Últimas noticias

A busca pela cura da AIDS: Indivíduos não progressores provocam mais perguntas!

Nota do Editor: Encha-se de esperanças! Mas não abandone seu tratamento. Tudo isso foi feito com rigoroso controle médico depois de longas explanações sobre o risco e com consentimento esclarecido. Não seja uma cobaia de si...

Uma adolescente francesa com HIV, que conseguiu manter uma carga viral indetectável por 12 anos sem tratamento antiretroviral foi um importante tema de discussão na 8ª Conferência Internacional da International Aids Society (IAS) no mês passado em Vancouver. Enquanto ninguém está chamando este caso de cura, ele levanta algumas questões interessantes sobre “controle pós-tratamento” e pode fornecer pistas sobre como conseguir uma cura funcional ou remissão de HIV a longo prazo.

Asier Saez-Cirion

Asier Saez-Cirion – Foto: Internet

Asier Saez-Cirion do Instituto Pasteur em Paris descreveu o caso em uma coletiva de imprensa durante a conferência e o Simpósio de pré-conferência anual “Para a cura”.

A jovem, que agora tem 18 anos, foi infectada com o HIV durante a gravidez ou no momento do Parto. Isso porque a mãe dela, que foi apresentada ao obstetra pela primeira vez durante o período final da gravidez, tinha uma carga viral elevada no momento do parto e, infelizmente, embora o bebê tivesse recebido doses preventivas de zidovudina (AZT) logo após o nascimento, não foi possível evitar que ele desenvolvesse a infecção por HIV.

Depois de terminar as seis semanas de zidovudina, sua carga viral aumentou para um nível elevado, confirmando que ela, na verdade, estava infectada. Ela então começou a TARV para tratamento com três meses de idade.

Quando ela tinha quase seis anos a criança foi retirada dos cuidados e perdeu seu acompanhamento. Quando ela voltou um ano depois, a carga viral do sangue era indetectável, mesmo que ela não estava na TARV (Terapia Antirretroviral). Ela ficou fora de tratamento. Aos 12 anos ela teve substancial “blip” de replicação viral (atingindo cerca de 500 copies/ml) mas depois voltou para níveis indetectáveis virais.

A jovem agora tem estado sem o tratamento antirretroviral por 12 anos e tem carga viral indetectável no plasma de acordo com testes ultrassensíveis que pode medir até 4 copias /ml. A contagem de células T CD4 também permanece elevada e estável. Mas os pesquisadores podem detectar DNA Viral em suas células — e células isoladas podem ser reativadas para produzir o vírus em laboratório — mostrando que ela não foi curada.

“Este caso é um excepcional — isso é algo que queremos que fique bem claro,” Saez-Cirion advertindo em coletiva a imprensa:

 “A maioria dos pacientes infectados pelo HIV, crianças ou adultos, mesmo se eles começaram o tratamento muito cedo, se eles param o tratamento, eles vão perder o controle de infecção.”

“Esta jovem ainda está infectada pelo HIV e é impossível prever como seu estado de saúde vai mudar ao longo do tempo”, Jean-François Delfraissy, diretor do francês da Agencia Nacional da AIDS na França (ANRS), concordou. “O caso dela, porém, constitui um forte argumento adicional a favor de iniciação da terapia antirretroviral, logo que possível após o nascimento em todas as crianças nascidas de mães soropositivas.”

O que nos diz este caso?

Transmissão vertical de HIV está erradicada em Cuba. Clique na imagem para saber mais

Nos dias de hoje é possível evitar que a criança, filha de mãe soropositiva nasça sem HIV. Isso é tão importante que, em Cuba, a OMS decretou como erradicada a transmissão vertical, como é conhecida esta forma de contágio. Após a leitura clique nesta imagem para saber mais

No ano passado vi uma notícia decepcionante na busca de uma cura de HIV. Em julho de 2014, pesquisadores anunciaram que o bebê de “Mississippi” — uma criança que muitos especialistas pensaram que poderia ter sido curada do HIV — na verdade, ainda portava o vírus. Da mesma forma, um par de pacientes de transplante de medula óssea em Boston, que não mostraram sinais do HIV em seu sangue ou células enquanto em TARV experimentaram rebote viral vários meses depois de uma interrupção de tratamento experimental.

Isso deixa o Timothy Brown, o paciente de Berlim, como a única pessoa que ainda parece ter sido curada de HIV. Quase uma década atrás, Brown recebeu transplantes de medula óssea para tratar leucemia, usando células-tronco de um doador com uma mutação que ocorre naturalmente nos receptores CCR5-delta-32 que protegem as células T da infecção pelo HIV. Embora Brown tenha parado com a TARV durante esse processo, o HIV não retornou. Depois de mais de sete anos de testes, os pesquisadores não foram capazes de detectar vírus de replicação no seu plasma de sangue, células do sangue periféricos ou em qualquer outro lugar que buscaram.

Embora a adolescente francesa não entre para as fileiras das pessoas que podem ter sido curadas do HIV, ela se juntar a um pequeno grupo de “controladores de pós-tratamento” que parecem capazes de controlar o vírus, depois eles param o tratamento antirretroviral.

Saez-Cirion e seus colegas têm vindo a seguir um grupo crescente de adultos franceses, conhecido como o coorte de VISCONTI, que começou o tratamento durante a infecção de HIV aguda ou precoce, e que, depois de interrompida a terapia, e mantêm a carga viral indetectável no plasma sanguíneo. Mas eles não são livres de RNA do HIV em suas células-T e em outros lugares, como acontece com Brown.

Inspirado pelo grupo de VISCONTI e o bebê do Mississípi, equipe do Saez-Cirion procurou um banco de dados ANRS de pacientes pediátricos com infecção perinatal do HIV e identificou 100 que começaram o tratamento antes dos seis meses de idade. Destes, 15 pararam com a TARV enquanto sua carga viral era muito baixa ou indetectável. Na maioria desses, o rebote viral casos ocorreu dentro de um ano após a interrupção do tratamento. Mas uma criança manteve supressão viral durante mais de três anos, e a carga viral da adolescente permanece indetectável.

Saez-Cirion sugeriu que este é o primeiro caso de remissão de HIV muito longa em uma pessoa infectada na época nascimento e tratada precocemente — cerca de 10 anos mais que o bebê de Mississippi. A jovem francesa e a coorte de VISCONTI não fazem parte de outro grupo raro conhecido como “controladores de elite“. Esses indivíduos têm invulgarmente fortes respostas imunes que naturalmente mantém o HIV sob controle apesar de nunca tomar antirretrovirais. A adolescente francesa teve alta carga viral durante períodos o tratamento como um bebê, e ela não tem vários marcadores de sistema imunológico característicos dos controladores de elite.

“Essa garota não tem nenhum dos fatores genéticos conhecidos para ser associado com o controle natural da infecção”, disse Saez-Cirion. “Provavelmente que está em remissão virológica por tanto tempo porque ela recebeu uma combinação de antirretrovirais, logo após a infecção.”

A adolescente francesa e alguns pacientes do coorte de VISCONTI parecem ter uma resposta invulgarmente fraca ao HIV, e as células T em repouso não tornam-se ativadas e, assim, começam a produzir mais vírus novamente.

Isto pode ser desejável, pois evita a ativação imune persistente e inflamação geralmente visto em pessoas com infecção por HIV não tratada.

Esse recurso de controladores de pós-tratamento sugere que acalmar a resposta do sistema imune ao HIV — ao invés de reforço — possa ser uma abordagem para a realização de uma cura funcional.

Nota do Editor. Rolando esta página um pouco abaixo você encontrará, no terceiro vídeo, uma explanação muito simples e rápida sobre como o HIV se reproduz utlizando-se do mecanismo celular humano, especificamente o das células T-CD4

Anúncios

Precisa conversar

Whats App Soropositivo.Org

Estamos aqui para ajudar a pensar, não para diagnosticar

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico 2013/2014

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico
Sobre Claudio Santos (509 artigos)
Depois de passar quatro décadas tentando estabelecer pelo menos um armistício com meu pai e ver as falhas ocorrerem sistematicamente, tentativa após tentativa, eu desisti do sobrenome “de Souza”. Estava me preparando espiritualmente para isso quando uma amiga locupletou a façanha de descobrir onde está minha mãe... Cláudio Santos. Quem preferir, aluda-se a mim como o Cláudio do Site,ou Cláudio do Soropositivo.Org, ou ainda aquele da promessa não cumprida: Cláudio, o trouxa do livro que acreditou em "palavra emprenhada". Eu mostro meu rosto, embora alguns me censurem, porque, no meu modesto ponto de vista, ser portador de HIV não é crime e, portanto, não há do que me envergonhar. Eu contraí HIV pela via sexual. Eu fui um DJ e, durante cinco anos fui DJ no vagão Plaza e durante uns outros dois fui DJ do Le Masque. Lá, um filho da puta me pediu para fazer minhas férias e puxou meu tapete. Aí fui parar na "Segredos", uma casa gay e, de quebra, morei lá por um tempo. Rua da Amargura, onde R.A. Gomes me colocou. Mas dei a volta por cima e fu trabalhar na SKY. Depois, na Pink Panther, em Santos e, enfim, na XEQUE Mate e, terminei minha carreira, aquele que fora três vezes considerado o Melhor DJ de São Paulo, como um apagado DJ do La Concorde e do Clube de Paris, onde conheci uma das mais belas mulheres com quem convivi e a perdi. Conheci alguém novo, uma mulher, "do dia", que me apresentou esta Entidade, o computador e, por muito tempo vivi de consertá-los. Sei, hoje, que ainda há muita gente que me odeia. Quer saber? Get them the hell and fuck off porque eu não dou a mínima. Simplesmente faço meu trabalho e me reporto a Deus... E pra quem não acredita em resiliência, eis meu histórico médico De acordo com o que preceitua o Código de Ética Médica, nos termos da legislação vigente e de conformidade com o pedido formulado pelo interessado, declaro que o Sr Cláudio Santos de Souza, matrícula no serviço sob registro RG3256664J, está em acompanhamento regular com seguintes diagnósticos/CID-10 até o presente momento: #HIV/Aids diagnóstico em 11/1996 (B24) #Candidíase oral 1996 (B20.4) #lnfecção latente tuberculosa tratada com Isoniazida em 1997 (Z20.1) #Arritmia cardíaca: bloqueio parcial ramo D/bradicardia sinusal por antidepressivos tricíclicos em 2006 (I49.9/R00.1) #Depressão (F32) Dislipidemia (E78.5) Diabetes (E14.) Obesidade (E66.) #PO tardio de gastroplastia redutora (técnica Capella 10/2011) #Embolia Pulmonar (126.) em 2011 + hipertensão pulmonar #HAS (110) controlada após cirurgia bariátrica Catarata (H26.9) #Sífilis (A51.0) gonorréia (A54.0), herpes genital (A60) Litíase vesicular (K80.5) #Trombose venosa profunda/tromboflebite MMII de repetição (182.9): 2008, 2009 e 2010 #lntervenção cirúrgica em 21/01/2013: de herniorrafia incisional abdominal, apendicectomia, colecistectomia #Herpes zoster ramo oftálmico 04/2015 (B02) 2 # Neuropatia periférica em membros superiores e inferiores (G62.9), acarretando fraqueza muscular, parestesias e dor, medicado e em seguimento pela equipe de dor #Angioma cavernoso cerebelar - em seguimento com neurologia Tratamento: TDF+3TC+ATVr, ezetimibe, alopurinol, AAS, atorvastatina, enoxaparina, clomipramina, risperidona, zolpidem, clorpromazina, flunitrazepam, gabapentina, amitriptilina, metadona Últimos exames: CD4=1070 (28%)/CD8=1597 rel=0,67 (08/03/2015) e Carga viral- HIV(PCR)

Seu retorno é importante. Nós atendemos às solicitações de textos, desde que ligados ao tema central de alguma forma. Faça seu comentário, de sua opnião

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: