Vida Longa e HIV/AIDS

Home / Vida com HIV / Pessoas vivem com o hiv até a velhice
Vida longa e HIV, Blog Soropositivo. Org
Vida com HIV

Vida longa e HIV/AIDS???! Sim, pode te parecer estranho. É melhor revisar conceito. Veja bem, é importante que você observe o mundo, pois ele está sempre em movimento e alterações; você deve desafiar seu preconceitos, ou certamente eles te confrontarão em algum momento!!!

Uma vez, lá na década de 90, uma pessoa, em uma reunião doméstica disse que o feliz aniversário para pessoas com HIV/AIDS (ou aidéticos como ele falou 😤😡), deveria ser assim:

Parabéns a você

Nesta data querida

Muitas felicidades

La la la laia@

Não foi por falta de vontade que deixei de dar um soco na cara dele. Mas me satisfiz convidando-o, gentilmente, a retirar-se do apartamento!

Vida Longa e AIDS. Parece-te estranho ler algo assim?

Vida longa e HIV, Blog Soropositivo. Org
Imagem de xaviandrew por Pixabay

Bem, a expectativa de vida das pessoas com HIV é de até noventa (90)anos. Uma médica, também amiga, disse que, naqueles dias, uns quatro ou cinco anos atrás, a expectativa de vida era de 80 anos!

AIDS! Agora Sim, sem limites para sonhar ! A expectativa de vida de pessoas vivendo com HIV e AIDSSIDA ou VIH é semelhante à de uma pessoa “normal”!

Ontem eu conversava com um amigo, um destes que a rede me trouxe e que realmente ficou! .

E ele fez um depoimento, em áudio, que eu ainda não coloquei on-line pura e simplesmente porque não estou dando conta de tudo e alterar a voz, uma coisa muitas vezes absolutamente necessária!

E ele acabou por me contar um sonho antigo e eu resolvi ir dar uma olhada “pela ai” como dizia a Araci de Almeida. E não é que eu encontrei algo que já o fará sorrir, pois é tudo uma questão de tempo e, como se diz, o tempo é o Senhor da razão.

E assim, eu, que venho da era sem tratamento e que vi tanta coisa, tanta coisa, que perdi amigos novos e antigos, que perdi amores imaterializados acabei por viver para ler, traduzir e publicar este texto:

Longevidade, HIV e sua saúde

Vida longa e HIV, Blog Soropositivo. OrgCom ótimas notícias em termos de expectativa de vida de pessoas vivendo com HIV! Amigo, você verá, sim, o que sonhou. Eu ponho todas as fichas que eu tenho nisso, giro a roleta, solto a bola e só volto para ver o número!!!!!

A perspectiva nunca foi melhor para pessoas com HIV.  Pobres, ou não, já sabemos tudo! A expectativa de vida de pessoas vivendo com HIV e AIDS,  SIDA ou VIH é semelhante a de uma “pessoa normal*

De fato, um estudo recente no Reino Unido mostrou que pessoas que vivem com o HIV e que têm uma boa resposta inicial ao tratamento Contra o HIV têm uma expectativa de vida semelhante às pessoas da população em geral. 

Especificamente, um homem de 50 anos que teve uma contagem de células CD4 acima de 350 e uma carga viral indetectável um ano após o início da TARV (Terapia Antirretroviral) contra o HIV poderia chegar a viver até os 83 anos de idade. Uma mulher de 50 anos nas mesmas circunstâncias teria uma expectativa de vida para 85 anos.

Mesmo quando a resposta inicial ao tratamento não era tão boa – por exemplo, com uma contagem de CD4 entre 200 e 350, ou com carga viral ainda detectável após um ano – previa-se que as pessoas com HIV vivessem bem até os setenta.

Recuperação do Sistema Imunológico é condição Sine Qua Non

Vida longa e HIV, Blog Soropositivo. Org
Tendo medo de agulha ou não, o portador de HIV, ou aquilo que definimos como pessoa doente por AIDS terá, gostando ou não, de aprender a se virar com agulhas. Márcia foi uma pessoa assim. E ela ensinou-me muito da vida. A bem a verdade cada mulher com quem eu estive por mais de uma semana me ensinou algo.

