Anúncios
Últimas noticias

Cura para o HIV não está aí na frente ao virar a esquina… Mas há esperanças!

Todas as tentativas de replicar o processo que curou Timothy Brow, o Paciente de Berlim, terminaram em morte antes de se poder confirmar o resultado. A cirurgia feita em Thimoth tem uma possibilidade sucesso de uma para cinco. SE eu convidasse você a ir a um parque de diversões onde cada brinquedo lhe da uma chace de 20% de sair vivo dele você iria? :o)

Corte através do sensacionalismo e hipérboles.

Há muito a ser feito, em matéria de avanços científicos até que se encontra uma cura para a AIDS

Eu, Cláudio Santos de Souza, posto este vídeo, sabendo que o responsável pela veiculação dele pode impedir que ele seja exibido aqui.

Antes de prosseguir eu pergunto qual é o naipe do “ativista” que se esconde atrás de um avatar?

Conheço e respeito (alguns eu amo) muitos ativistas. E nem todos eu conheço pessoalmente. Mas eu vi o rosto deles, dezenas de vezes, no facebook, no twitter, no Instagram, em seus sites pessoais e, mais importante, eu sei o nome deles!

Você precisa pensar se pode confiar em alguém que “luta por você”, mas que se esconde no anonimato de um “nickname” e um avatar. Porque é só isso que se sabe, na súmula das súmulas…

Se você não ver o vídeo aqui você encontrará o link para ele no final desta introdução.

Recomendo que assistam a este vídeo com muita atenção e uma certa dose de ceticismo. Este vídeo, deu origem ao texto que eu traduzi abaixo, que deve ser lido com muita atenção.

Eu considero, pelo menos, uma ação temerária divulgar este vídeo, que faz as pessoas pensarem em coisas que podem mudar seu comportamento sexual no que tange à segurança nas relações, levando a um aumento considerável, e até mesmo trágico de casos de AIDS em todo o planeta como consequência funesta para seres humanos, vitimas de pessoas sem respeito pela vida humana!

O video deu origem a este texto e eu sugiro que o leia atentamente com olhos e raciocínio. Estão tentando nos fazer acreditar numa coisa que talvez possa não se realizar. Eu trabalho há quase dezessete anos com este site e tomo muito, mas muito cuidado com o que publico, porque sei que lido diretamente com saúde pública envolvendo vidas humanas.

Se o vídeo não estiver aqui procure o no YOUTUBE (o link abre em outra aba à direita da em que você está agora). Não desconsidero a idéia dele ser realocado para outra URL e, talvez você possa encontrá-lo procurando por esta expressão:

como eu previ, o incorporamento foi bloqueado. Para quem está interessado em somar…

Mas… O vídeo está ai! E abaixo dele, a resposta da comunidade científica

Se vocês não encontrarem, me avisem, pois assim saberei que consegui com que ele fosse removido.  : ) e eu o recolocarei de volta para alertar sobre este tipo de irresponsabilidade, como um farol nos rochedos, com uma luz tão forte que nenhum nevoeiro poderá ofuscar.

Cláudio Souza. Soropositivo desde 1994.

Cláudio Souza. Soropositivo desde 1994.

Liver - Female Organs - Human AnatomyA notícia em Abril de 2013. Os pesquisadores dinamarqueses afirmavam que era uma questão de “meros meses” (abre em outra aba e eu também fui um dos que caiu na esperançosa notícia) para se encontrar uma cura para o HIV. Outras mídias pegaram ansiosamente o eletrizante relatório, e as palavras atravessaram o planeta em jornais online e, depois disso, naturalmente, alcançaram as mídias sociais, que fomentaram a ideia de que era uma questão de espera (para mim tem sido uma questão de espera há vinte e dois anos) para falar-se de “por um fim à epidemia de HIV/AIDS, e que isso poderia se dar em breve, tornando-se realidade”.

Houve uma dificuldade: o Reino Unido surpreendentemente colocou na primeira página de um jornal, “Os cientistas à Beira da cura da infecção por HIV”.

Não era verdade. Pesquisadores da Universidade de Aarhus Hospital em Aarhus, Dinamarca, estavam e ainda estão pesquisando uma cura para do HIV. Um cientista dinamarquês  que está investigando um anticancerígeno conhecido como deacetilase histônica (inibidores HDAC) como um meio para lavar o vírus do chamado “reservatório latente onde ele (o HIV) se oculta, fugindo de tratamento antirretroviral (TARV). Mas na Universidade de Aarhus a investigação é apenas uma das fases precoces dos processos de vários anos de antes de ensaios em humanos. E não há qualquer garantia de que os pesquisadores estão a não mais do que arranhar a superfície da árdua tarefa de encontrar uma cura para o processo amplamente complexo de infecção viral como é o caso da infecção por HIV.

O Telegraph, que eventualmente reviu o artigo on-line, enquanto o hospital lançou sua própria correção, ficaram praticamente sozinhos na solicitação, ou pelo menos no que implica que uma cura da infecção para a infecção por HIV seria iminente. Nem é a única preocupação sanitária do HIV que inspirou essa hipérbole errada. Desde o Presidente Richard Nixon anunciou a “guerra sobre o câncer” em 1971, com notícias têm levantado repetidamente as esperanças da grande vitória à frente.

Normalmente uma sedutora manchete relacionada ao HIV vem de sites Médicos diariamente, como as que, em Março de 2015, se animam a dizer que uma cura funcional onde o vírus não é totalmente eliminado do corpo mas está sob controle sem ARVs foi um passo de aproximação à realidade.

No entanto, Michael Farzan, PhD, um proeminente pesquisador da cura da infecção HIV, professor no Instituto de Investigação Scripps na Flórida, diz, “é difícil dizer como estamos longe do início ao fim” na busca de uma cura do HIV. “Quem sabe; poderíamos ter nos movido uma polegada em uma marcha de 100 milhas.”

Zhi Hong, Doutor, Chefe de investigação em doenças infecciosas GSK (GlaxoSmithKline), que é uma das diversas empresas farmacêuticas a investir na investigação de cura, coloca esta questão de uma forma mais definitiva: “Não há qualquer ilusão de que [a cura] ainda possa custar um investimento monumental de dinheiro e décadas para vir a concretizar-se.”

Zelosos membros da comunicação social são praticamente os únicos a contribuir para percepções incorretas de cura da investigação pública. Talvez involuntariamente-suas palavras tenham corrido ao contrário de todas as outras mensagens públicas de sua fundação focada em saúde global co fundador da Microsoft, Bill Gates disse aos participantes do Fórum Econômico Mundial em janeiro que tanto uma vacina contra o HIV como os meios para evitar que as pessoas que vivem com o HIV tenham a necessidade de tomar diariamente ARV  chegaria até 2030.

Richard Nova Lima, um perito pela busca de uma vacina e da cura contra o HIV de em Grupo de Ação de tratamento, afirmou em um post no site da TAG, expressou o seguinte raciocínio:

“A esperança não se iguala à inevitabilidade.”

A respeito do entusiasmo de Gates, Nova Lima escreveu, “não têm base científica; houve sinais encorajadores de progressos sobre a vacina e a cura em algumas frentes nos últimos anos – mas os desafios que temos pela frente não devem ser subestimados

Em seguida há uma exuberante e hiperbólica quantidade de mensagens provenientes da Fundação amfAR para a arrecadação de fundos para a luta contra a AIDS, a para a investigação sobre a AIDS, que envia e-mails frequentes assinadas pelo CEO Kevin Frost no qual ele caracteriza a organização sem fins lucrativos para a contagem regressiva da “cura”, numa iniciativa auto delineada como consagrada ao “destrancamento final dos mistérios do HIV ” ou limpando os “obstáculos finais”, que ainda estão bloqueando uma cura contra a infecção por HIV.

Um vídeo de elevadíssimo conceito, em termos de merchandising, da amfAR em abril afirma que a luta contra o HIV tornou a “a milha final de uma épica jornada”, e que “a cura para todos está perto. O fim da Jornada está, finalmente, à vista. Tudo o que precisamos de fazer é agarrar a tocha e tocar a linha de chegada.” Só no final das 1.000 palavras do texto promocional a amfAR põe-se como pivô do respectivo feito sublinhou repetidamente que o objetivo da fundação é encontrar “uma cura para o HIV amplamente aplicável até 2020” para finalmente esclarecer que realmente visa ajudar a estabelecer os fundamentos científicos de uma “cura”. A amfAR lançou um comunicado à imprensa anunciando a cura em fevereiro de 2014. Iniciativa que nunca foi esclarecida.

