Últimas noticias

Abuso sexual de crianças e adolescentes: Pessoas acima de qualquer suspeita

 

Foram três casos em seis dias. Agressores são casados e têm filhos

Damn sick bastard my father

Gabriela Coelho, com agências

Em menos de uma semana, o DF registrou três crimes de abuso sexual contra crianças, adolescentes e mulheres. O que chama a atenção é que nestes casos recentes, os supostos abusadores têm uma vida aparentemente normal. São casados e têm filhos -a princípio, acima de qualquer suspeita. Nestes últimos registros, as vítimas não conheciam os criminosos. A característica vai na contramão das estatísticas, uma vez que na maioria dos abusos, os agressores são conhecidos. Muitas vezes, familiares.

Prohibit Corporal Punishment by LawNa quinta-feira passada, um funcionário de uma empresa de telecomunicações foi detido suspeito de estuprar um adolescente que estava sozinho em casa, no Recanto das Emas. No mesmo dia, um pastor de 36 anos foi preso por abusar de quatro crianças em Águas Lindas (GO). Na última segunda, um homem foi preso por estuprar quatro mulheres. J.A.A., 44 anos, que afirmou ser o superintendente de Meio Ambiente da Prefeitura de Planaltina de Goiás, se passava por condutor de transporte pirata.

Segundo a delegada-chefe da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), Valéria Martirena, nos últimos seis meses, 27 suspeitos de abuso sexual contra menores foram presos no DF. “Todos eram conhecidos da vítima ou mantinham alguma convivência”, diz.

PARENTES

Valéria explica que, em geral, os agressores não levantam desconfiança. “São bons vizinhos, bons colegas de trabalho, o que produz maior confusão, pois deles não se espera uma atitude tão degradante”, diz.

A supervisora do Centro de Referência para Violência Sexual da Vara da Infância, Viviane Amaral, esclarece que existem vários tipos de violência sexual. “Não ocorre apenas quando há penetração, mas por uma série de atividades, como passar a mão no corpo, manipulação de genitais, simular o coito, exibicionismo e estímulo à nudez”, explica.

Mais vítimas de técnico

Outras duas vítimas do técnico em telecomunicações W.S., 34 anos, foram à delegacia denunciar. T.A.S. e H.P.R., ambas de 25 anos, estavam em casa quando receberam dois técnicos para reparos na TV. “Ele me olhava de um jeito estranho, como se fosse me devorar. Quando o outro técnico saía de perto, ele me cercava e passava a mão nos meus seios. Entrei em pânico e não sabia o que fazer”, diz a autônoma T.

Ela afirma que não gritou porque ficou sem reação. “Quando eu tinha 12 anos, fui abusada por um parente.

E tudo que o técnico fazia era exatamente igual ao que eu vivi. Só quem passou por isso sabe o que sentimos”, conta. A mulher diz que ficou tranquila com a prisão do suspeito, mas ainda se sente ameaçada. “Não sei quando ele vai sair. Fico com mania de perseguição. Acho que todos estão olhando para mim e qualquer um é suspeito”, revela.

CONSEQUÊNCIAS

Segundo Viviane Amaral, da Vara da Infância, as vítimas que mais sofrem abuso são crianças de três a nove anos. “Nessa idade, as crianças são dependentes dos responsáveis e têm medo de se expressar. Sentem-se constrangidas ou até com medo do que pode acontecer”, afirmou.

Segundo a supervisora, o comportamento após o abuso varia. “Tudo depende do ambiente familiar. Algumas crianças ficam mais agressivas, outras se retraem. Algumas sentem vergonha do corpo, outras fazem xixi na cama e sentem terror noturno. Temos aquelas também que se sentem culpadas e não falam mais. Depende muito da criança”, diz.

SAIBA +

O artigo 244-A da Lei 8.069/90 (Estatuto da Criança e do Adolescente) prevê pena de quatro a dez anos de reclusão e multa para quem submeter criança ou adolescente à exploração sexual.

Segundo o ECA, incorrem nas mesmas penas o proprietário, o gerente ou o responsável pelo local em que se verifique a submissão de criança ou adolescente às práticas sexuais .

O abuso sexual é considerado uma violação de direitos básicos da criança e do adolescente, tais como o direito à Sexualidade saudável, ao respeito, à dignidade, à integridade física e emocional, à convivência familiar.

Mapa da violência

A violência sexual em crianças de até nove anos é o segundo maior tipo de violência mais característico nessa faixa etária, ficando pouco atrás apenas para as notificações de negligência e abandono. A conclusão é de um levantamento inédito do Ministério da Saúde, que, em 2011, registrou 14.625 notificações de violência doméstica, sexual, física e outras agressões contra crianças menores de dez anos.

A violência sexual contra crianças até os nove anos representa 35% das notificações. Já a negligência e o abandono têm 36% dos registros. Os números são do sistema de Vigilância de Violências e Acidentes (Viva) do Ministério da Saúde. O Viva possibilita conhecer a frequência e a gravidade das agressões e identificar a violência doméstica, sexual e outras formas (física, sexual, psicológica e negligência/abandono). Esse tipo de notificação se tornou obrigatório a todos os estabelecimentos de saúde do Brasil, no ano passado.

IDADES

violência

Os dados preliminares mostram que a violência sexual também ocupa o segundo lugar na faixa etária de 10 a 14 anos, com 10,5% das notificações, ficando atrás apenas da violência física (13,3%). Dos 15 aos 19 anos, esse tipo de agressão ocupa o terceiro lugar, com 5,2%, atrás da violência física (28,3%) e da psicológica (7,6%). Os dados apontam que 22% dos registros

(3.253) envolveram menores de um ano e 77% foram na faixa etária de um a nove anos. O percentual é maior em meninos (17%) do que meninas (11%).

A maior parte das agressões ocorreram na casa da criança (64,5%). Em relação ao meio utilizado para agressão, a força corporal/espancamento foi o meio mais apontado (22,2%), atingindo mais meninos (23%) do que meninas (21,6%). Em 45,6% dos casos, o provável autor da violência era do sexo masculino. Grande parte dos agressores são pais e outros familiares, ou alguém do convívio muito próximo, como amigos e vizinhos.

JORNAL DE BRASILIA – DF | SEGURANÇA

ASSUNTOS RELACIONADOS À DST/AIDS E HEPATITES

23/05/2012

Veja a matéria no site de origem

 

 

el guapoNotas do Editor de Soropositivo.Org:

Os grifos são meus.

Acho as penas brandas e tudo isso devia dar em prisão perpétua e nem mesmo os restos mortais deveriam sair de lá. Devem apodrecer na cadeia e nem mesmo seus ossos poderiam sair dali se dependesse de mim

Abuso sexual e violância contra crianças é como sequestro. AS sequelas são para a vida toda (…)

 

um-dia-eu-estive-assim

 

Anúncios

Precisa conversar

Whats App Soropositivo.Org

Estamos aqui para ajudar a pensar, não para diagnosticar

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico 2013/2014

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico
Sobre Claudio Santos (508 artigos)
Depois de passar quatro décadas tentando estabelecer pelo menos um armistício com meu pai e ver as falhas ocorrerem sistematicamente, tentativa após tentativa, eu desisti do sobrenome “de Souza”. Estava me preparando espiritualmente para isso quando uma amiga locupletou a façanha de descobrir onde está minha mãe... Cláudio Santos. Quem preferir, aluda-se a mim como o Cláudio do Site,ou Cláudio do Soropositivo.Org, ou ainda aquele da promessa não cumprida: Cláudio, o trouxa do livro que acreditou em "palavra emprenhada". Eu mostro meu rosto, embora alguns me censurem, porque, no meu modesto ponto de vista, ser portador de HIV não é crime e, portanto, não há do que me envergonhar. Eu contraí HIV pela via sexual. Eu fui um DJ e, durante cinco anos fui DJ no vagão Plaza e durante uns outros dois fui DJ do Le Masque. Lá, um filho da puta me pediu para fazer minhas férias e puxou meu tapete. Aí fui parar na "Segredos", uma casa gay e, de quebra, morei lá por um tempo. Rua da Amargura, onde R.A. Gomes me colocou. Mas dei a volta por cima e fu trabalhar na SKY. Depois, na Pink Panther, em Santos e, enfim, na XEQUE Mate e, terminei minha carreira, aquele que fora três vezes considerado o Melhor DJ de São Paulo, como um apagado DJ do La Concorde e do Clube de Paris, onde conheci uma das mais belas mulheres com quem convivi e a perdi. Conheci alguém novo, uma mulher, "do dia", que me apresentou esta Entidade, o computador e, por muito tempo vivi de consertá-los. Sei, hoje, que ainda há muita gente que me odeia. Quer saber? Get them the hell and fuck off porque eu não dou a mínima. Simplesmente faço meu trabalho e me reporto a Deus... E pra quem não acredita em resiliência, eis meu histórico médico De acordo com o que preceitua o Código de Ética Médica, nos termos da legislação vigente e de conformidade com o pedido formulado pelo interessado, declaro que o Sr Cláudio Santos de Souza, matrícula no serviço sob registro RG3256664J, está em acompanhamento regular com seguintes diagnósticos/CID-10 até o presente momento: #HIV/Aids diagnóstico em 11/1996 (B24) #Candidíase oral 1996 (B20.4) #lnfecção latente tuberculosa tratada com Isoniazida em 1997 (Z20.1) #Arritmia cardíaca: bloqueio parcial ramo D/bradicardia sinusal por antidepressivos tricíclicos em 2006 (I49.9/R00.1) #Depressão (F32) Dislipidemia (E78.5) Diabetes (E14.) Obesidade (E66.) #PO tardio de gastroplastia redutora (técnica Capella 10/2011) #Embolia Pulmonar (126.) em 2011 + hipertensão pulmonar #HAS (110) controlada após cirurgia bariátrica Catarata (H26.9) #Sífilis (A51.0) gonorréia (A54.0), herpes genital (A60) Litíase vesicular (K80.5) #Trombose venosa profunda/tromboflebite MMII de repetição (182.9): 2008, 2009 e 2010 #lntervenção cirúrgica em 21/01/2013: de herniorrafia incisional abdominal, apendicectomia, colecistectomia #Herpes zoster ramo oftálmico 04/2015 (B02) 2 # Neuropatia periférica em membros superiores e inferiores (G62.9), acarretando fraqueza muscular, parestesias e dor, medicado e em seguimento pela equipe de dor #Angioma cavernoso cerebelar - em seguimento com neurologia Tratamento: TDF+3TC+ATVr, ezetimibe, alopurinol, AAS, atorvastatina, enoxaparina, clomipramina, risperidona, zolpidem, clorpromazina, flunitrazepam, gabapentina, amitriptilina, metadona Últimos exames: CD4=1070 (28%)/CD8=1597 rel=0,67 (08/03/2015) e Carga viral- HIV(PCR)

Seu retorno é importante. Nós atendemos às solicitações de textos, desde que ligados ao tema central de alguma forma. Faça seu comentário, de sua opnião

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: