Blog Soropositivo.Org

Reforço da vacina da COVID protege soropositivos contra COVID grave

Bem, as Doses de reforço da vacina contra COVID-19 protegem pessoas com HIV contra COVID-19 grave, no entanto, com toda a ciência em torno disso, á os que negam a vacina, os que negam a COVID e, tristemente, aqueles que desacreditam pessoas que lá estão, na linha de frente, na luta cotidiana, cara a cara com o vírus, chamando-as “venais”, imorais, submissas a outras nações, este conceito, nações é a mãe de todas as guerras, precisamos nos ver como um só povo, uma só humanidade, coabitando o mesmo planeta, em fraternidade e amor ao próximo.

Contudo, é bem mais fácil, e talvez interessante, separar. Unir? Risos 😂

COVID-19 Grave tem sido ausente entre soropositivos vacinados

Doses adicionais e de vacinas de reforço têm sido eficazes na prevenção de covid-19 graves em pessoas com HIV e outras com disfunção imunológica, um grande estudo dos Estados Unidos relatou esta semana na Conferência sobre Retrovírus e Infecções Oportunistas (CROI 2022).

O estudo também constatou que pessoas com disfunção imunológica que receberam uma dose extra ainda tinham um risco reduzido de infecção pelo SARS-CoV-2 pelo menos nove meses após serem totalmente vacinadas.

 

Saiba mais: Vacinas COVID-19 para pessoas com HIV

Vários estudos têm demonstrado que pessoas com HIV – especialmente aquelas com CD4 que contam abaixo de 200 – têm respostas mais fracas às vacinas Pfizer e Moderna SARS-CoV-2. Antes do surgimento da variante Omicron, em novembro de 2021, as autoridades de saúde dos Estados Unidos e da Europa já haviam recomendado que as pessoas com HIV recebessem uma dose adicional de vacina se fossem imunocomprometidas. Esta dose é distinta de uma dose de reforço e tem como objetivo permitir que as respostas imunes à vacinação atinjam todo o seu potencial, em vez de aumentar as respostas em declínio.

Raras Infecções de COVID-19 em Pessoas Com HIV/AIDS

O Dr. Jing Sun da Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health, Baltimore, relatou raras infecções ou casos graves de COVID-19 em pessoas que receberam uma dose adicional ou de reforço após a vacinação completa em 60 hospitais participantes da Coorte Colaborativa nacional covid dos EUA.

O estudo comparou os desfechos em pessoas imunocomprometidas e totalmente vacinadas de acordo com se receberam ou não uma dose de reforço. No entanto, a análise não distinguiu entre doses adicionais e de reforço, sendo ambas referidas como reforços.

Saiba mais em nossas páginas sobre HIV

A população do estudo era composta por pessoas que haviam sido totalmente vacinadas até 17 de dezembro de 2021 e seguiam até 14 de janeiro de 2022. A vacinação completa foi definida como duas doses da vacina Pfizer ou Moderna, ou uma dose de Johnson & Johnson. Ao todo, 614.750 pessoas foram totalmente vacinadas. Destes, 174.042 receberam uma dose de reforço.

20% tinham disfunção imunológica. As pessoas foram definidas como imunocomprometidas se viviam com HIV, câncer, doença autoimune ou foram submetidas a um transplante de órgão sólido, ou medula óssea. A proporção daqueles com disfunção imunológica que viviam com HIV não foi declarada.

Os Mais Velhos (como eu)  São Os Maiores Beneficiários da dose de reforço

Os beneficiários do booster eram significativamente mais velhos (69 anos versus 49 anos) e significativamente mais tinham três ou mais co-morbidades (16% vs 12%). Os beneficiários do booster eram mais propensos a serem brancos e menos propensos a serem negros ou hispânicos do que a população totalmente vacinada como um todo. O tempo médio da vacinação integral ao recebimento de uma dose de reforço foi de 7,4 meses.

Mais notícias dos Estados Unidos

Durante o período de seguimento, 48.893 da coorte totalmente vacinada foram infectadas pelo SARS-CoV-2. Aproximadamente 9.000 infecções na vacinação plena ocorreram após 19 de dezembro de 2021, quando a variante Omicron compreendeu mais da metade de todas as infecções. Mas houve uma alta e constante taxa de infecções no pleno vacinação a partir de julho de 2021, à medida que a variante Delta se espalhou amplamente nos Estados Unidos.

 

Quando os pesquisadores analisaram infecções em pessoas sem imunossupressão, descobriram que a eficácia da vacina contra a infecção após uma dose de reforço permaneceu alta sete meses após a vacinação completa (77%), mas caiu para 52% nove meses após a vacinação completa.

Mas eles também descobriram que as pessoas que receberam uma dose de reforço permaneceram em risco muito reduzido de uma infecção.

Possibilidades de contágio por COVID-19 entre pessoas HIV Positivas Reduzidas em até 67%

Não abusem, por favor!

Menos de cinco meses após a vacinação completa, com o Reforço da vacina contra COVID, as pessoas que receberam uma dose de reforço tiveram 67% menos chances de terem sido infectadas em comparação com as pessoas que estavam sem escoamento (razão de risco 0,33, intervalo de confiança de 95% 0,22-0,52). A redução do risco foi pouco alterada nove meses após a vacinação integral (HR 0,45, IC 95% 0,40-0,51); as pessoas que receberam um reforço ainda eram 55% menos propensas a ter experimentado uma infecção inovadora.

Reforço da vacina contra COVID Mais notícias do CROI 2022

Em pessoas imunocomprometidas, a vacinação de reforço também reduziu o risco de infecção inovadora, embora a redução do risco de infecção tenha sido menor. Nove meses após a vacinação completa, os indivíduos impulsionados apresentaram um risco 44% menor de infecção inovadora (HR 0,56, IC95% 0,42-0,75) e os pesquisadores calcularam que a vacina de reforço tinha uma eficácia de 39% neste momento.

Os indivíduos impulsionados também apresentaram risco reduzido de desfechos graves do COVID-19. Receber uma dose de reforço reduziu o risco de ser internado ou morrer de COVID-19 em mais de 85% em pessoas sem disfunção imunológica e em aproximadamente 80% em pessoas com disfunção imunológica. Esta análise controlou para comorbidades, demografia, região, infecção prévia e o tempo de vacinação.

Sun disse que uma análise mais aprofundada da coorte é necessária para analisar o impacto da contagem de CD4 e a supressão viral na resposta ao reforço, embora ela tenha enfatizado que os dados sobre fatores relacionados ao HIV são menos completos.

Insisto, persisto e não desisto. Isso faz de mim uma pessoa de resiliência construída cotidianamente.

Faça o mesmo, cuide-se! O reforço da vacina contra COVID pode salvar sua vida

Traduzido por Cláudio Souza em 9 de março de 2022 do original em Booster vaccine doses protect people with HIV against severe COVID-19 escrito por Keith Alcorn em 14 de fevereiro de 2022

 

Referências

Sun J et al. Covid-19 impulsionam a eficácia da vacina em pessoas com e sem disfunção imunológica.  Conferência sobre Retrovírus e Infecções Oportunistas (CROI), resumo 48, 2022.

Veja o resumo no site da conferência.

Tem algo a dizer? Diga!!! Este blog, e o mundo, é muito melhor com amigos!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Soropositivo.Org, Wordpress.com e Automattic fazem tudo a nosso alcance no que tange à sua privacidade. Você pode saber mais sobre esta política neste link Eu aceito A Política de Privacidade de Soropositivo.Org Ler Tudo em Política de Privacidade