Um bom acesso ao tratamento eficaz contra o HIV, que reduz a carga viral a níveis indetectáveis ​​e permite que o sistema imunológico se recupere, é necessário para uma vida longa com o HIV.

Pessoas que iniciam o tratamento Contra o HIV o mais rápido possível, são capazes de ficar com ele e que frequentam regularmente os serviços de alta qualidade fornecidos pelo “SUS” têm probabilidade de ter uma expectativa de vida semelhante para seus pares que não têm HIV.

 
Nesta situação, é improvável que você adoeça ou morra como resultado direto da ação do HIV, mas pode ser afetado por outras doenças e condições de saúde. E há algumas possibilidades que podem fazer com que você adoeça ou morra como resultado direto do HIV, o vírus da AIDS, mas você pode ser, também, afetado por outras doenças ou condições de saúde mais comuns a pessoas não portadoras de HIV  que afetam as pessoas soropositivas à medida que envelhecem, como os lipídios (gordura no sangue), a pressão alta e a depressão. Um número de pessoas com HIV tem diabetes, câncer, problemas ósseos e outras condições.

 

Isso é semelhante à população geral. Os assim ditos “normais”

Uma ampla gama de fatores afeta seu risco de desenvolver essas condições de saúde. Algumas delas são coisas que você não pode mudar, como a sua idade, histórico familiar de certas doenças ou ter HIV. Você pode evitar se usar camisinha. Mas uma vez que você a tenha construído, aí leitor, leitora…

Outros fatores de risco estão ao seu alcance para mudar.

Você pode esperar ter uma vida mais longa e saudável se você não fumar, for fisicamente ativo, ter uma dieta balanceada, manter um peso saudável, evitar o consumo excessivo de álcool ou drogas, permanecer socialmente conectado e manter sua mente ativa. Mas tenha em mente que usar drogas é o fim da picada!

Outros problemas de saúde que incidem na qualidade de vida das pessoas com HIV

O risco de ter problemas de saúde como doenças cardíacas e câncer aumenta para todos à medida que nós envelhecemos. 

Sim, é verdade! O tempo passa para todos. Mas ele sofre, sim, uma “sutil distorção” quando se trata de envelhecer com HIV!

O foco da sua saúde provavelmente mudará à medida que seus médicos prestarem mais atenção a uma ampla gama de problemas de saúde, bem como ao próprio HIV. Uma de minas médicas e amigas disse-me bem assim:

A AIDS é a Pontinhado iceberg de coisas que acontecem em seu corpo depois que o HIV entra em contato com seu corpo!

Vida longa e HIV, Blog Soropositivo. Org
Imagem de 358611 por Pixabay

Eu, Cláudio, volto a ressaltar uma “coisinha”. Nós, os diagnosticados na década de 90, e os Highlanders da década de 80 temos um fator complicador:

Não há literatura clínico/laboratorial, uma espécie de manual de instruções com o qual médicos, médicas, pesquisadores e todos os atores sérios, é preciso ressaltar os sérios, possam seguir para nos tratar.

Neste ponto eu sinto saudades doridas de Sig. e An.  E eu creio que, agora, está bem claro que o dano causado à minha psique é indelével!…

….somos nós, e estes Highlanders, diagnosticados também na década de 90, que estamos servindo, é uma troca, sempre o é, como sujeitos de pesquisa, onde médicos e médicas cujas qualidades eu já mencionei, terão de ir, a pouco e pouco, literalmente em MD. no afã de nos manterem vivos, para que outros sofram menos! 

E esta é uma das inumeráveis variáveis a serem respeitadas quando pacientes sem referências de dor se mostram incapazes de empatia e pedem “desculpas” pela p**** da falta de referências

Basta vir a meu blog, muito bem referenciado! Vejam 

É um documento com quase 20 anos de história! Peça educadamente e eu dou um acesso de assistente ou coisa parecida, para que possam ver, tim-tim, por tim-tim as referências de dor que eu pude registrar.

Vida longa e HIV, Blog Soropositivo. OrgSão mais de 3.000 textos! É uma constelação de histórias para documentar, palidamente, mas com acuidade, a perda de mais de trinta milhões de vidas e, sim, isso é indesculpável, não respeitar estas pessoas e suas famílias! Estou falando de que mesmo?

100.000.000 de pessoas, considerando as vítimas colaterais? Eu chamo de vítimas colaterais todas aquelas pessoas?

Quantos eram os órfãos?

Desculpa!???

Houve uma fase medonha de tudo isso onde o “chefe de família” sobrevivente era uma criança de sete ou mesmo menos anos. 

Desculpa?

Eu não sabia que era, pois já era, portador de HIV quando ouvi isso no som do Vagão Plaza, antes da casa abrir e me sentei no chão e chorei!

Basta um mínimo de empatia, um pouco de boa vontade depois de ter apanhado um bocado da vida….

No pain, no gain…. The Damn Hell porque isso, além de ser desrespeito cínico, dói!

Vida longa e HIV, Blog Soropositivo. Org
Dói pra chuchu

Sabe, eu quase ouço a voz de James Spader, personificando Ultron pedindo desculpas.

Carambolas!!!!!

As condições de saúde mais comuns que afetam as pessoas que vivem com o HIV à medida que envelhecem são semelhantes às que afetam pessoas que não têm HIV. 

Eles são descritos em Outros problemas de saúde.

Sua saúde deve incluir triagem regular para essas condições. Os aspectos mais importantes da sua prevenção e tratamento são os mesmos que para pessoas que não têm HIV.

HIV e o processo de envelhecimento!

Vida longa e HIV, Blog Soropositivo. Org
Imagem de Eduin Escobar por Pixabay

Muitas pessoas perguntam se o HIV acelera o processo de envelhecimento. Em outras palavras, as pessoas que vivem com o HIV têm um declínio na função física e desenvolvem condições relacionadas à idade em idades mais jovens do que seus pares?

Ainda há muito que não sabemos sobre essa questão. Não há consenso entre os cientistas sobre a questão do HIV e ‘envelhecimento precoce’.

Ter Vida Longa e HIV/AIDS é quase um enduro, uma rallye, um teste de resistência física e intelectual

Sabemos que pessoas com HIV têm um pouco mais de probabilidade de desenvolver algumas condições de saúde do que outras pessoas. Isso inclui doenças cardíacas, diabetes, doença renal, doença hepática, problemas ósseos e alguns tipos de câncer. 

Mas eles não os têm, necessariamente, em uma idade muito mais jovem. 

É mais o caso que qualquer que seja a faixa etária, as pessoas com HIV têm taxas ligeiramente mais altas dessas condições do que outras pessoas da mesma idade.

Os cientistas ainda estão tentando descobrir porque é esse o caso. Parte da explicação pode ser que, embora o tratamento de HIV atual seja bastante seguro, alguns dos medicamentos anti-HIV que algumas pessoas tomaram na década de 1990 e no início da década de 2000 tiveram efeitos nocivos sobre o colesterol, os rins, o fígado e os ossos

“DESCULPA?????” Bem assim, amarela! 

Além disso, enquanto o tratamento Contra o HIV fortalece o sistema imunológico e previne muitas doenças relacionadas ao HIV, pode não restaurar completamente a saúde e reverter todos os danos ao sistema imunológico. Doenças Graves, muito graves precisam ser combatidas a todo custo!

O HIV pode continuar a causar inflamação contínua e de baixo nível e ativação imunológica. Essas respostas inúteis do sistema imunológico ao HIV provavelmente contribuem para uma ampla gama de problemas de saúde.

HIV, AIDS, Carga Viral e Condições de Sáude

Existem outras razões pelas quais pessoas com HIV têm altas taxas dessas condições de saúde.

Coisas que não estão diretamente ligadas ao HIV podem aumentar o risco de problemas de saúde em pessoas que vivem com o HIV. Em particular, os estilos de vida e as experiências de vida das pessoas que vivem com o HIV muitas vezes não são idênticos aos da população em geral. 

Por exemplo, pessoas com HIV são mais propensas a fumar e têm níveis mais altos de estresse do que outras pessoas, o que pode explicar em parte a maior taxa de doenças cardíacas em pessoas com HIV.

Isso significa que comparações simples entre pessoas HIV positivas e pessoas HIV-negativas podem ser enganosas.

De fato, nos estudos mais cuidadosamente conduzidos, que comparam grupos muito semelhantes de pessoas HIV-positivas e HIV-negativas, as diferenças de saúde entre os grupos são muito pequenas.

Além disso, não parece que as pessoas com HIV estejam envelhecendo mais rapidamente do que seus pares que não têm HIV.

Vida longa e HIV, Blog Soropositivo. Org
 
Tratamento do HIV à medida que envelhece.

Estudos mostram que o tratamento do HIV funciona bem para pessoas idosas. A carga viral cai para um nível indetectável (o objetivo do tratamento) tão rapidamente quanto em pessoas mais jovens. As pessoas idosas são muitas vezes melhores do que as pessoas mais jovens em tomar a medicação conforme prescrito. O medo, leitores, nos gera juízo e diligência!

Por outro lado, as pessoas que iniciam o tratamento com mais de 50 anos podem ter uma restauração mais lenta e menos completa do sistema imunológico. A contagem de células CD4 nem sempre aumenta tão rapidamente como em adultos jovens.

Além de prevenir doenças relacionadas ao HIV, o tratamento eficaz Contra o HIV ajuda a proteger contra doenças cardíacas, câncer, doenças renais e hepáticas. Entre as pessoas que vivem com o HIV, as taxas dessas condições são mais baixas nas pessoas que fazem o tratamento do que nas pessoas que não fazem.

Tomar o tratamento Contra o HIV é uma das coisas mais importantes que você pode fazer para proteger sua saúde geral.

Adaptando o seu tratamento

Se você tiver outras preocupações com a saúde, bem como o HIV, isso pode afetar as escolhas que você e seu médico fazem sobre qual combinação de medicamentos para o HIV é a certa para você.

  1. Pode haver interações entre um dos seus medicamentos anti-HIV e um medicamento que você toma para outra condição de saúde. Há mais informações sobre isso abaixo.
  2. Conforme você envelhece, seu corpo pode mudar. O fígado e os rins podem funcionar com menos eficiência, afetando a forma como o medicamento é processado no corpo. Por causa da perda de peso, diminuição do fluido corporal ou aumento do tecido adiposo, os medicamentos podem permanecer no corpo por mais tempo e causar mais efeitos colaterais. Ocasionalmente, seu médico pode precisar ajustar sua dose.
  3. Alguns medicamentos anti-HIV específicos estão associados a um risco ligeiramente aumentado de desenvolver algumas condições de saúde, ou podem piorar sua condição de saúde. Se este for o caso, você normalmente será capaz de tomar um medicamento anti-HIV diferente.
  4. Há aplicativos para dispositivos móveis que podem ajudá-lo a realizar isso.

Por estas razões, a sua escolha de medicamentos anti-HIV pode precisar ser adaptada à sua situação específica. Você pode precisar de uma dose diferente de um dos seus medicamentos. Isso pode significar que um único comprimido, que contém vários medicamentos em quantidades fixas, pode nem sempre ser a escolha certa para você. Você pode precisar mudar de uma combinação de drogas que você já se acostumou.

No Reino Unido, os padrões para o tratamento e tratamento Contra o HIV são estabelecidos pela British HIV Association, a associação profissional para médicos de HIV.

No Brasil, onde temos um tratamento digno, decente e justo, que a lei, a Constituição nos garante, sempre terá de ser assim!

Cautelas, cuidados e Precauções na vida da pessoa com HIV

Suas diretrizes recomendam que os médicos tenham cautela ao prescrever os seguintes medicamentos anti-HIV para pessoas que tenham condições específicas de saúde ou que tenham fatores de risco para essa condição.

  1. Depressão e outros problemas de saúde mental: efavirenz.
  2. Doença cardíaca: abacavir, lopinavir ou Maraviroc.
  3. Doença renal: tenofovir Disoproxil ou atazanavir.
  4. Problemas ósseos: tenofovir disoproxil.
Medicamentos múltiplos e múltiplas interações medicamentosas!

Quanto mais condições de saúde você tiver, mais medicamentos você pode precisar. E quanto mais medicação você tomar, maior a possibilidade de experimentar interações medicamentosas e efeitos colaterais.

Uma interação medicamentosa é quando um medicamento afeta o funcionamento de outro medicamento. Por exemplo, quando tomados em conjunto, um dos medicamentos pode não ser totalmente eficaz ou seus efeitos colaterais podem ser piores.

