Cuidados contra HIV e COVID-19COVID-19

Cuidados contra HIV, COVID-19 E BolsoAsnismo: Continuidade Ameaçada

[vc_row][vc_column][vc_column_text]Cuidados contra HIV e COVID-19 tem se relacionado de forma a uma crescente escalada na dificuldade de obtenção de acesso á medicação, bem como na exposição para lá de constante e absurda, toda santa e maldita vez que temos de buscar a medicação[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column]

[better-newsticker ticker_text=”Os mais lidos do dia!” cat=”” count=”10″ _advanced=”” speed=”20″ clickable=”1″ post_type=”” title=”Os mais lidos do dia!” show_title=”0″ icon=”” heading_color=”” heading_style=”default” title_link=”” bs-show-desktop=”1″ bs-show-tablet=”1″ bs-show-phone=”1″ bs-text-color-scheme=”” css=”” custom-css-class=”” custom-id=””]

[/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text el_id=”diferenca-social-e-vulnerabilidade-historica”]Um golpe duplo da pandemia e do governo antipático a tudo o que é humano ameaça minar a resposta ao HIV no Brasil. Relatórios de Joe Parkin Daniels.

Bolsonaro e Bolsonaristas não se envergonham de suas evidentes e conhecidas tendências fascistas e genocidas

A resposta do Brasil ao HIV / AIDS há muito tem recebido aplausos. Quando as infecções aumentaram na década de 1990, o maior país da América do Sul ofereceu a administração gratuita e universal de terapia anti-retroviral (TARV) e pediu às empresas farmacêuticas que baixassem os preços dos medicamentos. 

Em outro movimento que se mostrou um exemplo de modelagem de comportamento em face da crise, o Brasil ficou entre os primeiros 40 países a oferecer autoteste. 

O vasto país, com uma população de 209 milhões de pessoas, era visto como o porta-estandarte para os países em desenvolvimento em sua luta contra o HIV / AIDS.

Cuidados contra HIV e COVID-19 Má reputação do BolsoAsnismo

E, no entanto, essa reputação agora é ameaçada por duas forças frequentemente entrelaçadas: 

  • a pandemia COVID-19, que continua a devastar o país e toda a região;
  • e Jair Bolsonaro, o presidente populista de direita que não esconde seu ceticismo em relação à ciência e sua antipatia por grupos populacionais vulneráveis, incluindo a comunidade LGBT +.

“É necessário enfatizar que a resposta brasileira ao HIV / AIDS foi uma das maiores conquistas no contexto do Sistema Único de Saúde”, disse Beto de Jesus, gerente do programa nacional para o Brasil da AIDS Healthcare Foundation. 

“Já estávamos passando por uma crise acumulada antes da pandemia de COVID-19; com a conduta do atual governo com cortes e congelamentos na área de saúde, educação e assistência social, a situação só se agrava. A pandemia revelou uma situação dramática! ”

Diferenças Sociais  Sempre Dificultaram as coisas, mas os Cuidados contra HIV e COVID-19 Juntos, Pioraram tudo

Você soma a isso o “BolsoAsnismo…

Poucos países ou regiões estavam preparados para lidar com a chegada do COVID-19, embora no Brasil – que como a maioria da América Latina tem grande desigualdade – as ramificações sociais, econômicas e de saúde pública tenham sido particularmente pronunciadas. 

Em 2018 (último ano para o qual existem dados disponíveis), a desigualdade de renda na maior economia da região atingiu seu maior índice desde 2012, quando teve início a série de estatísticas nacionais. 

Essa disparidade foi revelada quando Cleonice Gonçalves, empregada doméstica de um bairro nobre do Rio de Janeiro. Morreu de COVID-19 em março, provavelmente contraída pela patroa, que recentemente estivera no exterior. 

Certamente, penso eu, por conta da impossibilidade de ficar em casa, sem salário, sem apoio e sem renda.

Em meados de setembro, o Brasil tinha mais de 4 milhões de casos confirmados de COVID-19, com mais de 125 mil mortes. Apenas os EUA e a Índia tiveram mais casos.

Pobres E Vulneráveis Na relação entre Cuidados contra HIV e COVID-19

Enquanto o COVID-19 devastava comunidades pobres e vulneráveis ​​- especialmente nos centros urbanos do país – muitos especialistas em saúde viram semelhanças com a epidemia de HIV / AIDS em curso, que também expôs falhas sociais.

Cerca de 920.000 pessoas vivem com HIV no Brasil, de acordo com dados do UNAIDS, e as populações-chave apresentam taxas mais altas: 30% de prevalência entre pessoas trans, 18,3% entre gays e outros homens que fazem sexo com homens e 5,3% entre as trabalhadoras do sexo.

“Quarenta anos respondendo à epidemia de HIV nos ensinou que a comunidade e os direitos humanos devem estar no centro de qualquer pandemia ou resposta de saúde pública”, disse Claudia Velasquez (diretora nacional do UNAIDS no Brasil) ao The Lancet HIV[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text css_animation=”rotateInDownLeft” el_id=”antes-da-pandemia-covid-19″]

A Vulnerabilidade Histórica Relacionada ao HIV

“Essa vulnerabilidade histórica ao HIV no Brasil, que já ocorria antes da pandemia COVID-19, também está fortemente ligada a outros determinantes sociais da saúde, como racismo estrutural, violência contra a população LGBTI + e exclusão social e econômica.”

O preconceito contra as populações vulneráveis, em particular as pessoas LGBTI +, quase não foi reduzido durante o mandato de Bolsonaro como presidente. 

O líder populista fez campanha em uma plataforma de conservadorismo social, muitas vezes usando uma retórica flagrantemente homofóbica, e não amadureceu no cargo.

Em julho deste ano, o respeitado jornal Folha da São Paulo noticiou que Bolsonaro havia zombado de funcionários presidenciais que usavam máscaras protetoras como “fadas”; anteriormente, em dezembro de 2019, ele agrediu um jornalista, dizendo “você tem uma cara terrivelmente homossexual”.

As lutas dos membros da comunidade LGBTI + vivendo com HIV foram narradas em detalhes no último relatório do UNAIDS, Rights in a Pandemic, que citou uma jovem brasileira descrevendo sua experiência na casa de seus pais. 

“Ser lésbica as deixou tão decepcionadas comigo que não importa o que eu faça, nunca é o suficiente”, disse a mulher. 

“Sinto que estou vendo minha vida passar pelos olhos de outra pessoa – porque não sou quem eles querem que eu seja, mas também não posso ser eu mesma quando estou em sua casa.”

Velasquez disse ao The Lancet HIV que a história da mulher é indicativa de um problema mais amplo. [/vc_column_text]

[better-ads type=”banner” banner=”196235″ campaign=”none” count=”2″ columns=”1″ orderby=”rand” order=”ASC” align=”center” show-caption=”1″ lazy-load=””]

[/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text css_animation=”fadeInDownBig” el_id=”longas-viagens-ara-retirar-antirretrovirais”]

Não somos diferentes e, se você crê que somos precisa de orientação psicológica. Ou, talvez, de ajuda psiquiátrica!

Lésbicas e Mulheres Bissexuais: Vulneráveis e Ignoradas

 

“Mulheres e lésbicas não fazem parte das populações-chave para a dinâmica da epidemia de HIV no Brasil, mas essa afirmação também reflete os níveis de vulnerabilidade enfrentados pelas populações LGBT +, incluindo gays e homens que fazem sexo com homens e pessoas trans, que são parte das populações-chave na dinâmica e resposta ao HIV. ”

Bolsonaro, que procurou minimizar a seriedade do COVID-19, também demonstrou pouco interesse em combater o surto de HIV. A turbulência em curso no ministério da saúde – o Brasil passou por dois ministros da saúde em um mês no início do surto no país – significa que a política transacional muitas vezes suplanta a política bem pensada.

Isso segue tentativas mais sutis de minar a resposta do país ao HIV / AIDS, como a decisão tomada em maio de 2019 de transformar o departamento de HIV/AIDS do ministério em um órgão mais amplo e abrangente: 

o Departamento de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. 

Quando isso aconteceu, a equipe foi transferida entre os departamentos, levando a uma maior desorganização. Ao longo do ano passado, organizações não governamentais (ONGs) que trabalham no campo relataram que o ministério da saúde censurou ou interrompeu a distribuição de materiais relacionados à prevenção e tratamento do HIV publicados por administradores anteriores. 

A ANAIDS, um coletivo de ONGs líderes que trabalham com HIV / AIDS no Brasil, estima que o país tenha visto uma redução de 30% nos serviços que fornecem acesso à profilaxia pré-exposição. 

O teste de HIV e o monitoramento de CD4 também foram afetados e as cadeias de suprimentos de medicamentos e suprimentos continuam a sofrer interrupções.

Com a pandemia de COVID-19, a disfunção só aumentou. Nos meses de verão de maio e junho, enquanto os casos COVID-19 disparavam, Bolsonaro tratou a pandemia como um problema que poderia ser resolvido com retórica dura e uma força-tarefa de chefes militares. 

Os resultados foram contagens de casos artificialmente baixas e infraestrutura de saúde em colapso em alguns pontos remotos do país, como a cidade amazônica de Manaus. 

Essas medidas foram agravadas pelas dificuldades práticas para profissionais de saúde e pacientes durante uma pandemia.

“Em termos de continuidade programática, a maioria dos programas governamentais de AIDS (nos níveis federal, estadual e local) estão trabalhando em casa, o que desacelerou e complicou tudo em termos de função dos programas”, disse Richard Parker, diretor da a Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS (ou ABIA), uma ONG local que trabalha no Brasil desde 1987.

“Os serviços de saúde têm sido sobrecarregados com casos de COVID-19, puxando equipes de todas as outras áreas para ajudar no cuidado e tratamento de COVID -19. ”

Copyright © 2020 Barong

A falta de liderança de Brasília, a capital, exigiu que a sociedade civil ganhasse a folga, embora esse esforço também seja prejudicado pela hesitação do governo central. O Ministério da Saúde anunciou no ano passado que haveria novas linhas de apoio e chamadas de propostas para apoiar ONGs no início de 2020, “mas uma vez que o COVID-19 chegou, tudo parece ter sido cancelado”, disse Parker. “As chamadas de financiamento que deveriam acontecer no primeiro semestre de 2020 ainda não foram emitidas, e agora estamos no segundo semestre do ano.”

No entanto, a importância dessas ONGs durante a pandemia é difícil de subestimar, de acordo com Claudia Velasquez. “No Brasil, temos testemunhado um importante engajamento da sociedade civil envolvida na resposta ao HIV, desde o engajamento e mobilização para pesquisas online, até a participação e implementação de treinamentos virtuais e projetos emergenciais de solidariedade para distribuição de alimentos básicos e higiene. , bem como distribuição baseada na comunidade de medicamentos anti-retrovirais para aqueles que faziam parte dos grupos vulneráveis ​​ao COVID-19. ”

Algumas pessoas que vivem com HIV organizaram protestos, pedindo ao governo que relaxe suas regras sobre a distribuição de TARV. Normalmente, apenas 1 mês de drogas é distribuído de uma vez; por causa da pandemia, as pessoas estão pedindo suprimentos que duram 3 meses. Em alguns locais do país, os governos locais concordaram em fornecer medicamentos para até 2 meses. Outros pacientes dependem de ONGs.

Uma delas é Márcia (pseudônimo), de uma pequena cidade do interior de Minas Gerais.

Normalmente viaja a São Paulo para buscar os anti-retrovirais e para fazer exames e consultas médicas, mas por conta de bloqueios impostos pelas prefeituras de Minas Gerais e de São Paulo, ela não pôde fazer.

Marcia agora depende de uma ONG local, Barong, para realizar sua terapia. “Claro que a maior preocupação é que o meu tratamento possa ser interrompido pela pandemia, algo em que Barong ajudou”, disse Marcia ao The Lancet HIV. “Além disso, tudo o que podemos fazer, todos que estão na minha situação, é seguir as recomendações do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde.”[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]publicado: dezembro de 2020

Identificação

DOI: https://doi.org/10.1016/S2352-3018(20)30312-X

Copyright

© 2020 Elsevier Ltd. Todos os direitos reservados.

ScienceDirect

Acesse este artigo em ScienceDirect

  • Copyright da Imagem © 2020 Barong

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column]

[better-ads type=”campaign” banner=”none” campaign=”196449″ count=”1″ columns=”1″ orderby=”rand” order=”ASC” align=”center” show-caption=”1″ lazy-load=””]

[/vc_column][/vc_row]

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.