Há Vida Com HIV

veja! Há vida com HIV

Apoie com um pix

Terapia Antirretroviral Carga Viral E Contágio

Os riscos corridos com base no indetectável iguá a intransmissível são, mesmo, libertadores? Sei não...

Este estudo descobriu que nenhuma transmissão do HIV ocorreu entre 2.651 bebês nascidos de mulheres cis gênero que estavam em tratamento antes de concebida e durante a gravidez e que apresentava carga viral indetectável no parto. 

Terapia Antirretroviral e Contágio por HIV. Sim a TARV pode evitar o contágio, mas o preservativo sempre foi eficiente em minha vida e eu recomendo camisinha…

A Terapia Antirretroviral, a TARV, foi o que mudou a cara da pandemia HIV/AIDS, pois reduz a carga viral e, diminue as possibilidades de queda na contagem de CD4; melhor que isso, permite que o sistema imunológico se reconstrua, ao menos parcialmente! Assim as coisas se foram me apresesentadas. Naqueles dias, naqueles anos cinzentos, ninguém pensava na TARV como algo a ser usado para evitar o contágio!

O que nos ensinaram foi o seguinte?

Se você é portador de HIV e começa a transar (escolha o seu eufemismo) com outra pessoa vivendo com HIV, você TEM DE CONTINUAR usando camisinha, pois o risco de reinfecção existe e, veja bem, você pode se contaminar com uma cepa resistente à sua terapia! Ou, ainda, resistêncite à maioria das medicações, tendo em conta a resistência cruzada.

E este texto busca mostrar isso, bem como outras coisas. Fiquem com a leitura de…

…Terapia Antirretroviral, Carga Viral E Contágio 

Agora é bem conhecido que o uso do tratamento contra o HIV, a terapia antirretroviral, não apenas melhora a saúde das pessoas que vivem com o HIV, mas, dizem, também é uma estratégia altamente eficaz para prevenir a transmissão do HIV.

Isso ocorre porque o tratamento do HIV pode reduzir a quantidade de vírus (carga viral) no sangue e outros fluidos corporais (como sêmen e fluidos vaginais e retais) a níveis indetectáveis. 

Para se tornar e permanecer indetectável, as pessoas que vivem com HIV precisam fazer o tratamento anti-HIV conforme prescrito. Além de tomar medicamentos para o HIV, visitas regulares ao médico são importantes para monitorar a carga viral para garantir que ela permaneça indetectável e para receber outro suporte médico.

As evidências mostram que as pessoas vivendo com HIV em tratamento, cuidando de suas saúdes e mantém suas cargas virais indetectáveis tem tais características:

  • podem não transmitir o HIV a seus parceiros sexuais;
  • não transmitem o HIV ao bebê durante a gravidez e o parto (se mantiverem uma carga viral indetectável durante a gravidez e parto);
  • têm uma chance muito reduzida de transmitir o HIV através da amamentação; no entanto, a amamentação não é recomendada para mães soropositivas no Canadá – a origem deste texto, minha leitora, é canadense – e alimentação com fórmula exclusiva é a recomendação atual;
  • Provavelmente têm uma chance muito reduzida de transmitir o HIV a pessoas com as quais compartilham equipamentos de uso de drogas injetáveis; no entanto, não há evidências suficientes para concluir que não há risco. 
  • E recomenda-se que as pessoas usem novas agulhas e outros equipamentos sempre que usarem drogas, independentemente de sua condição de HIV ou carga viral, para prevenir o HIV e outros males.

Como o tratamento do HIV e uma carga viral indetectável funcionam para prevenir a transmissão do HIV?

O tratamento do HIV, também chamado de terapia antirretroviral, ou TARV, funciona controlando a replicação do HIV no corpo – ou seja, reduz a capacidade do HIV de fazer cópias de si mesmo (replicação).

Quando a replicação do HIV é controlada, os anticorpos conseguem destruir as cópias do HIV em circulação no sangue e fluidos corporais, assim, segundo as pesquisas, conforme cai a carga viral, também diminui o risco de transmissão do HIV. Quando o tratamento bem-sucedido reduz a carga viral a níveis indetectáveis, isso pode reduzir significativamente ou eliminar o risco de transmissão do HIV.

A Terapia Antirretroviral, TARV, geralmente consiste em uma combinação de três medicamentos antirretrovirais tomados diariamente. A depender de prescrições médicas que se orientam por resultados de pesquisas. Os novos tratamentos para o HIV são mais seguros, simples e eficazes do que quando a Terapia Antirretroviral foi introduzida nos idos de 1996/1997.

O poder da TARV hoje é tão profundo que muitas pessoas que começam um tratamento eficaz logo após se tornarem HIV-positivas terão uma expectativa de vida quase normal.

Para a maioria das pessoas, o vírus torna-se tão bem controlado que, três a seis meses após o início do tratamento, a quantidade de vírus no sangue torna-se indetectável pelos testes usados ​​de rotina. A maioria dos testes de carga viral usados ​​no Canadá não consegue detectar o HIV no sangue se houver menos de 40 a 50 cópias do vírus por ml. No entanto, o vírus ainda está presente em quantidades muito baixas no corpo quando a carga viral é indetectável.

O que está envolvido no uso consistente e correto da TARV e uma carga viral indetectável para a prevenção do HIV?

O uso consistente e correto de TARV para manter uma carga viral indetectável inclui:

  • alta adesão a medicamentos de TARV, para atingir e manter uma carga viral indetectável Consultas
  • médicas regulares para monitorar a carga viral e receber suporte para adesão, se necessário

Testes regulares e tratamento para doenças sexualmente transmissíveis infecções (IST) também são importantes, uma vez que esta estratégia não protege contra IST; desta forma eu, Cláudio, me pergunto se a boa ideia não é a continuada difusão do uso do preservativo como maneira eficiente para evitar o contágio do DST, o que inclui a infecção por HIV e, sempre é bom lembrar, o zyka, um vírus bastante perverso!

Devo ser muito chato, na opinião do pessoal do oba-oba-vamos-nessa né?

Uma pessoa em TARV precisa trabalhar com seu médico para determinar um cronograma apropriado para check-ups médicos e monitoramento de carga viral.

O que é importante para que essa abordagem funcione?

Após o início do tratamento, a carga viral deve se tornar e permanecer indetectável para que esta abordagem forneça proteção.

Quando uma pessoa começa o tratamento, geralmente leva de três a seis meses para que a carga viral se torne indetectável. A maioria das pessoas acabará tendo uma carga viral indetectável se tiver uma combinação de medicamentos que seja eficaz contra sua cepa de HIV e a tomar conforme prescrito pelo médico.

A carga viral deve permanecer indetectável por pelo menos seis meses antes de depender dessa abordagem como uma estratégia eficaz de prevenção do HIV. 

Uma pessoa deve continuar a ter alta adesão ao tratamento para manter uma carga viral indetectável ao longo do tempo. A única maneira de saber se a carga viral permanece indetectável a longo prazo é fazer testes regulares de carga viral enquanto faz, com disciplina draconiana.

No entanto, nem toda a carga viral se torna e permanece indetectável durante o tratamento. Isso ocorre mais comumente quando alguém tem baixa adesão aos medicamentos, mas também pode ocorrer devido à resistência aos medicamentos. Quando o tratamento falha, a pessoa não saberá que sua carga viral é detectável até que faça outro teste de carga viral. Dependendo do motivo da falha do tratamento, uma pessoa pode exigir uma mudança no tratamento ou pode se beneficiar do aconselhamento de adesão, para reduzir sua carga viral a níveis indetectáveis. As melhores opções para seguir em frente devem ser discutidas com um médico.

Até que ponto o uso de TARV para manter uma carga viral indetectável previne a transmissão sexual do HIV?

Pesquisas realizadas em casais sorodiscordantes (em que um parceiro é HIV positivo e o outro é HIV negativo) mostra que, quando usado de forma consistente e correta, o uso de TARV para manter uma carga viral indetectável é uma estratégia altamente eficaz para prevenir a transmissão sexual do HIV para casais heterossexuais e do mesmo sexo. As evidências desta pesquisa mostram que, quando as pessoas estão recebendo TARV com sucesso e prestando cuidados, elas não transmitem o HIV pelas relações sexuais.

O primeiro estudo a mostrar que o TARV e uma carga viral indetectável têm um grande benefício na prevenção em casais heterossexuais sorodiscordantes foi o ensaio clínico randomizado conhecido como HPTN 052. Na análise final, que incluiu 1.763 casais heterossexuais sorodiscordantes (metade dos quais foram acompanhados por mais de cinco anos e meio), nenhuma transmissão de HIV ocorreu entre casais no estudo quando o parceiro HIV-positivo estava em TARV e tinha uma carga viral indetectável (definida como <400 cópias / ml neste estudo).

No total, ocorreram oito transmissões entre casais enquanto o parceiro seropositivo estava em TARV; no entanto, em todos os oito casos, a carga viral foi detectável, apesar de estar em TARV.

Quatro transmissões ocorreram nos primeiros três meses após o parceiro HIV-positivo iniciar o tratamento, antes que a carga viral fosse indetectável.

Os outros quatro aconteceram quando o tratamento falhou em manter a carga viral em níveis indetectáveis.

Além dessas oito transmissões, houve 26 pessoas que adquiriram a infecção pelo HIV de um parceiro sexual fora da relação primária, mostrando que em um casal sorodiscordante no qual o parceiro HIV-positivo está em TARV com carga viral indetectável, o principal risco da transmissão do HIV vem de fora do relacionamento.

O Sexo Sem Preservativo é Sexo Seguro?

Os resultados de um grande estudo observacional de duas fases conhecido como PARTNER / PARTNER2 mostraram que o TARV e uma carga viral indetectável (definida como <200 cópias / ml neste estudo) previnem a transmissão sexual do HIV em casais heterossexuais e do mesmo sexo em a ausência de outras formas de prevenção do HIV (preservativos, PrEP ou PEP). A primeira fase do estudo incluiu casais heterossexuais e do mesmo sexo, e a segunda fase continuou apenas com casais do mesmo sexo.

Neste estudo, houve um grande número de atos sexuais desprotegidos (sem preservativos) quando a carga viral era indetectável – aproximadamente 36.000 entre casais heterossexuais e 76.000 entre casais do mesmo sexo masculinos incluídos no estudo. No final do estudo, não houve transmissão do HIV entre os casais no estudo quando o parceiro HIV-positivo estava em TARV e tinha uma carga viral indetectável. No entanto, houve 16 novas infecções por HIV (15 homens gays e uma pessoa heterossexual) que foram transmitidas de um parceiro sexual fora do relacionamento. Só uma tola, ou um tolo, para fazer determinadas apostas, como a de Amarilis!

Um estudo observacional semelhante ao PARTNER, chamado Opposites Attract, também não encontrou nenhuma transmissão de HIV entre casais sorodiscordantes do mesmo sexo quando o parceiro estava em tratamento e manteve uma carga viral indetectável (<200 cópias / ml), apesar de aproximadamente 16.800 atos de sexo anal sem preservativo. Neste estudo, três dos parceiros soronegativos contraíram o HIV de um parceiro fora do relacionamento.

Um Pouco Mais Sobre Os Estudos Partner e Opposites Attract

Nos estudos PARTNER / PARTNER2 e Opposites Attract, uma carga viral indetectável foi definida como inferior a 200 cópias/ml. Isso é mais alto do que o nível de carga viral indetectável definido por testes comumente usados ​​no Canadá (menos de 40 ou 50 cópias / ml). Não houve transmissão nos dois estudos quando a carga viral era inferior a 200 cópias / ml (no entanto, a grande maioria dos participantes tinha de fato uma carga viral inferior a 50 cópias / ml).

Os estudos usaram um ponto de corte mais alto para garantir a precisão dos resultados da carga viral e para permitir a comparação entre as várias pesquisas. Além disso, um corte mais alto pode capturar pequenos “blips” de carga viral, um aumento temporário da carga viral acima de 50 cópias por ml em um pico de carga viral que retorna a indetectávelem alguns momentose.

Isso é importante porque ajuda a determinar se os blips da carga viral criam um risco de transmissão do HIV. Os resultados desses estudos mostram que, se uma pessoa tiver um blip, isso não aumenta o risco de transmissão do HIV.

No entanto, a meta para resultados ideais de tratamento para um indivíduo que vive com HIV no Canadá é uma carga viral de menos de 50 cópias/ml, porque quando a carga viral é baixa, mas permanece acima de 50 cópias / ml, isso cria um risco de resistência aos medicamentos e rebote viral que pode levar ao fracasso do tratamento.

Nos estudos PARTNER / PARTNER2 e Opposites Attract, houve uma alta incidência de ISTs nos participantes (cerca de 25%). Entre os dois estudos, nenhuma transmissão de HIV ocorreu quando o parceiro HIV-positivo ou HIV-negativo teve uma DST. Somente no PARTNER/PARTNER2, houve 6.090 casos de sexo sem preservativo quando uma DST estava presente. Isso indica que uma carga viral indetectável impede a transmissão do HIV, mesmo na presença de outras DSTs.

Todos os participantes desses estudos participavam de consultas regulares de saúde para verificar a carga viral, fazer o teste de DSTs e receber aconselhamento sobre adesão e prevenção. Eles também foram tratados para DSTs quando necessário. Esses apoios abrangentes são uma parte importante dos cuidados de acompanhamento regular durante o TARV.

Os resultados desses (e anteriores) estudos fornecem um forte corpo de evidências mostrando que as pessoas que vivem com HIV, que aderem à TARV e fazem cuidados de saúde regulares, com uma carga viral indetectável sustentada, não transmitem o HIV sexualmente. Os estudos PARTNER e Opposites Attract mostram que isso é verdade mesmo quando não se usa preservativo e na presença de outras IST.

Até que ponto o uso de TARV para manter uma carga viral indetectável previne a transmissão do HIV a um bebê durante a gravidez e o parto?

Sem tratamento, as chances de nascimento de um bebê soropositivo sobem para um valor entre de 15% a 30% quando nascem de uma pessoa que vive com HIV.

No entanto, fazer o tratamento para o HIV é a maneira mais eficaz de reduzir a transmissão para o bebê. Na verdade, a pesquisa mostrou que, se uma pessoa grávida começa o tratamento para o HIV antes da gravidez e mantém uma carga viral indetectável durante a gravidez e o parto, ela não transmite o HIV ao bebê. Um curso curto de medicamentos para o HIV também é administrado ao bebê para prevenir a transmissão do HIV.

Um dos principais estudos que mostraram o impacto do tratamento na prevenção da transmissão do HIV a um recém-nascido foi um estudo de coorte francês conduzido entre 2000 e 2011. 

Este estudo descobriu que nenhuma transmissão do HIV ocorreu entre 2.651 bebês nascidos de mulheres cis gênero que estavam em tratamento antes de concebida e durante a gravidez e que apresentava carga viral indetectável no parto. 

No entanto, se o tratamento não for realizado durante toda a gravidez ou se uma carga viral indetectável não for mantida, ainda existe o risco de transmissão do HIV para o bebê durante a gravidez e / ou parto.

O teste de HIV é importante para pessoas que estão grávidas ou que estão pensando em engravidar. Pessoas com teste positivo devem começar o tratamento para o HIV o mais rápido possível para reduzir ou eliminar o risco de transmissão do HIV para seus bebês. Da mesma forma, as pessoas que vivem com HIV que desejam engravidar devem consultar um especialista em HIV o mais rápido possível, de preferência antes da concepção, para determinar um regime de tratamento adequado para a gravidez.

https://youtu.be/jWFPwMxSbs8

Quão bem o uso de TARV para manter uma carga viral indetectável previne a transmissão do HIV para um bebê durante a amamentação?

O risco de transmissão do HIV através da amamentação durante o tratamento e manutenção de uma carga viral indetectável é muito baixo, mas não é igual a zero. 

Uma revisão sistemática da transmissão do HIV em bebês amamentados de mulheres cisgênero em tratamento descobriu que o risco de transmissão após o nascimento era de 1% após seis meses de amamentação, aumentando para quase 3% após um ano. 

No entanto, nesses estudos, as mulheres permaneceram em tratamento por períodos variáveis ​​de tempo e não continuaram o tratamento além de seis meses após o parto. A revisão sistemática não considerou adesão à TARV E nem a carga viral, o que significa que não sabemos quantas mulheres tinham carga viral detectável no momento da transmissão, apesar de fazerem tratamento anti-HIV. 

Existem pesquisas muito limitadas sobre o impacto do tratamento e uma carga viral indetectável na transmissão do HIV durante a amamentação. Um estudo na Tanzânia entre 2013 e 2016 encontrou duas transmissões de HIV entre 177 bebês que foram amamentados por mulheres cisgênero que começaram o tratamento antes do nascimento do bebê. No entanto, em ambos os casos, as mulheres tinham uma carga viral detectável. Nenhuma transmissão ocorreu no contexto do tratamento com boa aderência e carga viral indetectável.

O estudo PROMISE, conduzido na África e na Índia, forneceu tratamento para 2.431 mulheres cisgênero lactantes ou seus bebês recém-nascidos. Entre as 1.219 mulheres cisgênero que receberam tratamento, sete bebês contraíram o HIV aos 12 meses (uma taxa de contágio do HIV em 0,57%). 

Apenas dois desses casos ocorreram em mulheres com carga viral indetectável. Outro estudo encontrou dois casos de transmissão do HIV entre mulheres que amamentam, que pareciam ter uma carga viral indetectável no momento da transmissão. No entanto, em todos os casos acima, há suspeita de baixa adesão ao tratamento.

 

As diretrizes canadenses continuam a recomendar que os pais HIV-positivos alimentem seus bebês exclusivamente com fórmula para eliminar a possibilidade de transmissão. Aqui no Brasil eu não posso deixar de chamar à atenção notáveis e bem-sucedidos esforços de Renata Cholbi, cuja trajetória pude acompanhar, em silêncio, enquanto seguia meu próprio caminho na causa. As vidas que Cholbi salvou, melhorou, prolongou foram, e são tantas que não posso, não poderia deixar de render-lhe esta homenagem aqui:

Renata Cholbi. Tanto nomini nullum por elogium’, ou seja, “Tão grande nome nenhum elogio alcança-o

No entanto, devido às evidências que mostram risco mínimo e aos apoios disponíveis em países com muitos recursos, como o Canadá, há um movimento crescente para apoiar as pessoas com HIV que desejam amamentar e para ajudá-las a fazer isso da maneira mais segura possível. 

Isso inclui: oferecer informações imparciais sobre o risco de transmissão do HIV por meio da amamentação; fornecer monitoramento de carga viral aumentada e suporte de adesão; e fornecer tratamento profilático para bebês nascidos de pessoas que vivem com HIV.

Até que ponto o uso de TARV para manter uma carga viral indetectável previne a transmissão do HIV por meio do uso de drogas injetáveis?

A pesquisa limitada disponível sugere que estar em TARV e manter uma carga viral indetectável é eficaz para ajudar a prevenir a transmissão do HIV entre pessoas que injetam drogas; no entanto, não há evidências suficientes para concluir que não há risco. Pessoas que injetam drogas devem ser encorajadas e apoiadas a usar novas agulhas e outros equipamentos toda vez que usam drogas, para prevenir o HIV e outros males.

Os três principais estudos que analisam a transmissão sexual do HIV (HPTN 052, PARTNER e Opposites Attract) não recrutaram sistematicamente pessoas que injetam drogas nos estudos, não perguntaram se os participantes estavam compartilhando equipamentos de injeção e não forneceram nenhuma análise relacionada aos participantes que relataram uso de drogas.

Dois estudos ecológicos de Vancouver e Baltimore relataram reduções em novas infecções por HIV ao longo do tempo e encontraram uma associação com uma redução na carga viral comunitária de pessoas que injetam drogas. 

Embora seja provável que o aumento da captação de TARV seja parcialmente responsável pelo declínio observado no número de novas infecções, é difícil saber o quanto dessa mudança pode ser atribuída a um aumento nos serviços de redução de danos que também ocorreu durante este período. 

Um estudo de coorte na Índia entre 14.481 pessoas que injetam drogas e 12.022 homens que fazem sexo com homens encontrou uma correlação clara entre a incidência estimada de HIV e a cobertura de tratamento em nível comunitário e supressão viral. Este estudo encontrou correlações significativas no nível da comunidade, mas uma vez que não foi projetado para examinar o risco individual de transmissão, nenhuma estimativa de eficácia estava disponível.

O uso de TARV para manter uma carga viral indetectável deve ser usado como um substituto para preservativos e outras estratégias de prevenção do HIV?

Embora o uso de TARV para manter uma carga viral indetectável funcione independentemente de se usar preservativos ou PrEP, todos devem ser capazes de escolher uma estratégia de prevenção que funcione melhor para eles. Esta estratégia é uma das várias opções altamente eficazes para prevenir a transmissão sexual do HIV; entretanto, não oferece proteção contra DSTs (como herpes, clamídia, gonorréia ou sífilis). Os preservativos são a única estratégia eficaz para ajudar a prevenir DSTs.

E tem sido, devo aduzir, a estratégia mais presente ao longo dos anos que teve as propriedades de diminuir o número de pessoas contaminadas, e possivelmente mortas, com tal expressividade que me faz pensar, e dizer que PrEP e TasP chegam á beira da insensatez, tendo em vista o volume de recursos econômicos envolvidos.

 

Para as pessoas que usam drogas injetáveis, outros programas de prevenção e estratégias (tais como a distribuição e utilização do novo equipamento de injecção) são importantes para a transmissão ajuda a prevenir o HIV, e para evitar outras infecções transmissíveis pelo sangue, tais como hepatite C. 

Mormente esta importância, vidas salvas cotidianamente, temo que, neste momento de obscurantismo político, social, cultural e humanista não é impossível, e tmo estar “dando ideias”, que os programas de redução de danos sejam interrompidos, paralisados ou mesmo destruídos em nome do controle vacinal do COVID-19, necessário, urgente e importantíssimo, enquanto não se encontra melhores preços para agulhas e seringas. Quando houve o afã e o tesão da aquisição de cloroquina, os preços não foram “forças impeditivas”.

A colinha do Bozo, no entanto…

Minhas observações finais:

Sim! Está “cientificamente comprovado” que carga viral e contágio relacionam-se. Mas continua muito bem comprovado, na vida prática, que o uso de preservativo, por si, acarreta em menos problemas e evita, com 100% de eficácia, o contágio, independentemente de carga viral.

Carga viral e contágio relacionam-se e, no entanto, se você me permite ingerir em sua vida, considere, sempre, sempre e sempre, o uso da camisinha, o preservativo, pois você nunca poderá ter certeza de estar com sua carga viral indetectável na hora da transa e, se ela não estiver indetectável naquele momento, naquele dia, o preservativo “fará o serviço”, fará a diferença.

Eu sei o  que representou não usar o preservativo, em minha vida. E sei o que ainda representa e já posso antever, o que ainda virá a representar.

 

Se pelo menos…

Leitura complementar
  1. Infecção Por HIV: Medicação Contra o HIV Evita a Infecção Por HIV
  2. Rebote Viral e Dependência Química
  3. Carga Viral Indetectável Dá Teste Negativo?
  4. Carga Viral Indetectável e transmissão para HIV-negativos
  5. Carga Viral Indetectável dá Não reagente?
  6. CD4 Saiba o que é E Entenda Porquê Hemograma Não Avalia Imunidade!
  7. A PrEP e Casais Sorodiscordantes
  8. Risco de pegar HIV! Quais São Os Seus Riscos Nestes cenários?
  9. Infecção por HIV Sinais e Sintomas – Linkando para Rash
  10. Carga Viral! O que é, E Para Que Servem Testes de Carga Viral?

Referências

  1. Cohen MS, Chen YQ, McCauley M, et al. Prevenção da infecção pelo HIV-1 com terapia antirretroviral precoce. New England Journal of Medicine. 11 de agosto de 2011; 365 (6): 493–505.
  2. Cohen MS, Chen YQ, McCauley M, et al. Terapia anti-retroviral para a prevenção da transmissão do HIV-1. New England Journal of Medicine. 2016; 375 (9): 830–839. Disponível em: http://www.nejm.org/doi/pdf/10.1056/NEJMoa1600693
  3. Eshleman SH, Hudelson SE, Redd AD, et al. Tratamento como prevenção: Caracterização das infecções por parceiros no ensaio HIV Prevention Trials Network 052. Journal of Acquired Immune Deficiency Syndromes. 1 de janeiro de 2017; 74 (1): 112–116.
  4. Rodger AJ, Cambiano V, Bruun T, et al. Atividade sexual sem preservativos e risco de transmissão do HIV em casais sorodiferentes quando o parceiro HIV positivo está usando terapia antirretroviral supressiva. Journal of the American Medical Association. 2016; 316 (2): 171–181. Disponível em: http://jama.jamanetwork.com/article.aspx?articleid=2533066
  5. Rodger AJ, Cambiano V, Bruun T, et al. Risco de transmissão do HIV por sexo sem preservativo em casais gays sorodiferentes com parceiro HIV positivo em terapia antirretroviral supressiva (PARCEIRO): resultados finais de um estudo multicêntrico, prospectivo e observacional. The Lancet. 2 de maio de 2019; 393 (10189): 2428–2438.
  6. Bavinton BR, Pinto AN, Phanuphak N. et al. Supressão viral e transmissão do HIV em casais sorodiscordantes do sexo masculino: um estudo de coorte internacional, prospectivo, observacional. Lancet HIV. Agosto de 2018; 5 (8): e438 – e447.
  7. Bispo S, Chikhungu L., Rollins N., et al. Transmissão pós-natal do HIV em bebês amamentados de mulheres infectadas pelo HIV em TARV: uma revisão sistemática e meta-análise. Jornal da Sociedade Internacional de AIDS. 20 de fevereiro de 2017; 20 (1): 1–8.
  8. Mandelbrot L, Tubiana R, Le Chenadec J, et al. Nenhuma transmissão perinatal do HIV-1 em mulheres com terapia antirretroviral eficaz antes da concepção. Doenças Infecciosas Clínicas. 2015; 61 (11): 1715–1725.
  9. Luoga E, Vanobberghen F, Bircher R et al. Nenhuma transmissão de HIV de mães com supressão viral durante a amamentação na Tanzânia rural. Journal of Acquired Immune Deficiency Syndromes. 2018; 79 (1): e17-e20.
  10. Flynn PM, Taha TE, Cababasay M et al. Prevenção da transmissão do HIV-1 através da amamentação: Eficácia e segurança da terapia antirretroviral materna versus profilaxia infantil com nevirapina para a duração da amamentação em mulheres infectadas pelo HIV-1 com alta contagem de CD4 (IMPAACT PROMISE): um ensaio clínico randomizado e aberto. Journal of Acquired Immune Deficiency Syndromes. 2018; 77 (4): 383-392.
  11. Shapiro RL, Hughes MD, Ogwu A, et al. Esquemas anti-retrovirais na gravidez e amamentação no Botswana. New England Journal of Medicine. 17 de junho de 2010; 362 (24): 2282–2294.
  12. Palombi L, Pirillo MF, Andreotti M, et al. Profilaxia anti-retroviral para a transmissão da amamentação no Malawi: concentrações do medicamento, eficácia virológica e segurança. Terapia antiviral. 2012; 17 (8): 1511–1519.
  13. Kahlert C, Aebi-Popp K., Bernasconi E, et al. A amamentação é uma opção de equilíbrio em mães infectadas com HIV tratadas com eficácia em um ambiente de alta renda? Swiss Medical Weekly. 23 de julho de 2018; 148: w14648. Disponível em: https://smw.ch/article/doi/smw.2018.14648
  14. Nashid N, Khan S, Loutfy M. Amamentação por mulheres que vivem com o vírus da imunodeficiência humana em um ambiente rico em recursos: uma série de casos de manejo materno e infantil e resultados. Journal of the Pediatric Infectious Disease Society. 2019; na imprensa.
  15. Wood E, Milloy MJ, Montaner JS. Tratamento do HIV como prevenção entre usuários de drogas injetáveis. Opinião atual em HIV e AIDS. Mar de 2012: 7 (2): 151–156.
  16. Wood E, Kerr T, Marshall BDL, et al. Plasmas comunitários longitudinais Concentrações de RNA do HIV-1 e incidência de HIV-1 entre usuários de drogas injetáveis: estudo de coorte prospectivo. British Medical Journal. 16 de maio de 2009: 338 (7704): 1191–1194.
  17. Fraser H, Mukandavire C, Martin NK, et al. Tratamento do HIV como prevenção entre usuários de drogas injetáveis ​​- uma reavaliação das evidências. International Journal of Epidemiology. 1 de abril de 2017; 46 (2): 466–478.
  18. Kirk G, Galai N., Astemborski J, et al. O declínio da carga viral na comunidade está fortemente associado ao declínio da incidência de HIV entre UDI: In: Proceedings of the 18th conference on Retroviruses and Opportunistic Infections; 27 de fevereiro a 2 de março de 2011, Boston, MA, EUA; 2011.
  19. Solomon SS, Mehta SH, McFall AM, et al. Carga viral comunitária, cobertura de terapia antirretroviral e incidência de HIV na Índia: um estudo transversal comparativo. The Lancet HIV. 2016; 3 (4): e183 – e190.
  20. Nolan S, Milloy MJ, Zhang R. Adesão e resposta do RNA do HIV no plasma à terapia anti-retroviral entre usuários de drogas injetáveis ​​soropositivos para HIV em um ambiente canadense. AIDS Care. 2011; 23 (8): 980–987.

Autor (es): Arkell C.

Publicado: 2020

 

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Converse com Cláudio Souza