Antes de iniciar um novo medicamento, pergunte sempre ao seu médico ou farmacêutico: O novo medicamento poderia interagir com um dos outros medicamentos que eu já estou tomando?

Meticulosamente cauteloso e contido. Nada se faz sem uma prévia reflexão
Vida longa e HIV, Blog Soropositivo. Org
Imagem de PollyDot por Pixabay

Você deve informá-los sobre tudo o que você toma – medicamentos receitados por outro médico; medicamentos sem receita médica (incluindo inaladores e sprays nasais); suplementos, ervas e tratamentos alternativos; e drogas recreativas. 

Isso será mais fácil se você levar consigo uma lista atualizada de todos os seus medicamentos.

A Universidade de Liverpool fornece uma ferramenta on-line para verificar as interações entre medicamentos anti-HIV, outros medicamentos e drogas recreativas. Visite www.hiv-druginteractions.org/checker ou baixe o aplicativo Liverpool HIV iChart para iPhone ou Android.

É muito útil ter uma revisão anual de medicamentos. Isso envolve um dos seus farmacêuticos ou médicos fazendo um levantamento de tudo o que você toma e verificando interações e efeitos colaterais. Eles vão verificar que os medicamentos que você está tomando ainda são adequados para você.

Mitos e realidades 

O HIV é uma doença do jovem! (se você considerar Matusalém, aos 130 anos jovem, eu concordo)

As pessoas adquirem o HIV em todas as idades: em 2016, 19% das pessoas diagnosticadas com HIV no Reino Unido tinham mais de 50 anos. E graças ao sucesso do tratamento Contra o HIV em manter as pessoas vivas, a população de pessoas vivendo com HIV pouco mais a cada ano. Em 2016, 38% das pessoas que receberam tratamento para o HIV tinham mais de 50 anos.

Se eu trocar de medicamento e não estiver satisfeito com a nova combinação, não poderei voltar atrás.

Depende do seu motivo para mudar o tratamento. Se está a mudar porque tem resistência aos medicamentos ou se o seu tratamento não está a manter a sua carga viral a um nível indetectável, então precisa definitivamente de um novo tratamento. Não seria uma boa ideia voltar às suas drogas originais.

No entanto, se você estiver trocando por causa de efeitos colaterais, você terá mais opções. Às vezes as pessoas estão nervosas sobre a mudança de tratamento, preocupando-se que o novo tratamento também tenha efeitos colaterais e que possam ser mais difíceis de conviver. Isso é improvável, mas se acontecer, você provavelmente poderá voltar aos medicamentos anti-HIV que você estava usando antes.

Adesão Ao Tratamento É Tudo 

Preste muita atenção a isso! 😡😡😡

Após vários anos de tratamento do HIV é inevitável que desenvolva resistência aos medicamentos anti-HIV e fique sem opções de tratamento. Mas se você der bobeira voc~e pode acabar em um peco sem saída com o nome de resistência cruzada!

O trecho abaixo, que eu considerei importante “trazer para cá”, fala desta resistência cruzada em bactérias; nada obstante, entretanto, o conceito é aplicável a vírus. E eu gostaria de lembrar a quem o lê que isso explica, e explica muito bem, os porquês de, por exemplo, termos infecções por gonococos, que causam a gonorreia, cada vez mais difíceis de se curar e, para quem teve uma delas, “uma só vez”, já basta para não querer um problema como este.

A formatação do texto estará bem diferenciada. Mas a Vida Longa e HIV/AIDS pede todas as cautelas do mundo. Você precisa aprender a se amar! 

