Injeções de anticorpos PRO-140 mantém a supressão viral na fase 2 do estudo

Imagem do  vídeo CytoDyn PRO 140

Imagem do  vídeo CytoDyn PRO 140

Injeções subcutâneas de Pro 140, um anticorpo monoclonal que bloqueia a entrada do HIV em células, foi bem tolerada e manteve a carga viral indetectável por mais de um ano após a suspensão da terapia anti-retroviral (TARV) em pessoas com supressão viral, de acordo com um estudo apresentado no ASM Microbe 2016 na semana passada em Boston.

O HIV utiliza dois coreceptores – CCR5 e os receptores CXCR4 – juntamente com o receptor de superfície de células CD4 para inserir -se nas células. PRO 140 é um  anticorpo monoclonal humanizado que funciona bloqueando o CCR5, impedindo assim o HIV entre em células e comecem a replicar. Cerca de 70% das pessoas com HIV nos EUA e até 90% de pessoas recém-diagnosticados, tem o HIV com tropismo (atração) pelo receptor CCR5.

Estudos anteriores mostraram que uma única injeção intravenosa de PRO 140 reduziu drasticamente os níveis de HIV e uma injeção subcutânea semanal provocou uma redução da carga viral significativamente superior do que a de placebo. Os resultados sugerem que pro 140 não afeta negativamente as funções imunes normais mediadas pelo CCR5.

O anticorpo PRO 140 foi inicialmente desenvolvido pela Progenics mas foi adquirida pela CytoDyn em 2012.  Dados dos ensaios clínicos com o Pro 140 não tenham sido apresentados em conferências científicas ou em revistas médicas para vários anos, mas CytoDyn tenha emitido inúmeros press releases demarcando o seu progresso.

Paulo Maddon, um conselheiro científico na CytoDyn, apresentou achados a partir de uma fase 2B do estudo do Pro 140 como terapia de manutenção para pessoas que haviam alcançado supressão viral na  TARV de combinação padrão.

O estudo CD01  incluiu 39 pacientes HIV positivo adultos exclusivamente com o HIV tropístico ao CCR5 (de acordo com a análise de tropismo do DNA do Coreceptor), carga viral abaixo de 40 cópias/ml sobre uma superfície estável e um esquema de TARV de célula T CD4 contagem acima de 350 células/mm3. Mais de 90% eram homens com  idade mediana de 55 anos.

Todos os participantes deste  estudo aberto comutaram, com uma semana de sobreposição, a partir de seu esquema terapêutico de TARV para a aplicação semanal de injeções subcutâneas de 350mg  de PRO 140 em esquema de  monoterapia para até doze semanas. Aqueles que tiveram rebote viral reiniciaram a TARV.

Entre os 28 pacientes da coorte de avaliação a longo prazo do tratamento, 15 pessoas que mantiveram supressão viral por doze semanas foram treinadas para auto administrar as suas injeções (Nota do tradutor: É fácil de fazer, eu faço isso com outra medicação duas vezes por dia) e autorizadas a prosseguir com a terapia de manutenção pelo PRO 140 para um incremento adicional de 108 semanas em uma fase de extensão. Neste grupo 87% eram homens, 20% eram não-brancos, a idade média foi de 55, a mediana da contagem média de CD4 foi 586 células/mm3e eles haviam sido diagnosticados com HIV durante em média há 13 anos.

Destes  15 participantes, 10 estão ainda em PRO 140 sem TARV por de mais de um ano – e em alguns casos se aproximando de dois anos. Entre as pessoas testadas com um único exemplar de ensaio de RNA do HIV, a menor media de carga viral foi 0,4 cópias/ml.

Dos participantes restantes , quatro tiveram falha virológica (duas medições consecutivas de> 400 cópias/ml) e reiniciaram a TARV, enquanto um deixou o estudo com  carga viral indetectável em 47 semanas.

Os participantes não apresentaram elementos de prova de resistência a drogas, aqueles com falha virológica não experimentaram uma mudança no tropismo pelo HIV nos pacientes que  – permitiram a entrada do vírus usando os receptores CXCR4 em vez dos coreceptores CCR5  – e ninguém desenvolveu anticorpos contra o anticorpo PRO 140. Todos os participantes que reiniciaram a TARV recuperaram a plena supressão viral.

PRO 140 foi geralmente seguro e bem tolerado. Embora globalmente eventos adversos foram comuns (mais de 90% na fase de extensão), não foram relacionados com a droga nem eventos adversos graves ou abandono de tratamento por este motivo. Todos os eventos adversos relacionados à medicação foram reações locais à injeção, geralmente leve ou moderada.

“Para [mais de] um ano, a aplicação semanal subcutânea de PRO 140 350mg desde a plena supressão viral, foi bem tolerada e permitiu a evasão de potencial toxicidade da TARV, preservando opções de drogas”, concluíram os pesquisadores . “Estes resultados suportam um maior desenvolvimento do Pro 140 SC como um simples e único agente a terápico de manutenção, com longa duração “único”  após a primeira TARV em  pacientes HIV-1 selecionados.”

Eles observaram que a fase de extensão do estudo em curso, com um plano para estender ainda mais a monoterapia com o  PRO 140 para além de 120 semanas para pacientes com a continuação da supressão viral.

Liz Highleyman

Publicado em: 28 de Junho de 2016

Traduzido por Cláudio Souza em 28/06/2016 – Publicado ainda não revisado dada a importância do fato

Está notícia que se segue, nos dá maiores esperanças a respeito dos Anticorpos PRO – 140

Referência

Lalezari J et al (Maddon P apresentar). PRO 140 SC monoterapia fornece de longo prazo e completa supressão virológica em pacientes com HIV. ASM micróbio, 2016.

Exibir resumo.

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas

Notícias relacionadas seleccionados a partir de outras fontes

More editors’ picks on new and experimental HIV treatments >