são abundantes. Eles não apenas impedem as pessoas de buscarem os cuidados específicos para o HIV de que precisam, mas também podem fazer com que tenham medo de revelar sua condição sorológica a outras pessoas.

Quando diagnosticado com HIV, a melhor maneira de superar esses medos é educar-se. Isso começa com a compreensão de que:

  • HIV não é a mesma coisa que AIDS.
  • HIV não é (não mais) uma sentença de morte.1 Os
  • Os medicamentos para HIV têm efeitos colaterais, mas não são “tóxicos”.
  • Você pode engravidar e ter filhos se tiver HIV.3
  • Você pode evitar infectar outras pessoas fazendo tratamento para o HIV.4

O problema inicial de ser diagnosticado com HIV é que muitas pessoas e comunidades se apegam a mitos sobre o HIV que não são verdadeiros. É somente educando-se para você possa começar a educar os outros. Isso pode não apenas mudar as atitudes, mas também ajudá-lo a construir uma rede de apoio na qual você pode recorrer e confiar.

[cz_gap]

Mitos do HIV na comunidade negra

As teorias de conspiração sobre o HIV — incluindo como o vírus foi criado para matar afro-americanos — levaram a taxas mais baixas de tratamento e supressão viral entre pessoas negras com HIV. Isso explica, em parte, por que 43% de todas as novas infecções ocorrem entre negros.5 Pessoas que vivem com HIV e são negras acabam encontrando dificuldades duplicadas, ou multiplicadas ad infinitum por conta de desinformação e preconceito

Responsabilidade e Compromisso Com Seu Tratamento

As pessoas costumam dar crédito a seus médicos ou medicamentos por mantê-los vivos e saudáveis. Mas, a verdade é que existe uma pessoa que, no final das contas, dá as cartas quando se trata de tratar o HIV — e essa pessoa é você.

No final, é você quem é responsável por tomar seus medicamentos todos os dias, conforme prescrito. É você quem agenda consultas de acompanhamento e faz o exame de sangue na hora certa. É você quem reabastece suas receitas para não ficar sem medicamentos.

Ao assumir o controle do seu tratamento, você não apenas se sentirá mais no controle, mas também será mais capaz de participar das decisões do tratamento. Comece aprendendo os nomes dos seus medicamentos anti-retrovirais, como são tomados e quais os efeitos colaterais que podem causar. Além disso, aprenda o que são a contagem de CD4 e a carga viral e como decifrar seus exames de sangue de rotina.

Ao fazer isso, você pode se tornar o mestre de sua doença, e não o contrário.

 Seu guia essencial para a terapia do HIV como

Diagnosticado Com HIV — Como Lidar com a depressão

A depressão afeta mais de 10 milhões de americanos a cada ano, e estima-se que 1 em cada 4 adultos terá pelo menos um episódio depressivo na vida. Por mais preocupantes que sejam essas estatísticas, as pessoas com HIV correm um risco três a quatro vezes maior de depressão do que a população em geral.6

Sentimentos intensos de tristeza, raiva, pesar ou culpa são comuns após um diagnóstico de HIV. É importante aceitar esses sentimentos e trabalhá-los com pessoas que você ama e / ou profissionais de saúde treinados em HIV (como conselheiros ou terapeutas).

Também é importante reconhecer os sintomas de depressão e evitar comportamentos que possam piorar os sintomas, como o uso de álcool ou drogas recreativas.

Se você não conseguir lidar com isso, não fique em silêncio. Peça ao seu médico um encaminhamento para terapeutas licenciados, como um psicólogo ou psiquiatra, que podem oferecer aconselhamento individual ou em grupo. Também estão disponíveis medicamentos para tratar a ansiedade ou a depressão, se necessário.

HIV e depressão entre HSH

Estudos sugerem que 1 em cada 3 homens que fazem sexo com homens (HSH) com HIV apresenta sintomas de depressão. Embora o estigma, a homofobia e o sigilo tenham um papel nisso, aqueles com cargas virais mais altas parecem ter um risco aumentado de depressão, enquanto aqueles com carga viral indetectável parecem ter taxas mais baixas de depressão.6 

Cuidados com Seu Corpo 

Viver com HIV é mais que ser tratado com pílulas e apenas pílulas. Viver com o HIV exige que você se mantenha saudável não apenas para evitar infecções relacionadas ao HIV, mas também doenças não associadas ao HIV.

Hoje, as pessoas que vivem com HIV têm maior probabilidade de morrer de doenças cardíacas ou câncer do que do próprio vírus. Como o HIV coloca o corpo sob persistente inflamação crônica, as pessoas com HIV tendem a desenvolver essas e outras doenças 10 a 15 anos antes que a população em geral.7

Para reduzir o risco, há várias coisas que você deve fazer:

Vacinação 

A prevenção é a chave para evitar infecções quando você tem HIV. A vacinação é uma das melhores maneiras de fazer isso e algo que todos com HIV são aconselhados a fazer.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) recomendam as seguintes vacinas para todas as pessoas que vivem com HIV:8

Certas vacinas podem precisar ser evitadas se a sua contagem de CD4 estiver abaixo de 200. Fale com o seu médico.8

Manter a forma física

Ao ser diagnosticado com HIV você precisa se conscientizar que o exercício regular é recomendado para todos, mas é especialmente importante para pessoas que vivem com HIV. Um plano de condicionamento físico de rotina pode reduzir o risco de complicações associadas ao HIV, como doenças cardíacas e osteopenia (perda mineral óssea). Pode elevar o humor e os níveis de energia, diminuir a pressão arterial, aumentar a densidade óssea e reduzir o risco de aterosclerose (endurecimento das artérias).9

O Departamento de Saúde e Serviços Humanos recomenda as seguintes metas de condicionamento físico para todas as pessoas que vivem com HIV:9

  • Pelo menos 150 a 300 minutos por semana de atividade aeróbica de intensidade moderada, como ciclismo, caminhada rápida ou dança rápida.
  • Pelo menos dois dias por semana dedicada a exercícios de fortalecimento muscular, como levantamento de peso ou flexões

 9 Dicas de Envelhecimento Saudável para Pessoas com HIV

Parando com Cigarros

Estudos mostraram que pessoas com HIV têm duas vezes mais probabilidade de serem fumantes que aquelas sem (42% versus 21% respectivamente). Isso explica porque os fumantes com HIV têm o dobro do risco de doença cardíaca aguda e um risco 14 vezes maior de câncer de pulmão em comparação com a população em geral.10

Estudos mostraram que fumar continua sendo o maior fator de risco para doenças e morte em pessoas com HIV, reduzindo a expectativa de vida em 12,3 anos em comparação com não fumantes com HIV.10

Parar de fumar é a única maneira de contornar essa estatística preocupante. Fale com seu médico para encontrar ferramentas para parar de fumar para ajudá-lo em sua jornada.

HIV e doenças cardíacas entre pessoas negras

Uma revisão de estudos de 2017 concluiu que pessoas negras com HIV têm um risco 26% maior de doenças cardiovasculares do que brancos com HIV. Isso destaca a necessidade de intervenções agressivas para reduzir o risco de ataque cardíaco e derrame em pessoas negras que vivem com HIV.11

Diagnosticado com HIV E O Aspecto Social

Os medos e ansiedades associados ao HIV podem aumentar o risco de isolamento que, no que lhe concerne, pode aumentar o risco de depressão e baixa adesão aos medicamentos. Estender a mão para outras pessoas não apenas ajuda você a manter uma perspectiva positiva, mas também pode melhorar sua adesão.12

Encontrando Apoio Após Ser Giagnosticado Com HIV

Construir uma rede de apoio forte pode ajudar a fortalecer seu bem-estar emocional, especialmente se você acabou de ser diagnosticado. Frequentemente, amigos e familiares são as primeiras pessoas a quem você possa recorrer, com quem realmente possa contar — embora às vezes possa ser difícil revelar sua condição de HIV.

 

Bem sei como foi isso para mim. Mas um dos piores momentos foi o de contar ao meu pai. Ele me disse, dentre outras coisas:

-”Quando eu ia à zona, depois, lavava o pau”!

Como responder a esta declaração?

Para este fim, você também pode buscar o apoio de sua equipe médica ou encontrar um grupo de apoio ao HIV em sua área, ou online. As fontes para grupos de apoio incluem:

  • Seu médico
  • Programas de HIV baseados na comunidade Centros LGBT + 
  • Se você é heterossexual, bem, não conheço nenhuma organização que faça o mesmo!
  • Igrejas, sinagogas ou outras organizações religiosas. 
  • Comunidades no Facebook. Criei uma fan page deste blog, ela tem pouco mais de 3700 cadastrados. Você pode conhecê-la aqui. 
Superando o Estigma

Embora a conscientização pública sobre o HIV tenha melhorado, ainda há estigma associado à doença em muitas comunidades. Na cabeça de algumas pessoas, o HIV é sinônimo de promiscuidade, infidelidade e irresponsabilidade. Essas crenças prejudiciais não apenas colocam as pessoas em risco de discriminação e abandono, mas também sugerem que, de alguma forma, elas são “culpadas” por serem infectadas.

Superar o estigma não é fácil, mas existem várias ferramentas que podem ajudar

Você também deve considerar a possibilidade de revelar sua sorologia para o HIV apenas a pessoas em quem você confia. Embora nem sempre seja possível prever como as pessoas reagirão, ter amigos ao seu lado pode ajudar a aumentar a sua confiança e fornecer-lhe aliados em caso de conflito. Observe, no entanto, que esta decisão deve ser sua e apenas sua. E é sempre bom sondar a pessoa em diferentes estratégias e oportunidades antes de declarar-se portador de HIV

Educando a si mesmo e a outras pessoas, você pode ajudar a dissipar alguns dos mitos que cercam a doença e a superar quaisquer sentimentos injustificados de vergonha ou culpa.

Diagnosticado com HIV – O Enfrentamento Do Estigma do HIV Entre os HSH negros

Além das vulnerabilidades físicas à infecção, os HSH negros enfrentam altos níveis de pobreza, desemprego, encarceramento, homofobia e estigma relacionado ao HIV. Juntas, estima-se que essas vulnerabilidades aumentem o risco de HIV ao longo da vida para não menos que 50% em negros HSH.14

Namoro e Relacionamentos

Pessoas que vivem com HIV possam ter uma vida sexual saudável, o namoro pode ser extremamente estressante. Dizer a um amigo próximo que você tem HIV é uma coisa; compartilhar essas informações com um interesse romântico é uma questão totalmente diferente.

Se a perspectiva de revelar sua condição de HIV parece assustadora, dê um passo para trás e eduque-se sobre sexo seguro e o risco dedo transmissão HIV. Ao fazer isso, você estará mais bem equipado para abordar o assunto com confiança, em vez de constrangimento. Mesmo que seu parceiro decida contra um relacionamento sexual, você terá pelo menos removido os rótulos de “culpa” da conversa.

Também é importante compreender que, ao sustentar uma carga viral indetectável, o risco de infectar outras pessoas é reduzido a zero.4 

Embora a ciência possa comprovar tal fato eu, Cláudio, com o conhecimento de tudo o que passei e tudo o que o HIV pode fazer a uma pessoa, jamais me utilizaria deste recurso, quase um subterfúgio, para não usar preservativos. As pessoas vivem com HIV, mas suas saúdes são um pouco mais complicads, frágeis…

Seu parceiro sexual também pode se proteger tomando profilaxia pré-exposição ao HIV (PrEP). Esta estratégia preventiva pode reduzir o risco de contrair o HIV em até 99% se for tomada diariamente conforme prescrito.15

Diagnosticado Com HIV, o aspecto prático

Mesmo que você se recupere emocionalmente e se sinta otimista quanto a viver com o HIV, as pessoas que vivem com HIV ainda pode enfrentar dificuldades práticas e financeiras. Embora isso possa ocorrer com qualquer condição crônica, o estresse associado ao HIV pode ser considerável devido ao alto custo do tratamento. Nos EEUU e em boa parte do mundo a pessoa arca com o tratamento. Nossa Constituição diz que a Saúde é um Direito do Povo e um Dever do Estado. Embora apareça, esporadicamente, algum político que tente nos tomar isso, É UM DIREITO NOSSO E TENHAM EM MENTE QUE NÓS, PESSOAS VIVENDO COM HIV NÃO SOMOS UMA DESPESA. Despesa inútil é ver um político recebendo dez salários mínimos, e muito mais, para, no fim das contas, militar em causa própria, legislar a beneficio de seus interesses pessoais e do grupo ao qual ele pertence. estes são P A R A S I T A S, despesas injustificáveis, gigolôs da Pátria

Encontrar o médico certo

Há muitas coisas a se observar ao procurar um especialista em HIV. Idealmente, eles agirão como um parceiro sob seus cuidados. Eles estarão abertos para discutir opções de tratamento com você e conseguirão transmitir informações em uma linguagem clara e compreensível. 

Para encontrar um especialista em HIV, entre em contato com o hospital local, ligue para agências de serviço de HIV/AIDS em sua área e peça recomendações a outras pessoas com HIV. Quando se encontrar com o médico, certifique-se de perguntar sobre o tamanho de sua prática de HIV, quais serviços eles oferecem, quanto tempo leva para conseguir uma consulta e quem realmente irá atendê-lo durante os acompanhamentos de rotina.

Também é importante conhecer seus direitos como paciente, incluindo como sua privacidade é protegida e com quem suas informações médicas são compartilhadas.

Se você descobre que tem HIV precisa entender que as pessoas vivem com HIV e podem ser felizes!

https://soropositivo.org/sexualidade-e-hiv/

Pagar pelos cuidados do HIV
Esta é uma realidade que não é nossa. Deixo-a para vocês poderem refletir

Pessoas que vivem com HIV nos Estados Unidos precisam pagar pelos cuidados do HIV pode ser uma tarefa considerável, mesmo com seguro. Mesmo se você conseguir encontrar um plano com uma baixa franquia e um baixo prêmio mensal, ainda poderá enfrentar altos custos em co pagamentos ou custos de seguros compartilhados com a seguradora.

Pessoas vivem com HIV no Brasil e encontram uma infinidade de problemas, dificuldades, obstáculos sociais quase que instransponíveis, mas vivem. O tratamento, um direito nosso, tem de ser o foco primário de nossas atenções em um momento político de negação da ciência, em um contexto onde nossos “principais governantes” passeiam enquanto pessoas morrem em consequência de desastres naturais cada vez mais agravados, ou ficam desabrigadas. Precisamos manter a disposição para a luta.

Quando me vi diagnosticado pelo HIV descobri que só havia um caminho: luta.  Pessoas vivem com HIV, é verdade, mas existe a luta cotidiana para viver muito e viver bem!

Foi a luta de pessoas com HIV na metade da década de 90, do Século XX, que garantiram os tratamentos. Não se acomode, não creia que a vida com HIV é aquilo que aparece em mídias sociais, onde impera a Ditadura do “Politicamente Correto” na criação de uma sociedade frágil, onde o eufemismo é uma necessidade e felicidade é obrigação. Ao ser diagnosticado por HIV você precisa, no mínimo, despertar para a realidade. Não se permita a entrar em um mundo de fantasia. Pessoas viem com HIV, mas não é um passeio à praça.

A realidade das pessoas que estão vivendo com HIV na atualidade pouco difere, muito pouco, da realidade que eu enfrentei, com a diferença muito feliz de termos centros de tratamento para pessoas com HIV similares às de quaisquer clínicas e não cenário de guerra que eu, pessoalmente, vi.

Não sou amargo, como alguns gostam de dizer. Opto pelo realismo e foi o realismo que me auxiliou a seguir, um dia de cada vez, por anos e anos sem possibilidade alguma de tratamento. E, naturalmente, contei com a ajuda de Deus.

Sobreviventes De Longo Prazo Uni-Vos

Fontes:

 

  1. Marcus JL, Chao CR, Leyden WA, et al. Narrowing the gap in life expectancy between HIV-infected and HIV-uninfected individuals with access to careJ Acquir Immun Defic Synd. 2016;73(1):39-46. doi:10.1097/QAI.0000000000001014
  2. Bhatia MS, Munjal S. Prevalence of depression in people living with HIV/AIDS undergoing ART and factors associated with itJ Clin Diagn Res. 2014;8(10): WC01-WC4. doi:10.7860/JCDR/2014/7725.4927
  3. HIV.gov. Recommendations for the use of antiretroviral drugs in pregnant women with HIV infection and interventions to reduce perinatal HIV transmission in the United States. Updated December 29, 2020.
  4. Rodger A, Cambiano V, Bruun T, et al. Risk of HIV transmission through condomless sex in serodifferent gay couples with the HIV-positive partner taking suppressive antiretroviral therapy (PARTNER): final results of a multicentre, prospective, observational studyLancet. 2019;393(10189):2428-2438. doi:10.1016/S0140-6736(19)30418-0
  5. Heller J. Rumors and realities: making sense of HIV/AIDS conspiracy narratives and contemporary legendsAm J Public Health. 2015;105(1):e43–e50. doi:10.2105/AJPH.2014.302284
  6. Irwin MR, Archer G, Olmstead R, et al. Increased risk of depression in non-depressed HIV infected men with sleep disturbance: prospective findings from the Multicenter AIDS Cohort StudyEBioMedicine. 2018;36:454–460. doi:10.1016/j.ebiom.2018.09.028
  7. Plaeger SF, Collins BS, Musib R, Deeks SG, Read S, Embry A. Immune activation in the pathogenesis of treated chronic HIV disease: a workshop summary. AIDS Res Hum Retroviruses. 2012;28(5):469–477. doi:10.1089/aid.2011.0213
  8. Centers for Disease Control and Prevention. Vaccine information for adults: HIV infection. Updated May 2, 2016.
  9. HIV.gov. Should people living with HIV exercise? Updated November 4, 2020.
  10. Mdodo R, Frazier E, Dube SR, et al. Cigarette smoking prevalence among adults with HIV compared with the general adult population in the United States: cross-sectional surveysAnn Intern Med. 2015;162(5):335-344. doi:10.7326/M14-0954
  11. Odhiambo C, Davis J, Omolo B. Risk for cardiovascular disease in Blacks with HIV/AIDS in America: a systematic review and meta-analysisJ Health Disparities Res Pract. 2017;10(2).
  12. Uthman OA, Magidson JF, Safren SA, Nachega JB. Depression and adherence to antiretroviral therapy in the low-, middle- and high-income countries: a systematic review and meta-analysisCurr HIV/AIDS Rep. 2014;11(3):291-307. doi:10.1007/s11904-014-0220-1
  13. HIV.gov. Laws protect people living with HIV and AIDS. Updated November 10, 2017.
  14. Hess KL, Hu X, Lansky A, Mermin J, Hall HI. The lifetime risk of a diagnosis of HIV infection in the United States. Ann Epidemiol. 2017;27(4):238-243. doi:10.1016/j.annepidem.2017.02.003
  15. Centers for Disease Control and Prevention. How effective is PrEP? Updated May 13, 2021.
  16. Marcus JL, Leyden W, Anderson AN, et al. Increased overall life expectancy but not comorbidity-free years for people with HIV. Abstract Body. Conference on Retroviruses and Opportunistic Infections. Mar 8-11, 2020.
  17. Centers for Disease Control and Prevention. Newly diagnosed with HIV. Updated April 7, 2021.

Tem algo a dizer? Diga!!! Este blog, e o mundo, é muito melhor com amigos!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.