 A resistência cruzada corresponde à resistência a todos os antibióticos pertencentes à mesma classe devido a um único mecanismo.
 Como vimos acima, os medicamentos designados para uma mesma classe são quimicamente relacionados, têm, portanto, o mesmo objetivo de ação na célula e, portanto, estão sujeitos a resistência cruzada:
Bactérias resistentes a um membro da classe geralmente são resistentes a os outros membros da mesma classe de medicamentos ou drogas. 
No entanto, existem graus de resistência cruzada: quanto mais ativo o medicamento, menor o nível de resistência.  Em geral, os medicamentos recentemente desenvolvidos são mais ativos que as moléculas antigas da mesma classe.
Por exemplo, entre as quinolonas, a ciprofloxacina é muito mais ativa que o ácido nalidíxico. Como resultado, as bactérias Gram-negativas que sofreram um evento mutacional no alvo das quinolonas, as topoisomerases do tipo II (DNA girase e topoisomerase IV) tornam-se muito mais resistentes ao ácido nalidíxico (que possui CIM elevado) do que à ciprofloxacina (que retém MICs mais baixos). Essa observação enfatiza que um mecanismo de resistência não tem valor absoluto. O nível de resistência também depende do grau de suscetibilidade da bactéria hospedeira. 
A resistência de um determinado mecanismo será muito maior se a espécie bacteriana for pouco suscetível. 
Por exemplo, o mesmo mecanismo confere a P. aeruginosa, uma espécie naturalmente pouco suscetível a antibióticos, que possui um nível de resistência muito superior a N. meningitidis, uma espécie requintadamente suscetível a drogas. 
É importante ressaltar que resistência cruzada implica seleção cruzada: o uso de um determinado antibiótico pode selecionar resistência a outros membros da classe, mas não a medicamentos pertencentes a outras classes.
Você pode tomar a mesma combinação de drogas por anos e anos, sem que ocorram problemas. De fato, se você aderir ao tratamento e mantiver uma carga viral indetectável, seu HIV não pode se tornar resistente aos medicamentos que você está tomando.
Clique aqui para  ver, em outra aba, em inglês, em outro site a fonte deste trecho de texto.
O HIV sempre será o problema de saúde mais importante com o qual você terá que lidar.

Sem tratamento, o HIV é uma ameaça à vida. Mas tratamentos altamente eficazes estão disponíveis, tornando o HIV relativamente simples para um médico especialista gerenciar. Você pode ter outras condições de saúde que tenham um impacto maior no seu dia-a-dia ou que sejam mais complicadas de tratar. Às vezes você pode precisar priorizar outros problemas de saúde sobre o HIV.

Muitas pessoas idosas que vivem com o HIV têm demência.

Você pode ter ouvido falar de estudos que usam testes cognitivos para detectar mudanças sutis na memória e nos processos de pensamento. Alguns demonstraram pequenas diferenças entre pessoas soropositivas e soronegativas. Na maioria dos casos, esses declínios menores não são perceptíveis na vida diária.

Isso não deve ser confundido com demência, que é uma grave deficiência que interfere com sua vida diária e independência. A demência pode ter várias causas, incluindo a doença de Alzheimer e outras condições que reduzem o fluxo sanguíneo para o cérebro. Atualmente, a demência associada ao HIV raramente é vista, exceto em pessoas que são diagnosticadas com HIV em um estágio muito tardio, com uma contagem muito baixa de CD4.

É bom que você busque conhecimentos a respeito de Carga Viral

E é isso meu povo! Eu estou incorporando a este texto um vídeo que, na minha vida, só fez me estimular a prosseguir, mesmo que só com os indicadores! Este cavalheiro, o Pedro Calabrês, é O Cara quando o assunto é Cérebro!

Vida longa e HIV, Blog Soropositivo. Org
A imagem é clicável e abre em outra aba

Publicações Relacionadas

O primeiro tratamento com anticorpos para o HIV resistente aos medicamentos pode receber a aprovação da FDA

Cláudio Souza

Alterações cerebrais e cognitivas em pessoas soropositivas ao envelhecer

Cláudio Souza

Necessidades básicas desatendidas podem estar relacionadas à baixas taxas de supressão viral durável entre transexuais do sexo feminino com HIV

Cláudio Souza

Soropositivo.Org, Wordpress.com e Automattic fazem tudo a nosso alcance no que tange à sua privacidade. Você pode saber mais sobre esta política neste link Eu aceito A Política de Privacidade de Soropositivo.Org Ler Tudo em Política de Privacidade

Política de cookies e privacidades
Whatsapp WhatsApp Us
Olá! Sou o Beto Volpe! Quer Conversar? Diga olá! Mas tenha em mente que eu trabalho aqui entre 9:00 da manhã e 20 horas. Você pode deixar a mensagem, mas eu responderei nestes horários. Talvez eu demore, mnas em *SEMPRE RESPONDO*

Este Site usa Cookies e você pode recusra este uso. Mas pode saber bem o que está sendo registrado em, conssonãncia com nossa política de privacidade