E quanto a nós, mulheres… Estamos PrEParadas? Em que termos

vulnerabilidades feminina à AIDS
E as mulheres, estão PrEParadas? Há muito não se fala sobre as mulheres quando o tema é AIDS e eu considero que elas são tremendamente vulneráveis!!!

Esta semana os resultados do estudo PROUD foram apresentados na Conferência sobre Retrovírus e Infecções Oportunistas, em Seattle (CROI). Este é um estudo importante baseado Reino Unido que analisa a forma como homens que fazem sexo com homens que são HIV negativo podem tomar Truvada, um medicamento usado para tratar o HIV, para evitar contrair o vírus através de relações sexuais, isso também é conhecido como Pré Exposição Profilaxis (PrEP )(nota do autor: Em português seria algo como Profilaxia Pré Exposição o que é diferente de PEP que significa Profilaxia Pós Exposição sobre a qual vocês podem saber mais aqui, neste link). O estudo PROUD mostrou que o medicamento com nome comercial Truvada poderia oferecer uma proteção de 86% para contágio por HIV.

Truvada, foi tomado por pessoas HIV positivas por mais de 10 anos no tratamento de HIV, e é relativamente seguro. No entanto, não se deve esquecer que ele tem efeitos potencialmente prejudiciais, especialmente nos rins e ossos. As pessoas que tomam isso precisa ser rigorosamente monitoradas.

Truvada já foi reconhecido apto a trabalhar na prevenção do HIV por um tempo, e ele foi aprovado para a prevenção do HIV nos EUA há mais de 2 anos, mas ainda não está aprovado na Europa. O estudo PROUD é importante para nós, no Reino Unido, porque além de provar a eficácia do Truvada como PrEP, também oferece um excelente modelo de prestação de prevenção para homens que fazem sexo com homens no âmbito do SNS. As pessoas no estudo não só receberam a pílula, mas também tiveram apoio psicológico e oportunidades para discutir e refletir sobre suas vidas sexuais. Um resultado interessante do estudo foi que os participantes não aumentaram suas jornadas de comportamentos de risco, porque eles estavam em medicação preventiva com Truvada. Provavelmente isso aconteceu por conta de todo o apoio psicológico que eles receberam.

Muito pode ser dito e, já foi dito, sobre PrEP; que gerou uma onda de ativismo e demandas (e também controvérsias) disponibilidade rápida no Serviço Nacional de Saúde (Britânico).

Acesso a PrEP para gays em alto risco de contrair o HIV se tornou a prioridade número um do ativismo relacionado ao HIV/AIDS.

Apoiei meus colegas ativistas na comunidade LGBT demonstrando em frente ao Ministério da Saúde, para acesso rápido a PrEP. Eu tenho feito isso com o espírito de solidariedade, como eu

Senhora idosa
Feliz da mulher, nos dias de hoje, que alcança a terceira idade e consegue andar com uma desenvoltura melhor do que a desta venerável senhora. Está bem difícil envelhecer nos dias de hoje

quero apoiar a demanda do que muitos homens gays sentem ser o melhor para si.

Acredito que tenha sido provado que a PrEP, se fornecida adequadamente, poderia salvar muitas vidas. Eu sei que a pesquisa PrEP foi dirigida à comunidade, e isso também é importante.

No entanto poderia o PrEP ser fornecido apenas aos homens que fazem sexo com homens no Reino Unido? E quanto aos outros? E quanto a outras populações vulneráveis, como as mulheres negras e os migrantes? E as mulheres transexuais? Todos os dados que temos aqui no Reino Unido são a respeito de homens que fazem sexo com homens, e isso me preocupa.

Tenho tantas perguntas na minha cabeça. Em primeiro lugar, e acima de tudo estou extremamente nervosa sobre a prevenção do HIV tornar-se totalmente centrado em ARV. E sobre todas as outras questões? Que tal escolha? Podemos realmente tratar-nos para fora desta epidemia?

Por enquanto eu só gostaria de compartilhar algumas questões que tenho sobre o acesso das mulheres à PrEP que continuam surgindo na minha cabeça. Quais são suas?

  • Será que as mulheres no Reino Unido querem PrEP? Em que circunstâncias? E, como eles gostariam de usá-lo?
  • Como é que a PrEP ser incluídos nos serviços sexuais e reprodutivos holísticas de saúde para as mulheres ao lado de preservativos femininos, contracepção, etc.?
  • A PrEP pode ser fornecido como oportunidade para melhorar a agência das mulheres e aumentar nossas habilidades (e possibilidades) em negociação sexual, para que possamos ter o sexo seguro e prazeroso e a experiência disso tudo com intimidade (espero!)
  • Como seria PrEP prestada às mulheres em nossas estruturas de saúde? Será que seria fornecida em clínicas de planejamento familiar? Por GPs? Quem vai pagar por isso?
  • Como é que os profissionais de saúde serão treinados no fornecimento PrEP para as mulheres? Como eles serão treinados para lidar com o estigma do HIV e da violência baseada no gênero?
  • Se as mulheres são vulneráveis ​​ao HIV como consequência da violência e abuso, seria PrEP a resposta? Talvez possa ser, a curto prazo, enquanto as mulheres são amparadas para acabar com o abuso.
  • Como pode a disposição de PrEP ser totalmente integrada aos serviços que apoiam as mulheres para saírem dos relacionamentos abusivos?
  • Como é que vamos assegurar que a oferta de PrEP para mulheres forneça caminhos para outros serviços essenciais para as mulheres: incluindo os serviços de saúde mental, serviços de drogas e álcool, o acesso a refúgios e moradia segura (para aqueles que saem relacionamentos abusivos etc.)?

Traduzido Por Cláudio Souza do original Are women PrEPared? Revisado por M.T.M. na noite de 19 de março de 2015

😍😍😍😜💫☮Sim, este da foto sou eu ! Minha sobrinha pediu que eu pusesse esta foto m meu perfil !.... Eu tinha aqui uma descrição a meu respeito que, uma pessoa classificou como “irreverente”. Esta é, realmente, uma forma eufêmica de classificar o que estava aqui. Tudo o que sei é que uma “ONG”, que ocupa um prédio de 10 andares estabeleceu uma parceria comigo, e eu tenho os logs do tempo de parceria, que foi mais um vampirismo pois, para cada 150 pessoas que saiam do meu site, clicando no deles, havia, em média, um que entrava. QUANDO ENTRAVA E SE ENTRAVA

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.