Direito penal, trabalho sexual, HIV: há a necessidade de pesquisas multidisciplinares!

Você esta em Início => 2º Semestre de 2016 => Direito penal, trabalho sexual, HIV: há a necessidade de pesquisas multidisciplinares!
?>

Em The Lancet de HIV, relatório de Araão Reeves e colegas

Análise ecológica da associação entre as diferentes políticas legais quanto ao sexo trabalho de 27 países europeus e a prevalência do HIV entre profissionais do sexo feminino. Os resultados sugerem que os países onde os aspectos do trabalho sexual são totalmente ou parcialmente legalizado têm uma menor carga de HIV entre profissionais do sexo feminino do que os países que criminalizam o trabalho sexual.

Evidências crescentes de que a criminalização do trabalho sexual e aplicação de abordagens baseadas em aumentar a violência e os riscos de contrair HIV levou recentemente a política global de chamadas para remover todas as sanções penais visando o trabalho sexual.2 Em vez disso, muitos países em todo o mundo estão adotando abordagens que só parcialmente descriminalizam ou legalizam alguns aspectos do trabalho sexual apesar da escassez de dados científicos.

Além disso, há um crescente impulso final que demanda abordagens (ex, o modelo nórdico), em que a venda de sexo é legal, mas a compra de sexo é criminalizada. Recomendamos Reeves e colegas1 para tentar desembaraçar o efeito independente destas jurídicos complexos e aplicação de abordagens baseadas neste primeiro estudo de comparação a nível de cada país.

Este estudo é oportuno e fornece muitos dados necessários sobre esta importante, mas complexa questão. Ele também comporta a ciência, sugerindo que a extração de todas as leis criminalizantes seria crucial, permitindo que o passo em direção à redução da prevalência a HIV entre profissionais do sexo feminino.34

poster to international day to end violence against sex workers
Trabalho sexual é trabalho e ponto.

No entanto, a determinação do nexo de causalidade a partir de análises ecológicas (por exemplo, mudanças na prevalência do HIV devido a leis) é desafiador e precisa ser melhor discutido pelos autores, susceptíveis de confusão e falácias ecológicas. Verificamos, como um fator de tranquilidade que a associação permanece estatisticamente significativa após o ajuste para a prevalência das trabalhadoras do sexo que injetam drogas, o produto interno bruto, prevalência do HIV e a cobertura de terapia anti-retroviral na população geral.

No entanto, alguns cuidados ainda são necessários porque, na análise de sensibilidade da magnitude da associação para cada país, a diferença na prevalência do HIV foi perceptivelmente reduzida quando a Ucrânia, onde o trabalho sexual é ilegal foi removida da base de dados colhidos para a análise. Poucos países na análise onde o trabalho sexual é totalmente legalizado (Alemanha) ou onde a procura de abordagens foram implementadas (Noruega e Suécia) exclui quaisquer conclusões a partir sendo dos estudos que estão sendo feitos, mas sugere que a baixa prevalência do HIV está associada com diminuição da criminalização.

Questões de temporalidade e medidas de execução (como um proxy para a implementação das leis) complicar ainda mais a avaliação do nexo de causalidade. Considerando que as alterações na lei teria de preceder a data de estimativas de prevalência do HIV e a lenta dinâmica do HIV, não é provável esperar que quaisquer alterações na lei teriam um efeito imediato sobre a prevalência do HIV (mesmo se novos casos incidentes fossem reduzidos). Esta relação entre alterações na lei e prevalência do HIV particularmente limita a comparações com o modelo nórdico feita neste artigo porque a Noruega tornou apenas a compra de trabalho sexual ilegal em 2009, após a data da profissional do sexo feminino a estimativa de prevalência de HIV utilizadas na análise, que datavam de 2008.

A questão da temporalidade é ainda mais complicada por variações no policiamento micro-nível e execução de esforços dentro dos países.

Os autores investigaram o efeito da aplicação de esforços (produto devido à jusante da aplicação das leis) usando o Banco Mundial Estado de Direito (uma medida de confiança no sistema judicial eficaz e equitativo da polícia) sobre prevalência do HIV, sugerindo que a concorrência leal e judicial eficaz podem agir como uma via de mediação. Embora as populações marginalizadas, incluindo profissionais do sexo feminino, pode não ser bem representadas nas estimativas do estado de direito, os achados sugerem que onde trabalho sexual permanece totalmente criminalizado, um melhor relacionamento com a polícia não está associada à redução da prevalência do HIV entre profissionais do sexo feminino.