[Uma observação do editor: Quem assistiu “À espera de um Milagre”, com Tom Hanks, da controversa obra de Stephen King, deve-se lembrar da frase final: “A última milha é a mais longa”. (…)]

Entretanto, Anthony S. Fauci, MD, diretor do Instituto Nacional de alergia e doenças infecciosas (O NIAID), uma divisão do Instituto Nacional de Saúde (NIH), diz que o sucesso na cura da frente é uma questão de “se” em vez de “quando”.

“Isso não significa que não há qualquer indício de desistência para o tentar”, diz ele. “Mas você precisa entender onde você está dentro do processo”.

Contrariando a tendência excessivamente efusiva dos relatórios sobre o progresso de cura, CNN apresentou uma manchete em seu site em Julho citando a virologista Francesa Françoise Barré-Sinoussi, PhD, co-descobridora do HIV, que alegaram que “desenvolver a cura é quase impossível“.

Os cabeçalhos são pela sua natureza redutora, certamente devido a restrições de espaço, mas talvez mais ainda porque os esforços dos jornalistas em atrair leitores costumam subverter nuance ou especificidade no texto. Neste caso, a CNN deixou muitos com a lamentável impressão tal como imprecisa como a noção de que a cura está ao virar da esquina de que todos esperamos que o pensamento Barré-Sinoussi foi perdido. Mas como a entrevista esclarece, laureado com o Prêmio Nobel da alegação foi mais pragmática do que pessimistas e articulada na sua descrição da extrema dificuldade de eliminar todas as últimas células infectadas pelo HIV do corpo. (Quando se referir ao sucesso em tal façanha, muitos cientistas utilizam uma terminologia mais específica, uma esterilização de cura. Argumentou que o que ela chamou de remissão, na qual o vírus é trazido para níveis muito baixos e aí mantidas diárias sem medicamentos, é uma meta mais viável que outros chamam cura funcional.

Miracle Letterpress

Naturalmente há uma pessoa que aparentemenet foi curada de HIV:

Timothy Ray Brown.

O americano de 49 anos de idade também conhecido como o paciente de Berlim, cidade em que ele foi tratado para leucemia e a quem foram dados dois transplantes de medula óssea, em 2007 e 2008, a partir de um doador cujas células imunes foram naturalmente resistentes ao HIV graças a uma mutação genética herdada cerca de 1% de caucasianos (uma mutação) possuem. Leucemia é de câncer de medula óssea, que fabrica células imunes. Um transplante de medula óssea oferece a um indivíduo algo de alguém que ajudará a recriar o sistema imunológico, depois do sistema imunológico doente, ter sido intencionalmente destruído, normalmente por quimioterapia).

Até o caso de Brown ser relatado pela primeira vez, e depois amplamente anunciado, em 2008, uma cura para o HIV foi a ambição de investigação dos que não se atreviam a pronunciar o seu nome. A ausência de replicação de vírus no corpo da castanha estabelecida que os cientistas chamam de prova de princípio – neste caso, de que a cura é possível e a sacudir o campo de cura para a vida. Mais cientistas não receberam bolsas e bolsas financeiras para estes estudos e elas não fluíram.

Nota do editor de soropositivo.Org

Li um texto científico que não pude copiar que descreve o processo que curou o paciente de Berlim, se transformado numa coisa em série algo no mínimo, temerário.

Das três pessoas que passaram pelo mesmo processo que Brown duas perderam a vida na mesa cirúrgica e a outra não obteve os mesmos resultados e, se eu fosse médico, diria que a cura do paciente de Berlim se parece mais com um cisto de 6 cm no meu rim direito que foi descoberto num exame ultrassonográfico de meu abdômen: “Um achado laboratorial” (eu enho este cisto renal e ele é maior que meu rim dirito e, contudo, é inofensivo)..

O desafio diante deles é formidável. O principal inimigo é o reservatório viral, uma entidade amorfa composta de células infectadas com o vírus em um estado de replicação suspenso, e que podemBrain impulses. Thinking prosess.
também incluir células infectadas fora do alcance do tratamento padrão, tais como no cérebro. O Padrão para o tratamento do HIV não elimina o reservatório porque ARV só funcionam quando uma célula está replicando e porque nem todos os medicamentos podem atravessar a chamada barreira hematoencefálica.

Infelizmente, a cura de Brown cura não é amplamente aplicável. Tais tratamentos de câncer, que são altamente dispendiosos, têm uma taxa de letalidade íngreme; pós-Brown, esforços semelhantes para a cura do HIV e câncer simultaneamente em seis outros falharam ou os indivíduos morreram antes de os investigadores podem estabelecer se a cura do HIV foi bem-sucedida. Tentativas para preparar o corpo para um transplante de medula com uma estratégia menos potencialmente letal significa também não derrotar o HIV.

CNC machining station at work. Milling, threading industry.Um obstáculo crítico voltado para os esforços pela cura é que os cientistas ainda não desenvolveram ferramentas refinadas o suficiente para determinar com absoluta certeza de que não há células infectadas em latência escondida no corpo de alguém que possa, anos mais tarde ganhar vida, começar a produzir novas cópias do HIV e finalmente repovoar o reservatório. Um elemento importante da pesquisa e descoberta de trabalho que caracteriza o campo de cura em grande medida de hoje é a tentativa de mapear o reservatório e para desenvolver testes que podem medir com precisão a sua presença. Versões de tais testes nascentes, estão ajudando cientistas determinar o sucesso das atuais tentativas de pelo menos reduzir o tamanho do reservatório.

O decepcionante caso do famoso Bebê de Mississippi ilustra não só as armadilhas dessa incapacidade de detectar corretamente e medir o reservatório, mas também a  falta de normas para a descrição de uma cura ou qualquer coisa do HIV em que o genericamente aproximado para a comunidade científica.

A Conferência sobre retrovírus e 2013 infecções oportunistas (CROI) em Atlanta, Deborah Persaud, MD, uma pesquisadora de infectologia pediátrica no centro infantilJohns Hopkins , ela anunciou que um bebê com, à época 18 meses de idade do Mississípi tinha sido curado do HIV Funcionalmente.

Em algumas maneiras, o qualificador “funcional” reconhece a impossibilidade de declarar o sucesso na consecução de uma esterilização de cura. Novamente, uma cura funcional é geralmente definida quando não há nenhuma definição oficial como um caso em que uma pessoa não é contagiosa e embora ele ou ela ainda abrigam o HIV e o vírus está sob controle sem a necessidade de TARV.

Pile of various colorful pills background.

Depois que o bebê foi infectado no Mississippi durante o parto, no momento do nascimento, pela via vertical, da mãe que se recusava a usar antirretrovirais para a filha, no cadinho de sangue em que uma sala de parto se transforma, os médicos rapidamente iniciaram a sua terapia em um coquetel de antirretrovirais agressivo e atípico. Sua mãe finalmente interrompeu o tratamento, e pelo tempo Persaud primeiro apresentou o caso aos colegas cientistas, a moça tinha passado dez meses desligada da TARV sem um rebote viral na ausência da TARV. Testes altamente sensíveis poderiam, todavia, continuar a detectar vestígios do vírus no seu corpo. Persaud diz ela usou a palavra “funcional” no momento porque se sentia não tinha passado tempo suficiente para confirmar que a criança era, simplesmente, curada.

Este período chegou ao fim após 27 meses, quando a carga viral da criança saltou e ela foi recolocada em TARV em 2014.

“Este acontecimento oferece, realmente, é um grande campo a se raciocinar, avaliar, testar e experimentar depois parar e pensar sobre terminologia e expectativas”, reflete Persaud, que está entre os líderes de um Estudo que procura para replicar o caso do bebe do Mississípi em recém-nascidos infectados ao nascimento em todo o mundo.

Nota do editor. Aqui mesmo neste site você pode procurar, clicando neste link transmissão vertical e vocês verão, por exemplo, que há já quatro ou cinco anos que não há um só nascituro soropositivo, na cidade de Santos litoral de São Paulo e, um pouco adiante, você pode verificar que Cuba foi considerada pela Organização mundial de Saúde como que “finalizada” no âmbito da transmissão vertical (de mãe para filha no momento do parto).

Há esperança de que outras crianças o resultado possa ser melhor do que o do Bebê Mississípi (cujo caso, juntamente com outras tentativas de cura falharam, ensinou aos cientistas uma grande ideia e ajudaram a formar e impulsionar o futuro da investigação). A Reunião de Julho da conferência Internacional AIDS Society em Vancouver, British Columbia, notícias que um francês de 18 anos de idade e uma mulher que tem doze anos de experiência sobre a sua vida após nascer com HIV, recebendo tratamento profilático e então viveu seis anos sobre terapia combinada TARV antes de sair do tratamento. Alguns pesquisadores podem, ainda, encontrar DNA do HIV em seu corpo, mas ela não tem nenhuma replicação viral detectável no seu plasma.

View on Eiffel tower at sunset

Outra dúzia de franceses, conhecido como indivíduos do Visconti coorte, permaneceram em um estado de remissão por toda uma década depois de parar a Terapia Antirretroviral, todos eles iniciados no prazo de seis meses a contar da transmissão do vírus HIV. Os cientistas acreditam que em cada um deles, como tratamento imediato impediu o reservatório do viral se incutisse significativamente

Asier Sáez-Cirión, PhD, do Instituto Pasteur de Paris, apresentou pela primeira vez dados sobre o Visconti em coorte de 2011; mas, acaba nas suas palavras, a notícia subiu “quase despercebida” no momento. Nos últimos anos ele obteve mais interesse, mas nada comparado com bebê do Mississípi. A grande disparidade na atenção dirigida a Sáez-Cirión e respectivos anúncios de Persuad podem ser atribuíveis à semântica. Sáez-Cirión desde o início de seus trabalhos se afastou do glamour e da emoção da palavra “cura”, com ou sem um qualificador e decididamente insistiu em caracterizar esses indivíduos Franceses como apenas e tão somente um estado de remissão.

A palavra “remissão”, Sáez-Cirión, evoca um conceito as pessoas estão familiarizadas com o câncer: A doença acabou, mas sempre há uma chance de que ele poderia voltar. “Quando você usar o termo cura “funcional “, ele acrescenta, “às vezes a parte “funcional” é interrompida e a parte que diz ‘cura’ continua. E cria uma certa confusão”.

De fato, muitas das manchetes relativas à bebê de Mississípi estabeleciam que a mesma estava curada, assim, sem nenhum cuidado semântico, deixando a mensagem bruta, sem nenhum polimento ou outro cuidado na escrita, abrindo a asas da imaginação de todos os que lessem a de lhe atribuir qualquer nuance. Apregoando a suas contribuições para o caso (outra razão possível para que o caso recebesse, como recebeu, tanta atenção dos meios de comunicação), amfAR declarou em um comunicado de imprensa que “confirmação da cura foi possível” na parte por uma subvenção da Persaud amfAR em apoiar o estudo(SIC).

Em nítido contraste com o levantamento da Fundação Passos, diretor de pesquisa da amfAR, Rowena Johnston, PhD, um tom medido quando descrevendo o estado atual investigação sobre a cura da infecção por HIV, dizendo: “pensamentos em torno dos principais desafios estão começando a coalescer (abre em outra aba do navegador). Não que os investigadores tenham necessariamente encontrado respostas ou todas as respostas. Mas o que as pessoas estão realmente começando a concordar que os desafios são susceptíveis de serem desmontados“.

Um importante elemento que é cada vez mais a coalescência é dinheiro. De acordo com um relatório de Julho de do grupo de defesa global HIV AVAC, mundial públicas e filantrópicas o investimento em investigação de cura saltou por 82% entre 2012 e 2014, a partir de US$ 88 milhões para US$ 160 milhões. A parte do leão vem dos Estados Unidos, principalmente sob a forma de subvenções, com $NIH 114 milhões em 2014 e um nível estimado de US$ 127 milhões marcado para 2015. A AmfAR pretende dimensionar rapidamente o seu financiamento a partir de quantia anual 4,4 milhões em 2014 para oferecer aos investigadores um total de 100 milhões de dólares ao longo de um período de seis anos a partir de 2015. A Fundação Gates concedeu cerca de US $ 9 milhões de euros para a investigação de cura em 2014.

Tais valores são ainda parcos em comparação com os últimos investimentos de investigação de vacina contra o HIV; NIH gasta mais de metade de um bilhão de dólares anualmente nesta frente. De acordo com S. Fauci, a disparidade entre o financiamento da cura e da vacina  não é um reflexo da falta de entusiasmo da agência para a causa da cura. Em vez disso, vacinas obtém mais dinheiro porque o campo é mais avançado; vacinas estão, principalmente, no campo do desenvolvimento, em vez de descoberta, ou fase.

AVAC cura global da investigação figuras não conta para a indústria de despesas. A GSK recentemente se comprometeu em 20 milhões de dólares ao longo de cinco anos para um esforço conjunto com a Universidade da Carolina do Norte (UNC), Chapel Hill. Além disso, a Merck, Gilead Sciences, Janssen, e as empresas de biotecnologia Calimmune Sangamo BioSciences e estão todos na pesquisa.

O campo é cada vez mais colaborativo. Em 2011, o NIH estabeleceu a Martin Delaney Collaboratories, que encorajou a cooperação entre o mundo acadêmico e o sector privado. Há também a colaboração entre  bolseiros da amfAR.

Quando se trata de pesquisa que vai além do estudo de fundo e progride em terapias curativas, o real maior foco é sobre um método conhecido como “chutar e matar”. Na primeira parte desta estratégia de pontapé de fase em  um agente, ou combinação de agentes, impele ao “maquinário” latente de células infectadas de volta à ação. O desafio de matar subsequentes é em parte encontrar maneiras para limpar o corpo das células recém-ativadas.

Infelizmente, ARVs não matam as células infectadas pelo HIV. Nem o sistema imune, em parte porque estas células específicas têm tão poucos antígenos do HIV em suas superfícies (Antígenos do pavilhão de uma célula que permita que a mesma pareça como infectadas e ajudar a convocar uma resposta imune). O problema de confusão, a resposta imune da pessoa ao HIV pode ter diminuído após anos tomando TARV e o vírus em latência nas células infectadas podem ter cepas mutantes capazes resistir à principal linha de resposta do sistema imune.

O laboratório de Robert Confitadas, MD, PhD na Universidade Johns Hopkins, leva a campo o “chutar e matar”, que inclui esforços de mais de duas dúzias de grupos em todo o mundo, tais como o UNC-equipe GSK e o laboratório dinamarquês que conquistou as manchetes erradas. Os pesquisadores estão testando pelo menos seis agentes de marcha de latência em seres humanos, incluindo a HDAC ,inhibitorsvorinostat, panobinostat e romidepsin.

Os cientistas estão explorando sobre vários meios de aumentar a resposta imune da frente CHUTAR, a fim de dar origem a células imunes ou de anticorpos que possam  atacar de forma mais eficaz as células infectadas recém despertas.

Segundo David Margolis, MD, que lidera o esforço de UNC, chutar e matar ainda está  “na sua infância”, mas ele tem desfrutado de alguns avanços recentes. “A maior limitação para o progresso agora”, diz Margolis, “é que ainda não termos verdadeiramente desenvolvidas as ferramentas de diagnose que sejam seguras e eficazes e que demonstrem que os reservatórios de forma que os reservatórios sejam suficientemente empobrecidos e que possamos medir”. Em outras palavras, pesquisas com o chutar, parte da estratégia, está apenas no início, quaisquer resultados são particularmente insuficientes. “Penso que depois esperaremos algo que não seja demasiado longo, talvez um ou dois anos e teremos o movimento para a frente em que conta alguma forma de progresso”.

No entanto, S. Fauci “não é a certeza de que o choque global e que abordagem de chutar e matar” será bem-sucedida.

Ainda mais para o domínio da ciência de ficção realizável é a investigação em terapias genéticas curativas. Os pesquisadores estão tentando recriar o caso Tim Brown ( pelo menos parcialmente), mas sem o perigo e a impraticabilidade de um transplante de medula óssea tradicionais( nota do editor Clique aqui ara obter uma boa definição do transplante de médula. O Texto abrirá em outra aba ou janela de seu navegador, porém, em Português)

O doador da medula de Brown tinha uma mutação genética que impedia o desenvolvimento da infecção que seria própria do doador, chamada de coreceptor CCR5, que está localizado na superfície das células CD4 imunes que são as metas do HIV. Sem o CCR5, a maioria das cópias do HIV não trava na contagem de células imunológicas, muito menos as infecta. Assim cientistas Sangamo e o Centro de Investigação do Cancro Fred Hutchinson, entre outros, estão experimentando o desenho com células HIV positivo imunes do indivíduo ou de células imunológicas que produziriam células estaminais

(As células-tronco, células-mães ou células estaminais são células que possuem a melhor capacidade de se dividir dando origem a duas células semelhantes às originais.Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre redirecionado de Células estaminais) e a edição de seu código  prevenindo o desenvolvimento do coreceptor CCR5. (nota do editor: se isso for ou fosse obtdo, o HIV ficaria no plasma sanguíneo, praticamente a deriva, sendo caçado – gosto de pensar nisso – pelos antícorpos até a última cópia do seu RNA Fonte da parte científica Wikipedia (abre em outra aba) Fonte da parte cruel: Eu mesmo 🙂

Sangamo tem tido alguns resultados promissores a partir do tratamento genético da empresa, com um um homem com 32 anos de idade fora de esquemas terapêuticas (TARV) por mais de um ano e meio após uma infusão de células editadas (células estaminais), resistentes ao HIV. Ele não está curado da infecção por HIV, que ainda esta replicando-se ativamente mas a sua carga viral é apenas de cerca de 500 e o seu nível de CD4 permaneceu estável (O artigo não menciona a taxa de CD4).

Este é um exemplo de sucesso parcial que os pesquisadores podem construir sobre como elas atingem um êxito parcial; mas, sobretudo, um êxito. Cada um destes passos individuais podem oferecer novas e excitantes benefícios para a saúde de pessoas que vivem com o HIV. Em última análise, várias abordagens podem ser necessárias para bater o vírus, com maior eficiência do que o TARV já é capaz de fazer.

“Há muitas rotas de ataque” na busca da cura da infecção do HIV, dizem laureados com o Prêmio Nobel, o virologista David Baltimore, Doutor, Professor do Instituto de Tecnologia da Califórnia e o fundador da Calimmune, “e do meu ponto de vista, a palavra cura seja, talvez, enganosa. O que queremos fazer é tornar esta doença, a infecção por HIV, numa doença menor e menos debilitante. E o que isso significa é limitar os efeitos do vírus e também avançar para formas de terapia que sejam menos debilitantes para o paciente”.

close up round white pill in hand

Outro avanço incremental que a pesquisa pode alcançar a cura é reduzir a reprodução de baixo nível de replicação viral que ocorre mesmo na presença de sucesso do tratamento com a TARV. Cientistas suspeitam de esta atividade do vírus pode estimular o sistema imune em um estado de inflamação crônica, e acredita que é contribuir para o aumento do risco de distúrbios relacionados com a idade entre as pessoas que vivem com o vírus. Outra ambição de curto prazo, é para os tratamentos que permitiriam períodos prolongados de remissão, dando antivirais às pessoas HIV positivas numa forma segura de viver um tempo desligados das toxicidades da TARV.

Encolhendo vastamente,  mas não eliminando totalmente o reservatório, pode permitir à tal remissão estendida. Caso no ponto, os membros da coorte Visconti não têm zero reservatório; são apenas reservatórios muito pequenos em cada um deles. (Cientistas tem as ferramentas para determinar isso.) Um recente estudo constatou que se alguém parar de tomar TARV irá passar, em média, uma semana  antes de pelo menos uma célula latente infectada tornar-se reativa com êxito que seja capaz de iniciar um rebote viral. Considerando o grande número de células do reservatório típico, a implicação é que qualquer célula somente raramente salta em ação significativa. Com base nessas observações, os autores estimaram que um 50-A-70-dobra a redução no tamanho do reservatório pode estender o tempo entre a paragem e um rebote viral que necessite de TARV para uma média de uma vez ano. Confitadas fez sua projeção que algumas pessoas com HIV poderiam experimentar aprendizagem de remissão com algo em torno 1.000-10,000* reservatório de dobra de redução.

“Poderíamos obter intervenções em que trabalho uma boa parte do tempo em secções positivas do povo”, diz da amfAR Johnston. “E por isso vai ser este processo interativo ao longo do tempo até chegar a uma intervenção que cure a maioria das pessoas a maior parte do tempo. Talvez tão boa quanto possamos esperar “.

Nota do editor: No caso de 1.000 a 10.000 como fica a não transmissibilidade do vírus, e quanto a carga viral indetectável < 4o? Seria um retorno à transmissibilidade?

Traduzido do original em The Cure For HIV Is Not Around the Corner de Benjamin Ryan por Cláudio Souza em 16 de fevereiro de 2016

Anúncios

Olha só pessoal.