Importante, tendo em conta a ausência de uma comparação com os modelos totalmente despenalizada (nº países europeus onde o trabalhador sexual totalmente despenalizado), os resultados apresentados não podem ser interpretados no sentido de sugerir a prova de que a legalização é a abordagem preferida. Com efeito, sabemos a partir de várias configurações que legalização (que inclui o regulamento da explícita onde e como a indústria pode operar) em vez de despenalização do trabalho sexual (onde a indústria pode seguir os regulamentos de outras empresas) pode criar-se um sistema de dois níveis e a punição da profissional do sexo e determinadas práticas coercivas que estigmatizam a alguns trabalhadores do sexo feminino e os desloca para um status marginalizados (ex, indivíduos que usam drogas, sexo feminino trabalhadores migrantes) longe de serviços sociais, Em conclusão, apesar das suas limitações, este estudo fornece dados em nível ecológico útil em muitos países europeus que devem elevar a atenção para os governos e os decisores políticos considerando criminalizado ou modelos de procura final.

HIV virus particle structure
HIV virus particle structure

A compreensão de como a criminalização aumenta a exposição a interagir as barreiras estruturais que afetam os riscos do HIV e acesso à intervenção e a aceitação e a forma como

policia
Para quem preços estão

a eliminação de alguns ou de todos esses fatores estruturais reativos afetam o risco de contrair HIV em diferentes configurações de níveis ecológicos e longitudinais de dados de nível individual é a chave para a prevenção do HIV, mas também é desafiador. Prova consistentemente sugere que a criminalização poderá aumentar o risco de HIV através de recorrência de assédio policial, violência e detenções arbitrárias ou medo de detenções de profissionais do sexo feminino ou clientes que podem perpetuar a condições de trabalho inseguras e os riscos de uso de drogas, bem como riscos e físicos ou violência sexual contra mulheres trabalhadoras do sexo sem que possam recorrer à proteção policial bem como judicial.

Pesquisas futuras devem considerar a monitorização cuidadosa da aplicação a nível municipal de captação de dados juntamente com a violência e o nível intelectual do trabalhador sexual prova (ex, sexo feminino trabalhador experiências de policiamento) para desembaraçar totalmente como leis e se traduzir para a execução no terreno e como isso afeta os resultados da violência e a prevalência do HIV para os profissionais do sexo feminino. Modelos matemáticos ancorados em evidências empíricas, em colaboração com cientistas sociais e em parceria com o sexo comunidade de trabalho, continua a ser crucial para a tentativa de desembaraçar as abordagens jurídicas e policiais, a violência e o HIV burden.3

Considerando que muitos países estão atualmente a rever a legislação em torno de trabalho sexual e que com base nos ensaios aleatórios na comunidade são susceptíveis de ser possíveis, e é crucial que os pesquisadores a planejem com antecedência um acompanhamento rigoroso e avaliação do efeito dessas alterações nas profissionais do sexo a saúde dos trabalhadores, segurança e direitos humanos.

Declaramos estar sem interesses concorrentes.

References

  1. Reeves, A, Steele, S, Stuckler Dr, McKee, M, Amato-Gauci, A, and Semenza, J. National sex work policy and HIV prevalence among sex workers: an ecological regression analysis of 27 European countries. Lancet HIV. 2017; (published online Jan 24.)
  2. WHO, UNFPA, UNAIDS, and NSWP. Prevention and treatment of HIV and other sexually transmitted infections for sex workers in low- and middle-income countries: recommendations for a public health approach. , 2012 ((accessed Jan 20, 2017).)
  3. Shannon, K, Strathdee, SA, Goldenberg, SM et al. Global epidemiology of HIV among female sex workers: influence of structural determinants. Lancet. 2015; 385: 55–71
  4. Harcourt, C, O’Connor, J, Egger, S et al. The decriminalization of prostitution is associated with better coverage of health promotion programs for sex workers. Aust N Z J Public Health. 2010; 34: 482–486
  5. Decker, MR, Crago, AL, Chu, SK et al. Human rights violations against sex workers: burden and effect on HIV. Lancet. 2015; 385: 186–199

Anúncios

Publicações Relacionadas

Comente e Socialize-Se. A vida é melhor com amigos!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

A Automattic, o Wordpress e Sorositivo.Org, fazem tudo a nosso alcance no que tange à sua privacidade.E estamos sempre aprimorando, melhorando, testando e implementando novas tecnologias de proteção de dados. Seus dados estão protegidos e, eu, Cláudio Souza, trabalho neste blog 18 horas or dia para, dentre tantas outras coisas, garantir a segurança de suas informações, posto que sei das implicações e complicações das publicações aqui passadas e trocadas Eu aceito A Política de Privacidade de Soropositivo.Org Ler Tudo em Política de Privacidade

Sua Opinião é Muito Importante!

Você gostaria de dar sua opinião sobre o Blog Soropositivo.Org?

Se você desejat, por favor forrneça seu e-mail, assim enviaremos a você uma resposta

Obrigado. Nós recebemos sua opinião e daremo o retorno em breve

Whatsapp WhatsApp Us
Precisa conversar? Há três pessoas aqui prestando serviços voluntários dentro de suas possibilidadades
error: Content is protected !!