No início do post tem uma imagem com um texto falando sobre o trabalho e os custos que a gente tem. Você que está me lendo agora, pode e tem o direito de não acreditar.

No mês de mais, quando mais de quarenta mil visitas foram registradas, houve três cooperações.

Quando nós pedimos cooperação financeira, qualquer valor é bom.

Sabe, o beija-flor pode carregar uma diminuta gota d’água em seu bico, no afã de apagar o incêndio na floresta….

E nunca será insuficiente 😊

Está conta serve para transferências de qualquer banco ou depósitos na boca do caixa de qualquer agência do Santander

Esta conta não permite, senhores abusadores, que seja feito nada a título de débito nela.

Você não poderá, como já pôde, assinar 65 revistas de uma só editora e, muito menos abrir contas de acesso à Internet :-)

Precisa conversar

Whats App Soropositivo.Org

Estamos aqui para ajudar a pensar, não para diagnosticar. Não somos médicos ou profisionais de saúde. Buscamos ajudar com palavras amigas, conforto espiritual e, na medida do possível, terminar com a neurose gerada por bloqueiros de meia pataca ou homofóbicos sem caráter que não pensam duas vezes antes de espalhar terros entre pessoas que, quer eles, os homofóbicos, queiram ou não, são seres humanos. Tenha em mente que o numero do WhatsApp esta conectado a um CPF

A PEP é um direito de todos! Saiba onde a achar

A PEP é um direito de Todos

A PEP É um DIREITO DEDOS

[EIKYGMrz]

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico 2013/2014

Top Blog Pessoal Saúde Juri Acadêmico
Sobre Claudio Santos (524 artigos)
Depois de passar quatro décadas tentando estabelecer pelo menos um armistício com meu pai e ver as falhas ocorrerem sistematicamente, tentativa após tentativa, eu desisti do sobrenome “de Souza”. Estava me preparando espiritualmente para isso quando uma amiga locupletou a façanha de descobrir onde está minha mãe... Cláudio Santos. Quem preferir, aluda-se a mim como o Cláudio do Site,ou Cláudio do Soropositivo.Org, ou ainda aquele da promessa não cumprida: Cláudio, o trouxa do livro que acreditou em "palavra emprenhada". Eu mostro meu rosto, embora alguns me censurem, porque, no meu modesto ponto de vista, ser portador de HIV não é crime e, portanto, não há do que me envergonhar. Eu contraí HIV pela via sexual. Eu fui um DJ e, durante cinco anos fui DJ no vagão Plaza e durante uns outros dois ou tres, quase quatro anos, fui DJ do Le Masque. Lá, um filho da puta me pediu para fazer minhas férias e puxou meu tapete. Aí fui parar na "Segredos", uma casa gay e, de quebra, morei lá por um tempo. Rua da Amargura, onde R.A. Gomes me colocou. Mas dei a volta por cima e fu trabalhar na SKY. Depois, na Pink Panther, em Santos e, enfim, na XEQUE Mate e, terminei minha carreira, aquele que fora três vezes considerado o Melhor DJ de São Paulo, como um apagado DJ do La Concorde e do Clube de Paris, onde conheci uma das mais belas mulheres com quem convivi e a perdi. Conheci alguém novo, uma mulher, "do dia", que me apresentou esta Entidade, o computador e, por muito tempo vivi de consertá-los. Sei, hoje, que ainda há muita gente que me odeia. Quer saber? Get them the hell and fuck off porque eu não dou a mínima. Simplesmente faço meu trabalho e me reporto a Deus...

4 Trackbacks / Pingbacks

  1. Homens Gay’s HIV-negativos precisam de preservativo se eles estiverem em PrEP? Aqui está o que eu digo aos meus pacientes – Soropositivo.Org. Há vida com HIV
  2. O Sofrido Drama da Janela Imunológica Eterna e Minha Resposta para Ryan – Soropositivo.Org – Há vida com HIV
  3. Ampla Diversidade na Pesquisa de uma Vacina contra o HIV em 2016. E ainda há mais para 2017 Soropositivo. Org - Há Vida com HIV!!!
  4. Relatório do “avanço”  britânico sobre cura do HIV é prematuro Soropositivo. Org - Há Vida com HIV!!!

Seu retorno é importante. Nós atendemos às solicitações de textos, desde que ligados ao tema central de alguma forma. Faça seu comentário, de sua opnião

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: